Crítica: All Hallow’s Eve (2013) - Sessão do Medo

24 de novembro de 2013

Crítica: All Hallow’s Eve (2013)


Antologias de terror são algo que os filmes de terror usam pouco, mas que sempre dão certo, veja os exemplos de Creepshow, Contos da Cripta, Contos da Meia-Noite, Contos do Dia das Bruxas e V/H/S, todos são filmes com importância e certo destaque no gênero, V/H/S 2 lançado esse ano continua sendo o meu filme favorito de terror lançando em 2013. A mais nova antologia de terror é esse All Hallow's Eve, lançado no finalzinho de Outubro em VOD e em circuito limitado nos cinemas americanos para pegar carona no feriado em que o filme se baseia. Pesquisando sobre a produção no Google achei a informação de que o filme tava em produção desde 2004 e só foi lançado agora, bem antes de alguns dos filmes mencionados ai em cima. Não pude deixar de notar semelhanças com outros filmes que vão desde a premissa, até o estilo, o argumento do filme lembra muito o enredo do V/H/S com uma trama principal girando em torno de uma fita e pequenas histórias que são apresentadas depois que alguém roda a fita no vídeo k7, lembra também Contos do Dia das Bruxas, se passa no Halloween e todas as histórias parecem estar relacionadas e até Planeta Terror em uma das histórias em que o estilo de filmagem é o mesmo de Grindhouse. Quando o filme terminou eu não tinha certeza se tinha gostado ou não, mas a diversão foi garantida, o filme tem só 1 hora e 20 de duração, que passam voando e nunca fica chato ou cansativo.


O filme começa com uma babá (Katie Maguire) e os duas crianças, (Sydney Freihofer e Cole Mathewson), ela foi contratada para tomar conta dos pivetes enquanto os pais dos dois estão fazendo, sabe-se lá o que na rua. Depois de terminar de pegar doces pela vizinhança, eles notam uma fita VHS sem rótulo que foi jogada por alguém na sacola de doces. Depois da maratona de filmes de terror com A Noite dos Mortos Vivos sendo exibido na TV, eles decidem colocar a tal fita, esperando ser só mais um filme de terror, em vez disso são mostradas videos bizarros que dão origem aos contos do filme.

A primeira história é um retorno aos anos 80, maquiagem, estilo de filmagem e enredo muito parecido com os filmes da década de 80, além de ser toda filmada em 35mm e envolver um palhaço e demônios. Sinistraço! Parecia aqueles VHSs mofados de filmes bizarros que eu alugava quando era criança. Thumbs up por isso!

A segunda história é o ponto baixo do filme com uma história desinteressaste, envolvendo uma invasão alienígena numa casa no meio da noite. Essa história aqui parece que foi inserida no filme pra encher linguiça e é impossível não rir do E.T robótico com movimentos estranhos, se era pra ser assustador, falharam e falharam muito mal.


Já a terceira história é onde o palhaço do poster ganha o destaque merecido, na primeira história ele faz uma rápida aparição e na segunda fica de fora, mas se destaca nesse aqui, é nesse aqui também que o estilo do Planeta Terror é usado, parecendo um filme B dos anos 70. Disparado o melhor conto do filme!

Gostei do estilo e da narrativa do filme, por vezes é um filme confuso e sem sentido, mas diverte que é uma beleza, não esperem um roteiro coerente porque é algo que passou longe desse filme aqui. O filme não usa nenhum CGI ou computação gráfica, é tudo no estilo de filmes dos anos 80, maquiagem e gore de primeira linha. Embora seja um filme cheio de altos e baixos, funciona e funciona bem na proposta que é divertir. Poderia facilmente virar uma franquia com um filme lançado a cada halloween. Se você quer ver um filme apenas pra se divertir, assista sem medo...ou não!

Postado por: Marcelo

Um comentário:

  1. Anônimo11/25/2013

    vou dar uma olhada fico contente por teres feito mais criticas de filmes tal como tinha pedido ;) continua o bom trabalho. abraço de portugal.

    Ass: fredykid

    ResponderExcluir