Crítica: A Invasora (2007) - Sessão do Medo

24 de dezembro de 2011

Crítica: A Invasora (2007)


De uns tempos pra cá a criatividade em Hollywood esteve em baixa, principalmente no gênero terror, com continuações desgastadas e remakes desnecessários. Tal falta de criatividade fez com que o público abrisse os olhos para produções de outros países que produziam filmes de terror de qualidade, exemplos é o que não faltam: Japão, China, Espanha, Noruega, França... O cinema Francês teve bons exemplares de terror como Martyrs, Alta Tensão, A Fronteira e Eles. Filmes violentos e com um suspense bem construído. A Invasora é mais um exemplo do bom cinema de terror Francês, um dos filmes mais tensos e violentos dos últimos tempos.

O enredo é esse: Depois do acidente que resultou na morte do marido, a protagonista que esta grávida entra em depressão e decide passar a noite de natal sozinha em casa, até que uma estranha bate na porta e não quer ir embora... Pronto, quanto menos souberem melhor, contar mais que isso é estragar as surpresas do filme.

O filme começa com um clima de drama, depois muda pra um clima de suspense, até chegar no puro terror extremo e sangrento.

A Invasora vai chocar os sensíveis e agradar os sanguinários que curtem um terror mais extremo. O filme tem bastante violência gráfica, lembra o bom e velho estilo splatter, filmes que centram no visceral e na violência gráfica, que era bem comum nos anos 80. As tentativas de chocar o expectador são certeiras, mostrando sem piedade violência contra a grávida e seu bebê. Os diretores são ousados na violência, mostrando as reações do bebê dentro do ventre nas horas de violência contra a mãe.

A tensão do filme é bem conduzida e eficiente, com um suspense crescente, que começa devagar e vai aumentando, quando o terror começa não tem fim até o filme acabar de vez. O clima nunca diminui e o filme nunca desanda, nem fica chato.

Outro ponto alto é que os diretores optaram pelo clima de tensão e não pelos sustos fáceis que são mais comuns em produções americanas. Eles sabem tornar uma cena tensa sem precisar apelar pros sustos, como na cena em que a invasora aparece ao lado da cama, a cena consegue assustar mesmo sem trilha sonora ou efeitos sonoros.
Os diretores Alexandre Bustillo e Julian Maury conseguem transformar toda a violência em arte, a última cena é um exemplo disso, chocante, triste e ainda assim bonita, o tipo de cena que fica na mente do expectador um bom tempo. O desfecho não irá agradar a todos, principalmente quem está acostumado com o típico final Hollywoodiano.

As atuações estão muito boas, principalmente a da atriz que interpreta a Invasora (maluca pra caralho). Melhor assassina desde a Sra. Voorhees.


A Invasora é um filme super recomendado pra quem curte filmes extremos, com muito sangue, violência e tensão do começo ao fim. Mais um filme que prova que os franceses são mestres do terror atual.

Postado por: Marcelo

3 comentários:

  1. Anônimo1/30/2013

    Vou conferir.parece ser muito bom

    ResponderExcluir
  2. Sem dúvida, o pior filme que já assisti !

    ResponderExcluir
  3. Anônimo3/22/2018

    O filme é muito bom!

    ResponderExcluir