Crítica: Sobrenatural - Capítulo 2 (2013) - Sessão do Medo

6 de dezembro de 2013

Crítica: Sobrenatural - Capítulo 2 (2013)


Antes de começar a resenha tenho que informar, se você não viu o primeiro filme, pode ir parando por aqui, o texto apresenta vários spoilers sobre o primeiro filme, e assistir o primeiro é essencial para o entendimento desse aqui, que é a segunda parte da história da história do primeiro filme, e não uma sequencia separada como é comum nos filmes de terror. O primeiro filme lançado em 2010, teve inspiração em filmes como Poltergeist - O Fenômeno (1982) e A Casa do Espanto (1986), mas com uma narrativa e uma mitologia próprias. Eu ainda acho que a dupla James Wan e Leigh Wannell vão longe, mesmo depois que James Wan ter afirmado que Sobrenatural: Capítulo 2 seria o ultimo filme de terror da sua carreira, acho isso difícil, tendo em mão dois filmes que arrecadaram milhões esse ano, que foi o próprio Sobrenatural: Capítulo 2 e Invocação do Mal, que também foi considerado um dos melhores filmes do século 21 (!!!). Ambos os filmes somam no total 400 milhões de dólares em bilheteria mundial, um valor alto até para um filme blockbuster, quanto mais para um filme de terror. Se é verdade ou não a saída definitiva de James Wan do gênero, eu não sei dizer, só posso dizer que mais uma vez James Wan acertou em cheio com essa continuação, conseguiu fazer uma continuação que segue o mesmo estilo do primeiro, acrescenta muita coisa a história estabelecida no primeiro e ainda expande a mitologia criada no primeiro filme. 

A equipe da continuação é a mesma, James Wan volta a comandar a direção, e Leigh Whannell volta a escrever o roteiro. O elenco traz também todos os atores do filme anterior, dando continuidade a história horas depois do desfecho genial do primeiro filme. O primeiro filme termina após Josh (Patrick Wilson de Invocação do Mal) resgatar o filho do "o distante", um limbo cheio de almas penadas de espíritos torturados. Tudo estraria de boa, se não fosse o fato de Josh ter trazido com ele uma entidade que causou a morte da parapsicóloga Elise (Lin Shaye de 2001 Maniacos). O filme começa horas depois desse evento, mostrando Renai (Rose Byrne de Extermínio 2) sendo interrogada sobre os eventos na casa, que levam a morte de Elise e que Josh é o principal suspeito. Enquanto a policia investiga o caso na casa, a família Lambert se muda para a casa de Lorraine (Barbara Hershey de Cisne Negro), mãe de Josh. Josh parece não se lembrar de nada do ocorrido e Renai não sabe em que acreditar. Eles estão seguros? Josh é inocente da morte de Elise? A assombração já terminou? É com todo esse mistério em volta do enredo de Sobrenatural: Capítulo 2 que mais uma vez James Wan e o roteirista Leigh Wannell acertam em cheio. Eu tinha quase certeza que a continuação iria pelo lado contrário apostando nos sustos e nas assombrações, só que não, mais uma vez o clima soturno é usado, focando mais na sugestão do que no susto em si, algo que foi bem trabalhado no primeiro filme e em Invocação do Mal.


São poucas as continuações que conseguem manter as qualidades do filme original e ao mesmo tempo expandir o que foi criado, algo raro que acontece aqui, é como se cada peça do quebra-cabeça do primeiro filme fosse montado aqui; um exemplo é uma das falas de Elise no primeiro filme, ela comenta que "o distante" é um lugar em que o tempo não existe, essa regra estabelecida no primeiro vem a tona nesse aqui de forma muito criativa, além de explorar muito mais a mitologia apresentado no filme anterior. Não é atoa que o filme ganhou o subtitulo "Capítulo 2", fica a impressão de que toda a história desse segundo tinha sido planejada desde o primeiro, e ambos os filmes poderiam ser um filme só; conhecendo a dupla da série Jogos Mortais é quase certo que eles pensam no enredo das continuações antes mesmo de fazer o primeiro, assim como as peças de Jogos Mortais se juntam, as peças de Sobrenatural se juntam também.

Lembro das criticas negativas apontando os erros do primeiro filme; o uso do CGI que desagradou todo mundo, foi reparado nesse aqui, não há cenas em CGI. Outra reclamação era o lance de alívio cômico proporcionado pela dupla Tucker e Specs (Angus Sampson e Leigh Whannell). Nesse caso, se você não gostou da dupla no primeiro filme, vai ter que engolir eles nesse aqui, eles ganham mais destaque na continuação e várias cenas cômicas, pode parecer um ponto contra, mas não é. O humor é acertado, na hora certa, e não chega a quebrar o clima de suspense construído. Se o roteiro peca em algo é apenas em explicar o que não precisava ser explicado, não sei se gostei da explicação da "velha do véu preto", acho que a explicação tirou boa parte daquele clima assustador da entidade que era descrita simplesmente como "parasita".

O primeiro filme tinha influências de Poltergeist e A Casa do Espanto, já a continuação pega algumas influencias de O Iluminado (1980) e Horror em Amityville (2005), principalmente lá para a parte final e o resultado ficou bacana. Há também espaço para uma investigação paralela onde é mostra a tal origem da assombração, as tais cenas são arrastadas e didáticas demais.


O elenco tá ótimo, a dupla Angus Sampson e Leigh Whannell (Tuker e Specs) roubam a cena com várias piadas e cenas cômicas, tudo no momento certo. Rose Byrne tá tão boa quanto no primeiro filme, mas o grande destaque e a atuação de Patrick Wilson, ele tá ótimo, em algumas cenas irreconhecível pelas mudanças de personalidade. 

Sobrenatural: Capítulo 2 é um filme maior por explorar a fundo a mitologia criada no primeiro filme, toda a construção de suspense bem trabalhada com o jogo de câmeras, frames sombrios e trilha sonora sinistra estão presentes aqui. O desfecho é satisfatório e deixa um gancho para uma nova continuação, já confirmada para 2015. Filme altamente recomendado e facilmente um dos melhores desse ano.

Postado por: Marcelo Alves

Um comentário:

  1. Anônimo12/09/2013

    Gostei muito do filme,concerteza entre os melhores do ano. E a forma q ele seguiu e exatamente d onde o primeiro parou foi genial!!!

    ResponderExcluir