Crítica: Colheita Maldita II - O Sacrificio Final (1992) - Sessão do Medo

25 de março de 2012

Crítica: Colheita Maldita II - O Sacrificio Final (1992)


Uma das regras que se faz presente no gênero terror é a de que se um filme de terror faz sucesso ou é cultuada por um grande número de pessoas uma continuação é certa. Os estúdios nunca deixam passar a oportunidade de ganhar umas verdinhas e lançam continuações só para faturar. Um dos maiores exemplos é essa continuação de Colheita Maldita. O filme original baseado no curto conto do famoso escritor Stephen King fez um sucesso considerável e se tornou um cult, uma continuação era algo esperado. O filme original tinha uma estória simples e limitada, sem possibilidades de continuações, mas como os produtores são tão espertos que conseguem tirar sangue de pedra foi lançado quase 10 anos depois essa continuação de Colheita Maldita, intitulada Colheita Maldita II: O Sacrifício Final, não se engane pelo titulo, essa é só a primeira de uma longa série de continuações, sendo uma das mais ruins da série.

No enredo o jornalista investigativo David Price de um jornal chamado ''World Inquirer'' está investigando uma matéria sobre os assassinatos que aconteceram em Gatlin, acompanhado pelo filho adolescente, ele investiga a fundo a matéria sobre os assassinatos dos adultos da cidade cometidos pelas crianças do culto do falecido Isaac. As crianças são levadas a cidade vizinha, onde cada um será adotado por uma família (quanta burrice, quem adotaria esses psicopatas mirins?!).

Agora os moleques são liderados por Micah, que foi possuído depois de entrar no milharal, juntos eles começam a matar os adultos da cidade de forma silenciosa e sutil, sem levantar suspeitas. O jornalista continua sua investigação com a ajuda de um professor índigina de antropologia que tem teorias estranhas sobre o quê está acontecendo por ali. O filho conhece uma garota na cidade que logo vira seu interesse amoroso, assim como o pai que conhece a dona de um hotel, a mesma que tem a guarda de Micah, lider das crianças do milharal.

Um dos piores filmes da série, o roteiro é completamente sem pé nem cabeça apresentando teorias absurdas que nada acrescentam e só confundem o expectador. Uma das piores é a de que tem uma substância tóxica na plantação de milho que deixa as pessoas com alucinações e insanidade temporária, dando a entender que o lance sobrenatural é uma alucinação e que os assassinatos cometidos pelas crianças são obra de uma insanidade temporária (WTF?).


O elemento sobrenatural tem bastante destaque nesse filme, bem mais do que o filme original, com direito a uma morte feita por magia negra, em uma cena bem bacana em que um homem é morto na igreja durante uma missa, uma das poucas cenas de destaque do filme.

Algumas mortes são muito boas com destaque para aquela que uma senhora é atropelada por um caminhão e é jogada em direção a um bingo na hora do sorteio, outra que um senhor é morto por várias crianças que espetam ele com agulhas e facas. Tem também uma que uma senhora é esmagada pela própria casa.

A falta de suspense é um dos grandes pontos negativos do filme, assim como o roteiro bagaceiro repleto de clichês e idéias absurdas e alguns momentos toscos como aquele em que dois jornalistas são mortos no milharal, um eletrocutado pelo milho do milharal (!) e o outro com um pé de milho enfiado na garganta (rs).

Os atores são bem ruins também, o ator que interpreta Micah até se esforça, mas não consegue convencer com seu personagem que é um dos mais sonsos da série, junto com aquele moleque orelhudo do 5º filme. Já os outros atores não tem carisma suficiente para fazer o público torcer por eles, por mim se morressem todos seria até melhor.

O diretor acerta ao mostrar mortes criativas e algumas violentas, mas erra ao criar muitas cenas previsíveis. O desfecho que deveria ser tenso, não consegue causar impacto por ser tão previsível. O heróismo do Pai e do filho chega a incomodar. O desfecho é tão típico e previsível que acaba tirando toda a graça do filme. O diretor ainda teve a cara de pau de roubar uma cena do filme original, que mostra ''Aquele que Anda por Trás das Fileiras" andando embaixo da terra e perseguindo os personagens.

Na critica do primeiro filme eu comentei que o jeito que os roteiristas deram para acabar com o mal do filme era ruim, nesse é péssimo, um dos finais mais sem graças que eu já vi. A falta de climax também incomoda, a única coisa que se vê na parte final é heroísmo e correria.


Pra quem realmente curtiu o primeiro filme pode se ariscar com esse segundo por conta própria, é uma continuação muito inferior ao primeiro que não é um clássico. Tem algumas poucas qualidades e serve como passa tempo, mas ao todo é um filme ruim que dificilmente vai agradar em cheio alguém.

Postado por: Marcelo

Nenhum comentário:

Postar um comentário