Crítica: V/H/S 2 (2013) - Sessão do Medo

9 de junho de 2013

Crítica: V/H/S 2 (2013)


V/H/S um dos filmes mais elogiados de 2012 acaba de ganhar uma continuação, seguindo o mesmo esquema do primeiro filme; uma coletânea de curtas de terror simultâneas sem relação um com o outro e cada um dirigido por um diretor diferente e com temas variados, com o foco no terror gravado no estilo found footage. O primeiro filme, mesmo com o estilo saturado do found footage, foi um dos melhores filmes do ano passado na minha opinião, ainda que com alguns defeitos, como a trama principal que liga as histórias que não convence, nem faz sentido como deveria. Não esperava muita coisa dessa continuação, nem vi os trailers divulgados, decidi dar uma chance e conferir a tal continuação. V/H/S 2 é um caso raro de continuação que deixa o primeiro comendo poeira em qualidade. Os mesmos "defeitos" continuam na continuação, uma trama desconexa e histórias sem pé, nem cabeça. Embora isso possa ser apontado como um defeito é nisso que o filme acerta, as histórias são bizarras, sem lógica, mas muito boas e o filme não gasta tempo nenhum em tentar explicar nada. É como estar em um pesadelo, onde nada faz sentido, isso contribui para que seja assustador. Não poderia deixar de citar Stephen King:

Os pesadelos existem fora da lógica, e não há diversão nenhuma nas explicações; elas são antitéticas à poesia do medo.”


O enredo central de V/H/S 2 é muito semelhante a trama do primeiro filme. Um casal de detetives é contratado para investigar o desaparecimento de um jovem. A dupla vai até uma propriedade abandonada  em busca de pistas do paradeiro do tal jovem, filmando tudo com uma headcam. Assim como os baderneiros do primeiro filme, eles invadem o local, que está completamente deserto e encontram vários televisores ligados a um vídeo cassete e algumas fitas. Além de um notebook contendo um vídeo do tal jovem desaparecido, em que ele pede para que as fitas do quarto sejam tocados em uma ordem determinada. O investigador vai dando uma geral na casa em busca de mais pistas e deixa a parceira analisando os videos nas fitas. Cada fita gera uma história diferente, sem relação alguma entre si, no mesmo esquema do primeiro filme.



A primeira fita se chama "Clinical Trials" e mostra um sujeito que depois de um acidente de carro perdeu o olho direito e decide colocar um olho robótico, que o permite enxergar normalmente. Como o implantante está em fase de teste, o médico informa que toda visão do sujeito seria monitorada e gravada por algumas semanas. Chegando em casa ele começa a ver aparições de espíritos. Esse curta foi dirigido Adam Wingard, do aguardado You're Next. Essa foi a história que eu considerei a mais fraca das 4, ainda assim é digna de medo. O argumento lembra desse curta lembra The Eye - A Herança, só que mais curto e direto. Ao terminar deixa algumas duvidas no ar é nada e explicado.

A próxima fita a ser exibida dá origem ao curta "A Ride in the Park", que mostra um ciclista fazendo manobras na floresta e gravando tudo com uma câmera no capacete numa manhã qualquer, até topar com uma moça passando mal, que em seguida se transforma num zumbi e morde o cara, que também virá um zumbi em questão de minutos. Com a câmera no capacete vemos tudo pelo ponto de vista dele, inclusive ele atacando outras pessoas. Esse curta trouxe um diferencial ao found footage, com visão em primeira pessoa de um zumbi. Ótimo curta, tem tiros, gore, tripas e zumbis... O desenrolar da história é genial e dinâmico. É, sem dúvida, o curta mais movimentado de todos no filme. Esse aqui foi dirigido por Eduardo Sanchez e Gregg Hale, criadores de A Bruxa de Blair.


O terceiro curta se chama "Safe Haven" e é dirigido por Gareth Evans, do fodastico Operação Invasão, que eu considero um dos melhores filmes de ação dos últimos anos. Esse aqui é de longe o mais bizarro, quase tão bizarro quanto aquele curta do Skype do primeiro filme. A história desse mostra uma equipe de filmagem gravando um documentário na Indonésia sobre um culto numa propriedade que parece ser uma clinica. O objetivo da equipe é conseguir uma entrevista com o líder do culto, que se mostra um sujeito completamente maluco. Tudo sai do controle no lugar e tudo virá um pesadelo... 
Incrível!!! Bizarro ao extremo, com o estilo de filmagem dinâmico e com imagens que parecem ter saído de um pesadelo. Sem pé, nem cabeça, porém excelente.

E por último, a fita que dá origem ao curta "Slumberparty Alien Addiction" , que mostra uma cambada de crianças e jovens nunca casa do lago, onde o grupo está passando as férias. A criançada faz um joguinho de usar as câmeras para registar momentos embaraçosos como a irmã mais velha transando e um dos irmãos vendo pornô, enquanto bate uma bronha na frente da TV. Os malucos chegam a usar o cachorro da família como cinegrafista, colocando uma câmera na cabeça dele. Logo nas primeiras cenas no lago é mostrada a presença de um ser estranho cercando a família, que mais tarde é assombrada...
É mais uma história com um ritmo bom, cenas dinâmicas e um desfecho espetacular. É o curta mais simples dos 4, ainda assim mantem a qualidade.



O filme volta para o casal de investigadores na casa, onde o filme tem o desfecho principal, fechando o filme de forma satisfatória e espetacular e dando lugar aos créditos finais, também muito bons.




V/H/S 2 é a grande surpresa de 2013, facilmente um dos melhores filmes de terror desse ano e muito superior ao seu antecessor. Tudo que havia sido criado no primeiro foi aprimorado nessa continuação, que usa todos os elementos do primeiro ao seu favor. O estilo de filmagem, o roteiro bizarro, os curtas sem relação entre si. A técnica de filmagem em primeira pessoa foi bem usado e rendeu vários momentos frenéticos e dinâmicos no filme, somado ao enredo bizarro e sem sentido formam o conjunto e dão força ao terror. Entra fácil em um top 10 melhores de 2013

Postado por: Marcelo

8 comentários:

  1. olha só, aquele casa onde raramente o a sequencia supera o original!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Algo dificil de se ver no terror é continuação superar o primeiro. Tem nego que acha o primeiro melhor. Eu acho essa continuação muito melhor!

      Excluir
  2. Anônimo7/23/2013

    Gostei, teve melhoras mas achei muito curto.. talvez por isso não consigo dizer que é melhor que o primeiro.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo8/13/2013

    Discordo totalmente, o primeiro filme eu achei muito, mas muito melhor. As histórias muito mais assustadoras, aquela do Skype e a última, da "festa" são sensacionais.
    Nesse segundo filme a única história que gostei mesmo foi a primeira, a única que realmente dá bons sustos.
    A história dos zumbis achei muito fraca, faltou ação ao meu ver.
    Safe Heaven então nem se fala, a única cena boa é todo mundo se matando! De resto, muito cansativa de assistir.
    Porém, gostei um pouco da última fita, mas nada de mais novamente.
    De forma geral, achei o primeiro melhor, além do filme ter maior duração, não cansa tanto de assistir, e as fitas são muito melhores...

    ResponderExcluir
  4. Na minha humilde opinião ambos são muito fodas, isso sim é filme de terror.
    Deixa claro que terror não é lógica e nem algo que precisa de sentido e só o terror em si, exatamente como pesadelos!
    Espero um terceiro e um quarto...

    ResponderExcluir
  5. Anônimo6/21/2014

    O filme é bom , mas é bizarro

    ResponderExcluir
  6. Anônimo1/09/2015

    achei melhor que o original e safe haven é o melhor curta do filme seguido pelo primeiro curta

    ResponderExcluir
  7. Anônimo4/18/2015

    Muito embora eu seja entusiasta de filmes found footage, confesso que o trailer deste filme não me convenceu a vê-lo.
    Finalmente, hoje resolvi assisti-lo.
    Resumindo: um filme que poderia ter sido feito por um adolescente de 13 anos com uma câmera, um videocassete, salgue falso e algumas ideias.
    Não será lembrado daqui a alguns anos.

    ResponderExcluir