Crítica: A Tortura (2005) - Sessão do Medo

16 de agosto de 2012

Crítica: A Tortura (2005)


Há um tempo atrás quando eu alugava DVDs numa locadora perto da minha casa, tinha uma promoção que quanto mais DVDs você alugasse, mais barato saia a locação, cada um saia em torno de 1,50 e essa promoção era boa pra por alguns filmes em dia e conhecer outros. As vezes levava filmes desconhecidos que eu nunca tinha ouvido falar, muito daqueles filmes que chegam e mofam na prateleira da locadora e ninguém assiste. Foi alugando filmes nessa promoção que conheci tranqueiras como O Massacre, Freakshow-O Show dos HorroresMortuária e essa tranqueira chamada A Tortura dirigido por ninguém menos que Lamberto Bava, diretor do clássico Demons-Filhos das Trevas, que assim como Tobe Hopper parece ter entrado em decadência, dirigindo traqueiras nesse estilo e sujando o próprio nome.



A Tortura foi lançado em 2005, ano onde houve uma explosão no subgênero "Porn Torture", filmes que apresentam tortura tipo O Albergue e Jogos Mortais, mas enga-se quem acha que esse filme está no mesmo nível que esses dois.


No enredo (que enredo?) uma atriz está tentando conseguir uma papel em um filme de um diretor conhecido. Na audição o diretor não aparece e a moça recebe instruções do que fazer de uma voz distorcida que sai de um alto falante. No mesmo local ela encontra um brinco igual ao que uma amiga desaparecida usava antes de sumir. A moça então sai por ai investigando o paradeiro da amiga desaparecida, sem medo do que pode acontecer. Ao mesmo tempo que ela procura a amiga e tenta descobrir o que aconteceu, três putonas aparecem pra fazer teste de atriz com o mesmo diretor. Que novamente não aparece e fala de um alto falante, chamando uma por uma para entrar em uma sala, onde são vitimas da tal tortura que diz no título.


Por onde começar? O filme é ruim, ruim, ruim pra caralho. Mal feito, mal dirigido, mal roteirizado, mal atuado, mal conduzido. Uma grande tranqueira. Momento nenhum dá pra entrar no clima do filme, tudo parece tão tosco e amador que não dá pra levar a série nenhum segundo.




As cenas de tortura são risíveis de tão mal feitas, tão mal feitas que o título do filme deveria ser "A Tortura das Bonecas de Borracha". Nenhuma das cenas causa a reação esperada, em vez de chocar o público vai fazer todos rirem de como são mal feitas as cenas de tortura, onde é visível as personagens sendo substituídas por bonecas de borracha e quem espera pelo menos uns peitinhos de fora pra animar, vai ficar a ver navios, porque nem isso o filme oferece.



A trama poderia sim render bons momentos de suspense, mas é muito mal conduzido. Em alguns momentos o filme foca no mistério, onde a protagonista investiga o desaparecimento da amiga, no mesmo segundo corta para uma cena onde as bonecas moças são torturadas pelo assassino (Que é quase uma cópia do Harry  Warden do Dia dos Namorados Macabro, com direito a uma lanterna no capacete). O possível suspense que poderia ser criado não funciona, principalmente pelo jeito que o filme é editado. Como esperar que a moça esteja em perigo, se o público sabe que não está? Sendo que é mostrado a todo momento que o assassino está ocupado torturando as moças. A trama também gasta tempo com coisas desnecessárias como os problemas na família da protagonista. 




Se você quer ver um filme chocante, tenso e bem bolado não vai achar nada disso nesse aqui. Apenas uma tranqueira que foi feita pra mofar na prateleira das locadoras.

Postado por: Marcelo

Nenhum comentário:

Postar um comentário