Crítica: A Hora do Pesadelo 3 - Os Guerreiros dos Sonhos (1987) - Sessão do Medo

2 de dezembro de 2012

Crítica: A Hora do Pesadelo 3 - Os Guerreiros dos Sonhos (1987)


Aqui estou eu mais uma vez para falar desse personagem ícone do terror chamado Freddy Krueger e seus filmes. Dessa vez é A Hora do Pesadelo 3: Os Guerreiros dos Sonhos, terceira parte de 1987 da franquia A Hora do Pesadelo que já conta com sete filmes, um crossover e um remake. Mas vamos focar nessa terceira parte agora.


Nesse filme, Nancy (Heather Langenkamp), uma das sobreviventes dos ataques de Freddy Krueger (Robert Englund), no primeiro filme, está de volta, e é agora uma psicóloga especialista em sonhos. Ela trata de alguns adolescentes em um sanatório, que são atacados por Krueger em seus sonhos. Para combatê-lo, Nancy ensina as crianças a usarem suas habilidades especiais no mundo onírico. Quando Krueger sequestra um de seus pupilos, Nancy lidera uma busca no domínio do assassino para resgatá-lo.



Tenho muito o que analisar nesse filme. Obviamente houve uma mudança do segundo filme para esse, assim como houve uma mudança do primeiro filme para o segundo. No primeiro filme, Freddy atacava as vitimas da Rua Elm em seus sonhos, já no segundo filme, ele controlava o Jesse para o fazer. Nesse terceiro filme já há a diferença que ele se passa em um hospital psiquiátrico, e que as vitimas tem a ajuda de Nancy se livrar de Freddy. O filme ainda mantem as principais caracteristicas da franquia, que são o sarcasmo do Freddy, as cenas surreais e os lugares surreais de onde o Freddy sai. Uma característica da franquia que se reduziu um pouco nesse filme foi o nível de violência. No primeiro filme e no segundo, há mais sangue nas cenas das mortes e nesse o sangue diminuiu.

As atuações estão regulares, para ruins. Os personagens não tem carisma suficiente pra gente torcer por eles e a única que se salva é a Nancy. E falando nela, o seu retorno foi uma das grandes sacadas dessa continuação. E é claro que Robert Englund está como sempre impecável como Freddy Krueger. Mas se retirarmos eles, que não são personagens novos, dos outros, nenhum se salva. O filme também é prejudicado por muitas enrolações no roteiro em algumas horas. Mas também trouxe alguns elementos novos a franquia, como aparições, mesmo que nesse filme seja só da mãe do Freddy.



Uma das melhores características da franquia A Hora do Pesadelo, são as cenas surrealistas, e esse filme aqui foi um presente dos grandes pra mim. Algumas cenas como a que o Freddy aparece como uma espécie de verme e a cena que ele vira uma caveira e a cena da torneira valem qualquer esforço feito para ver o filme. Quanto as mortes, elas são muito boas. Destaque para a garota que é puxada para dentro da televisão com direito as ''mãos'' de Freddy para puxa-la. Nem vou revelar mais pra não perder a graça.

Mas nem só de cenas muito boas é feito um filme. Esse filme teve uma das piores cenas da franquia (até agora) que é a cena em que o garoto da cadeira de rodas usa "seus poderes" para tentar destruir o Freddy. A trilha sonora do filme do filme tem aquela música de fundo de suspense que é outra marca registrada da franquia e que não enjoa nunca.

Wes Craven tinha dirigido o primeiro filme, mas não cuidou do segundo porque foi dirigir a continuação de quadrilha de sádicos. Então retornara nesse terceiro com uma ideia completamente diferente do que foi lançado. Ele tinha a ideia de fazer um filme dentro do filme, ideia que foi usada posteriormente em A Hora do Pesadelo 7. Então eu não sei se por isso ele mudou tanto a franquia, porque a ideia dele foi reprovada. Talvez se a história de A Hora do Pesadelo 7 tivesse sido lançada aqui, e a história desse terceiro lançado como o sétimo filme teria funcionado melhor.

Uma continuação inferior ao original, mas que ainda mantém boa parte do clima da franquia e não chega nem perto de ser uma bomba. Porém com todos os defeitos, um filme indispensável para um fã do gênero terror ou um fã da franquia. Até mais.

Postado por: Igor Afonso

3 comentários:

  1. Já vi todos os filmes da franquia, mas gosto apenas do primeiro e do remake, este dois filmes eu curto pra caralho...Sua crítica ficou ótima, se eu tivesse de escolher mais um filme além dos que curto que citei acima, seria este terceiro, principalmente pela Nancy. O 5o filme apesar de ser fraco, vi algumas vezes...teve algumas cenas em 3D no cinema e tem tb a música Bring your daughter to the slaughter composta por Bruce Dickinson, vocalista do Iron Maiden como trilha, esta música tem a versão original gravada pela banda do Bruce no cd edição dupla tattooed millionaire, primeiro solo do Dickinson, mas ela ficou mesmo conhecida na gravação feita pelo Maiden no álbum No prayer for the dying.

    ResponderExcluir
  2. Mauricio, por enquanto só vi os três primeiros filmes, e o Freddy Vs. Jason. Agora fiquei com bastante vontade de ver o quinto pelo que você falou. Obrigado pelos elogios, abraço.

    ResponderExcluir
  3. Particularmente eu gostei,não chega a ser um desastre mas é bom,cenas legais,a da TV é ótima quando a mãos aperecem erguema garota e a cabeça do freddy surge com as antenas da tv,caralho muito massa... É bem legal...

    ResponderExcluir