Crítica: O Enigma de Outro Mundo (2011) - Sessão do Medo

8 de fevereiro de 2013

Crítica: O Enigma de Outro Mundo (2011)




Quando foi lançado em 1982, O Enigma de Outro Mundo foi duramente criticado pelo publico e pela critica e não teve um bom faturamento nas bilheterias. Só anos depois o filme ganhou o reconhecimento merecido, sendo reconhecido como uma das grandes obras primas do terror. Como o filme virou um cult no gênero foi anunciado esse prelúdio que conta os eventos anteriores ao primeiro filme. Assim como o filme de John Carpenter que era baseado no pequeno clássico O Monstro do Ártico, O Enigma de Outro Mundo (2011) também foi duramente criticado, tendo uma péssima bilheteria, o filme custou US$ 38 milhões e não conseguiu o mesmo faturamento da produção nas bilheterias, arrecadando apenas US$ 27 milhões de dólares  A direção ficou a cargo do iniciante Matthijs van Heijningen Jr, que não é nem um John Carpenter, mas com uma equipe competente conseguiram fazer um filme digno, que mesmo estando bem abaixo do clássico de 82, é um filme que diverte e de quebra homenageia o original.



A história desse preludio se passa dias antes do filme de John Carpenter e mostra uma equipe de Noruegueses que ao acharem uma forma de vida misteriosa presa no gelo decidem aumentar a equipe trazendo cientistas e pesquisadores para investigar a forma de vida que pode ter milhões de anos e pode ser uma das maiores descobertas da história da ciência. A paleontóloga Kate Lloyd (Mary Elizabeth Winstead de Premonição 3 e Natal Negro) é contratada pela equipe de Noruegueses a fim de descobrir do que se tratava a forma de vida no gelo. A equipe vai rumo a Antardida e tiram a parte do gelo contendo a forma de vida. A equipe decide levar o bloco de gelo descavado para a base, onde mais tarde o gelo derrete e a coisa desperta, matando membros da equipe. Ao capturar a coisa e colocar fogo nela, eles descobrem que as células da criatura continuam vivas, e copiando as células dos sobreviventes na base. Sem saber qual membro do grupo está contaminado,qualquer um pode ser a criatura. Um clima de paranoia começa entre os sobreviventes na base. 

O filme recicla vários elementos e cenas do filme original de 1982, com alguns detalhes acrescentados a trama que explica alguns eventos anteriores ao filme do Carpenter, mesmo que alguns partes continuem sem resposta. Assim como Halloween O Inicio, O Enigma de Outro Mundo pode ser considerado tanto um prequel, quanto um remake. Ele antecede os eventos do filme de 1982, mas também copia várias cenas dele. O mais bacana nesse filme é que ao prestar homenagem ao filme original ele dá atenção a vários detalhes do outro filme. O machado na porta, a forma de vida queimada com dois rostos do lado de fora da base norueguesa, todos esses detalhes não ficaram de fora.


O maior erro desse filme foi terem usado e abusado do maldito CGI, enquanto o original era um show de efeitos especiais práticos esse aqui usa efeitos especiais de computador em todas as cenas que que a criatura aparece, outro erro foi mostrar a forma real da criatura. Uma das coisas mais elogiadas no filme do Carpenter era o fato de ninguém saber qual era a forma real no alienígena, já que ele copiava toda forma de vida da terra, já nesse filme ele aparece em várias cenas em sua forma original, tirando o elemento surpresa que era o grande acerto do filme de 82. O CGI mesmo que não seja excelente como no filme original é bem usado para mostrar as deformidades causadas pela criatura quando possui a vitima.


O suspense funciona, não tem a mesma força do filme de John Carpenter, mas funciona sim, diferente do que a maioria dos críticos andam falando por ai. O roteiro de Eric Heisserer (A Hora do Pesadelo, Premonição 5) tem erros e acertos. O maior acerto é não dar detalhes sobre a origem da coisa, mostrando apenas a história dos Noruegueses mostrados no filme de 82 e o maior erro é copiar momentos do filme do Carpenter, pode até ser homenagem, mas ficou parecendo uma simples cópia.

Mary Elizabeth Winstead tá bem no papel de protagonista, diferente do que andou se falando ela é carismática e é bacana o filme ser o ponto de vista apenas dela. No filme de 1982, o personagem Macready era o protagonista, mas também era um dos suspeitos, já nesse tudo é visto do ponto de vista da mocinha que conduz a trama. Os outros personagem são mais fáceis de identificar do que no filme de 82, mesmo que o restante do elenco seja bem apagado.

Muitos fãs do filme original não curtiram, falaram que é inferior ao clássico, isso não pode ser apontado como um defeito, já que o objetivo desse prequel foi homenagear o original e mostrar uma história que antecede  o filme. Assista sem comparar! É um filme que merece ser visto e que provavelmente daqui a alguns anos receberá o reconhecimento merecido!

Curiosidades:
» O primeiro titulo a ser escolhido no Brasil foi 'A Coisa'.
» Foi lançado direto em DVD e Blu-ray no Brasil, mas chegou a ser exibido no Festival do Rio, antes mesmo de estrear nos Estados Unidos.
» Antes do projeto de se fazer um prequel, havia planos para uma refilmagem.
» Esse é o terceiro filme a se basear no livro "Who Goes There", depois de O Mostro do Ártico de 1951 e O Enigma de Outro Mundo (1982).
» Faturou 9 Milhões a menos que o custo de produção.
» Foi produzido pelos produtores de Madrugada dos Mortos.

Postado por: Marcelo

Nenhum comentário:

Postar um comentário