Crítica: Evocando Espíritos (2009) - Sessão do Medo

6 de novembro de 2012

Crítica: Evocando Espíritos (2009)


Depois de alguns dias (vários) sem postar por falta de tempo de assistir filmes, estou de volta para trazer para vocês o filme baseado em fatos reais, Evocando Espíritos.

O filme conta a história de Matt (Kyle Gallner), filho de Sara (Virginia Madsen) e Peter Campbell (Martin Donovan), que é diagnosticado com câncer, então toda a família precisa se mudar para um local mais próximo da clínica onde realizará seu tratamento. Aos poucos Matt apresenta sintomas estranhos, tendo uma súbita mudança de comportamento. Ao pesquisar o passado da nova casa, Sara e Peter descobrem que ela fora um centro de pesquisas que procurava algo além do que o simples contato com espíritos.

Uma vez (isso há uns três anos), um colega meu disse que assistiu esse filme e que achou o filme mais assustador da sua vida e teve muito medo. Fiquei com vontade de assisti-lo mas não sei porque não o fiz, acho que tinha esquecido o nome dele ou algo assim. Há umas duas semanas, vi que ia passar na TV num desses especiais de Halloween e resolvi assistir. É sério. Alguém pode me dizer ONDE esse filme é assustador ?

O filme começa bem fraco e arrastado. Depois da introdução falando que o filme é baseado em fatos reais, qualquer um cria uma grande expectativa do tipo, "o que eu estou prestes a ver pode realmente ter acontecido um dia...!"  eu digo "pode", porque os diretores vivem exagerando em tudo. Mas o filme consegue ser muito exagerado e é muito difícil acreditar em muita coisa que você vê na tela.

O filme é baseado num documentário chamado The Haunting in Connecticut exibido em 2002 pelo Discovery Channel, que mostrava uma daquelas histórias de investigação e tals. Espero que esse documentário seja mais interessante que o filme.





O filme em si não é 100% ruim, mas umas coisas na minha opinião não saíram como deveriam, o lance do diretor querer retratar o drama da família, até foi uma boa ideia para se aproximar bastante da realidade, se não fosse a atuação fraquíssima da Virginia Madsen e do Peter Campbell. Em destaque negativo para o pai quando vai tentar tocar guitarra enquanto o filho tá morrendo! Fora que em algumas horas eu estava me perguntando se eu estava vendo um terror e não um drama. A única atuação que realmente se destaca é a do Matt, interpretado pelo Kyle Gallner, você consegue facilmente torcer para ele no filme. O motivo principal de eu ter visto o filme até o final além de torcer pelo Matt, é você descobrir se aquelas criaturas que ele vê são reais, ou são provenientes das alucinações do câncer que ele tem.



Mas o filme também tem uns outros detalhes legais, como o fato do filme ter uma mitologia própria bem legal, explicando umas coisas de médiuns e explicando ectoplasmas, achei essas, as partes mais legais do filme. Além da casa ter sido construída sobre uma funerária, também achei isso original porque geralmente é sobre um cemitério (indígena, na maioria das vezes) e colocarem funerária eu achei original.



Se você quer um filme que vai te assustar eu jamais indicaria esse. Os sustos são extremamente previsíveis e chatos. Quando chega na metade do filme você já tá até com raiva deles, de tão bobos, e o pior é que em algumas cenas o filme tenta copiar o excelente A Chave Mestra em determinadas cenas em preto e branco. Sério, não dá.


Sei que a maioria gostou do filme, mas opinião cada um tem a sua e a minha definitivamente não é a favor desse filme. Não recomendaria ele pra ninguém que queira ver um filme bom. Se quiser assistir então, é por sua conta.

Postado por: Igor Afonso

2 comentários:

  1. Anônimo11/06/2012

    o filme em si naumé tao ruim, o problema é que tem muitas falhas! e simé arrastado mesmo rs!

    ResponderExcluir
  2. Realmente, Ron o filme tem muitas falhas mesmo! E é bem arrastado, a história é boa só que foi MUITO mal executada. Obrigado por comentar!

    ResponderExcluir