Crítica: Fúria de Titãs 2 (2012) - Sessão do Medo

11 de abril de 2012

Crítica: Fúria de Titãs 2 (2012)


Não importa o quanto um blockbuster é bombardeado pela crítica, se fizer sucesso a continuação é garantida. Fúria de Titãs é um exemplo, foi bombardeado pela critica e não faturou o tanto como os produtores pretendiam, mesmo assim uma continuação foi anunciada pela Warner Bros que apostaria suas fichas na continuação, que assim como o anterior foi gravado em 2D e convertido para o 3D na pós-produção, algo que foi bastante criticado no primeiro.

Gostei muito do 1º filme, achei um puta filme e também achei um puta exagero neguinho falar mal do filme de ponta a ponta, sendo até apontado como um dos piores filmes de 2010. Gostei de saber que ia ter uma continuação, mesmo depois do filme ser malhado por todo mundo.

Fúria de Titãs 2 se passa 10 anos depois do primeiro filme, com Perseu vivendo como humano depois de ter se recusado a governar no mundo dos Deuses. Ele vive como pescador junto com o filho depois que a mulher morreu. Quando Zeus é capturado pelo irmão Ares (que havia sido banido para o submundo no filme anterior), Perseu é obrigado a deixar a vida tranquila de pescador e partir numa jornada até o submundo em busca do pai que está sendo usado como fonte de energia para uma poderosa criatura do submundo chamada de Quemera. Junto com o primo, filho de Poseidon e a semi-deusa Ândromeda eles fazem de tudo para salvar Zeus e impedir que as criaturas do submundo sejam libertadas, causando destruição ao mundo dos mortais.

A direção dessa vez ficou a cargo de Jonathan Liebesman que dirigiu o excelente No Cair da Noite, O Massacre da Serra Elétrica O Inicio, o curta Círculos (que está incluido no DVD de O Chamado 2) e mais recentemente A Batalha de Los Angeles. A nova direção ajudou muito no visual e na estética do filme, assim como o diretor fez no prequel de O Massacre da Serra Elétrica,  Fúria de Titãs 2 ganhou um ar mais sujo e "realista" e cenas mais dinâmicas com edição frenética (ao estilo No Cair da Noite).



Os efeitos especiais melhoraram muito e estão bem diferentes daqueles toscos CGI do primeiro. O design das criaturas está bem melhor e estão mais bem caraterizados, destaque para o minotauro que foi criado na maquiagem,sem efeitos CGI. Os gigantes cyclops  são totalmente criados em CGI, mas que estão muito bem feitos.

Humanizar os personagens, principalmente os Deuses foi algo certeiro, deixando os personagens bem mais interessantes e bem construídos. Raph Finnes está bem melhor como Hades do que no filme anterior, dessa vez sem a voz asmática do Voldermort pra atrapalhar, Liam Neeson também está melhor como Zeus. Além dos dois o elenco tem o ator Danny Hudson (o vampiro líder de 30 Dias de Noite) interpretando Poseidon que aparece tão pouco e passa tão despercebido como no primeiro filme, além dele também tem o ator Bill Nighty (O Viktor de Anjos da Noite) com todos os trejeitos do Davy Jones de Piratas do Caribe, interpretando o velho maluco que ajuda perseu e os amigos na jornada.


Sam Worghinton prometeu uma atuação melhor nesse filme do que no anterior, mas continua na mesma, isso não gera nenhum problema porque (assim como o falecido Andy Whithfield da série Spartacus Blood and Sand) ele tem bastante carisma, mesmo de cara fechada e não precisa se esforçar para criar simpatia com o público.

Além das cenas de ação com criaturas gigantes e cheios de efeitos especiais, o filme também tem cenas de luta bem bacanas. Destaque para a luta final de Perseu e o irmão Ares.

Fúria de Titãs 2 cumpre bem o seu papel de ser um divertido filme pipoca e um ótimo filme de fantasia, não irá agradar gregos e troianos. Quem não gostou do primeiro certamente também não vai gostar desse aqui, quem gostou vai gostar ainda mais desse. Então sigam me os bons.

Postado por: Marcelo

Nenhum comentário:

Postar um comentário