Crítica: Viagem Maldita (2006) - Sessão do Medo

16 de dezembro de 2012

Crítica: Viagem Maldita (2006)


Viagem Maldita é, sem dúvida, um dos melhores filmes de terror produzidos nos anos 2000. Remake de Quadrilha de Sádicos de 1977, o filme faz bonito como filme de terror e se destaca entre muitos outros filmes fracos dos anos 2000. O filme começa com os seguintes dizeres: "Entre 1945 e 1962, os Estados Unidos conduziram 331 testes nucleares na atmosfera. Ainda hoje o governo nega os efeitos da precipitação radioativa". Logo em seguida o filme mostra homens com roupas anti radiação fazendo testes no deserto do Novo México para medir o nível de radioatividade do local. Logo que vêem um homem completamente ferido se arrastando até eles, os homens logo são atacados por seres misteriosos que penduram seus corpos no para-choque de sua caminhonete.

Logo o filme corta para vários flashs de noticias falando sobre as pessoas afetadas pela radioatividade, ao som da banda Webb Pierce com a música "More and More" e mostra várias imagens de pessoas com deformidades causadas pela mesma, na verdade essas fotos são de pessoas que nasceram com deformidades em decorrência do uso de armas químicas na guerra do Vietnã. Em seguida vemos um posto de gasolina com loja de conveniencia em outro lugar do deserto.


Lá, o homem do posto começa a ouvir estranhos barulhos e também encontra uma orelha cortada dentro de uma caixa. Logo somos apresentados aos personagens principais do filme: a familia Carter, que tem de parar no posto para abastecer o trailer com o qual eles estão indo para San Diego, California. Somos apresentados a Bob Carter (Ted Levine), o tipico pai de família durão que acha que manda em todo mundo. Ethel (Kathleen Quinlan), sua esposa gentil. Lynn (Vanessa Shaw), a filha mais velha do casal, está preocupada com a segurança e o conforto de seu bebê, enquanto que seu marido, Doug (Aaron Stanford), está mais interessado é em se aproximar do sogro, sem sucesso na maioria das vezes. Brenda (Emilie de Ravin), a filha adolescente, não gosta de ter que deixar os amigos para fazer a viagem, com o caçula Bobby (Dan Byrd), um adolescente comum que trouxe os dois cães (Beauty e Beastie) para a viagem.

Logo, o homem do posto lhes informa o desvio pelas colinas que pode economizar algumas horas de viagem. A família então parte para o desvio, porém o carro quebra no meio do nada. E logo a família vai descobrir que o perigo está a espreita nas colinas.


Viagem Maldita é sem dúvida um filme com muitos pontos fortes. Os personagens (com a exceção do pai que tem o apelido de "Big Bob") são bem carismáticos e representam a tipica família americana. Todos tem personalidades diferentes e a maioria delas é bem trabalhada ao longo filme. O diretor do filme Alexandre Aja, preferiu trabalhar melhor os personagens antes de dar inicio á violência.

Já tinha dito na critica do filme A Trilha que as vezes um lugar remoto no meio do dia, pode assustar muito mais do que muitos lugares no meio da noite. E o filme também desenvolve bem isso, mostrando vários takes relativamente grandes das colinas e montanhas do deserto.

O filme também tem vários elementos originais, e eu darei destaque a dois: o primeiro é que a cena em que a família faz a oração no meio do deserto. Não sou muito religioso, mas sei que qualquer pessoa que seja provavelmente faria isso, porém os filmes em geral não mostram. O outro elemento é que o filme quebrou o estereótipo "todos os deformados são assassinos" com aquela menina com capa vermelha que se mostra muito boa ao longo do filme.


Até por volta de 45 minutos, o filme se passa de dia, e o clima de tensão já é bem trabalhado, desenvolvendo o filme devagar mas nunca tornando-o arrastado. Mas quando escurece o clima de tensão aumenta e fica impossível não continuar assistindo-o. O longa também pode facilmente ser dividido em três segmentos: antes do primeiro ataque, durante o primeiro ataque (Sim, o ataque dura tempo suficiente para tornar-lo um segmento) e depois do primeiro ataque.

Quando o filme vai se aproximando do final, o clima de tensão e a violência aumentam. Muito sangue rola, mas o roteiro nunca se perde. Toda a violência que não existe no começo do filme, se compensa chegando na dose certa nessas cenas finais dignas do filme. A trilha sonora do filme conta com sons graves e abafados, principalmente nas cenas que se passam a noite. Nada pop, ou hard rock moderno. A música mais marcante do filme é a já citada "More and More" que toca no inicio do filme (que cria uma atmosfera bizarra combinada com aquelas imagens)

Outro elemento de importante destaque no filme é a coragem e inteligencia que seus personagens que restaram ganham quando o filme vai chegando no final. Seja usando de violência ou inteligencia eles vão a batalha contra os deformados.

Viagem Maldita é um filme que todo fã de terror deve ter na coleção seja original, baixado ou gravado para poder ver e rever quando quiser porque vale a pena. Sem dúvida um dos melhores filmes de terror dos anos 2000.

Curiosidades:
O orçamento do filme foi de 14 milhões. 
O filme rendeu 42 milhões só nos Estados Unidos. 
As filmagens ocorreram no Marrocos. 
O filme foi lançado com dois minutos de cortes, porém que não alteram nada na história (só acrescentam um pouco mais de violência em algumas cenas no filme) 

Postado por: Igor Afonso

2 comentários:

  1. Muito bom o filme, os injustiçados fizeram justiça. Será que esse filme é verídico?

    ResponderExcluir