Crítica: Extermínio (2002) - Sessão do Medo

13 de dezembro de 2012

Crítica: Extermínio (2002)


Hoje falarei do filme Extermínio, foi lançado em 2002 e dirigido por Danny Boyle e é só mais uma de muitas provas de que um alto orçamento não é necessário para criar um excelente filme. O filme conta a história de um grupo de ativistas que, após invadirem um laboratório de pesquisas em macacos encontram chimpanzés presos em gaiolas diante de telas que exibem continuamente cenas de extrema violência. Ignorando os avisos de um cientista que trabalha no local de que os macacos estariam infectados, os ativistas decidem libertá-los. Assim que são soltos os macacos atacam todos aqueles à sua volta, em verdadeiros ataques ensandecidos.


28 dias após este acontecimento (daí o nome em inglês do filme: 28 Days Later) desperta do coma em um hospital de Londres, Jim (Cillian Murphy). Essa passagem do filme quando o Jim acorda, ficou praticamente igual a tomada que o Rick acorda no primeiro episodio da primeira temporada de The Walking Dead. Rick acorda num hospital, sai andando e não encontra ninguém e ao sair do hospital, logo se depara com zumbis. Igualzinho ao Jim, claramente, o criador da série já assistiu Extermínio. Um se inspirou no outro no fim das contas.

Completamente confuso e estranhando a ausência de pessoas nas ruas, Jim nada sabe sobre o ocorrido e se esconde após encontrar diversos cadáveres e seres violentos, infectados pelo vírus disseminado. Após uma explosão Jim encontra outros sobreviventes, Selena (Naomi Harris) e Mark (Noah Huntley), que o levam a um local seguro e lhe explicam a situação atual. Decidido a reencontrar seus pais, Jim decide partir e é acompanhado pela dupla de novos companheiros.


No inicio, e em várias outras partes, o filme tem um clima bem mórbido, e as vezes com um desenrolar bem lento, mas isso foi um fator que na minha opinião combinou perfeitamente com o filme. Mesmo se fosse lançado esse ano, sem dúvida ''Extermínio'' ainda teria boa parte de sua originalidade, já que o diretor Danny Boyle quis focar no drama das pessoas por elas estarem num mundo pós apocalíptico, sem coisas importantes para sua vida como seus amigos e familiares, e até mesmo sem coisas mais simples para nós, como numa passagem onde Selena diz: ``como nunca mais leremos um livro que já não tenha sido escrito, ver um filme que já não tenha sido feito, ouvir uma música que já não tenha sido tocada´´.

O elenco do filme está perfeito sem tirar nem pôr. O diretor optou por usar poucos personagens para que pudéssemos nos identificar melhor com eles. E funcionou perfeitamente. Fora que os personagens são quase sempre bem ativos e inteligentes. Aprendam filmes de jovens burros.

Os sustos no começo do filme não são nem um pouco inesperados, mas com o tempo você vai pegando o gosto por acompanhar aqueles personagens, que você até esquece dessa parte. Mas o filme ainda conta com algumas cenas inesperadas como a cena dos ratos no túnel.

Os zumbis do filme são bem dinâmicos e até falam (!) algumas vezes. O final do filme é incomentável (única palavra pra descrever). Um dos melhores finais que eu vi na vida. O filme conta com coisas bem inesperadas no final e os personagens que restaram ficam fodões. Mais do que qualquer coisa, o final mostra que não devemos usar nossa confiança em todos que pareçam merecer. Aprendam de novo jovens burros e sem ação dos slashers.

Para encerrar, Extermínio é um filme muito bom e essencial para qualquer fã do terror, um filme que como eu já disse até poderia ter sido lançado hoje em dia que ainda manteria boa parte de sua originalidade. Com excelentes atuações é altamente recomendado. Espero que a continuação seja nesse mesmo nível.

Postado por: Igor Afonso

5 comentários:

  1. ótima crítica Igor, tb acho um filme muito foda.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo12/13/2012

    concordo em tudo.

    ResponderExcluir
  3. Valeu Mauricio, aquela frase que eu citei tá na minha cabeça até agora.

    ResponderExcluir
  4. São raros os filmes de zumbis ou epidemia que tenham um clima tão pesado e sério como esse. As cenas que mostram ruas, estradas, mercados sem ninguém já passam um clima pesado e o lance dos soldados serem ruins também é algo certeiro no filme. Uma critica a humanidade que mesmo na merda, ainda são egoistas.

    ResponderExcluir