Crítica: Raze (2014) - Sessão do Medo

14 de janeiro de 2014

Crítica: Raze (2014)


Algo que anda faltando muito em Hollywood, além da criatividade, é a audácia, nos últimos anos o cinema foi suavizado para atender um publico maior, nos anos 70 eram lançados filmes bizarros, violentos e malucos, que logo se tornaram cult. Hoje em dia falta um pouco disso, filmes como Battle Royale deram lugar a Jogos Vorazes, feito para entreter um grande público com uma faixa etária baixa e violência inexistente. Felizmente, os bons filmes que restaram no cinema atual são aqueles que passam batidos pelo grande público, aqueles que nem chegam a passar nos cinemas e estão destinados ao mundo dos downloads e o bate boca de alguns blogs ou sites. Começamos o ano com o maior exemplo disso, Raze, dirigido por Josh C. Waller e roteiro de Robert Beaucage, e estrelado pela não tão conhecida Zoe Bell, que havia sido dublê de Uma Thurman nos filmes do Kill Bill. O filme é exatamente aquilo que estava sendo prometido antes de ser lançado: Uma mistura de O Albergue com Clube da Luta, mas vai bem além disso.

Já notamos os méritos do filme pela cena de abertura, onde somos levados a crer que uma personagem será protagonista da história (Rachel Nichols, ainda mais gata morena!!), mas logo descobrimos que a bola da vez é a personagem Sabrina (Zoe Bell, a moça invocada do poster). Uma prisioneira em um local cheio de mulheres que são forçadas a lutar entre si até a morte, com a promessa de serem libertadas. Se alguma se recusar a lutar, a família é morta do lado de fora daquele local. Tudo que acontece lá dentro é monitorado, gravado e exibido na internet, no mesmo esquema de Temos Vagas. A partir dessa premissa conhecemos um pouco de cada personagem, sem flashback, nem nada do tipo, a vida de cada personagem é contado por meio de curtos diálogos. A protagonista Sabrina, luta pela vida dela e da filha. O local é propriedade de um casal de empresários que acham estar castigando cada prisioneira pelos seus pecados, no esquema do Jigsaw do Jogos Mortais


O lance de mercado negro e realidade escondida sempre dão bons resultados no gênero, filme que apresentam uma realidade não muito longe da nossa são o ponto alto no gênero terror. Filmes como O Albergue, Martyrs, que mostram a irracionalidade e crueldade humana são mais assustadores que qualquer filme nesse gênero. 

O resultado de Raze é bom, não chega nem perto dos dois filmes citados, mas é um filme digno de ser apreciado. Um filme brutal, violento e que não poupa o expectador. As cenas de luta são brutais, do jeito que deveria ser, porradaria de primeira, mais brutal que Clube da Luta. A ambientação lembra muito o cenário da fabrica abandonada de O Albergue, deve ser por isso que o filme tava sendo prometido como uma mistura de Clube da Luta com O Albergue, mesmo com a brutalidade das lutas, Raze não consegue chegar a altura de nenhum dos dois filmes pelo desenvolvimento da história, que simplesmente jogas cenas na tela sem um roteiro bem trabalhado. As cenas de violência compensam e muito a falta de desenvolvimento do enredo. Ver as personagens lutando até a morte é melhor que ver UFC Combate


O ponto baixo do filme fica por conta do desfecho da história, pessoalmente não curti o desfecho da história. A parte final intitulada "Sabrina Vs. Todo Mundo" é o ponto alto do filme, cena espetacular e com um clímax acertado, é uma pena que o desfecho estrague tudo.

Ao todo, Raze é um filme que merece uma conferida, é superior a vários filmes que andam se destacando ultimamente, tem alguns problemas no enredo por não ser bem trabalhado como deveria, mas é compensado pelas cenas de combate físico entre as personagens.

Postado por: Marcelo



9 comentários:

  1. Esse ai me surpreendeu,n dava muito por ele,e realmente ficou muitoooo bom. Nao achei o enredo tao mal desenvolvido,mas oque pecou mesmo,foi o final que e realmente pessimo,mas ainda sim vale a pena!

    ResponderExcluir
  2. Achei uma puta falta de sacanagem esse final hein, sem mais. rs

    ResponderExcluir
  3. Olha o filme é bem bacana! Mas admito que esperava mais depois de ter lido algumas criticas!
    O longa tem cenas bem sangrentas e um clima bem forte de terror, suspense e drama!
    As atrizes foram ótimas... e as personagens também!
    O final achei bem fraco... mas nada que comprometa o resto da obra!
    SPOILER: PQP torci tanta para a CODY "loirinha"... quando ela morreu a graça do filme pra mim acabou.... to indignado até agora... a amiga deu a vida para ela morrer minutos depois! Realmente uma pena!

    ResponderExcluir
  4. Anônimo1/20/2014

    É realmente um ótimo filme, me deixou sem ar na maior parte das vezes por causa das cenas de luta (que são bem frenéticas, por sinal). Tinha tudo para ser perfeito se não fosse pelo final: além de ser inesperado, a "explicação" do ocorrido é péssima. Ao todo, 4/5, perdendo 0,5 ponto por causa do final e 0,5 ponto pela falta de informações no começo do filme.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo1/24/2014

    O que mais me chamou atenção, foi ver a Sherlyn Feen gorda! Quase não a reconheci. Pra quem foi musa em encaixotando Helena e na biografia de Liz taylor, tá acabadona! Destaque para a sexy Zoe Bell. No começo fiquei com muita raiva dela. Mas depois a personagem virou vitima!

    ResponderExcluir

  6. eu assisti o filme todo ,mas ñ entendi nada. por que era legendado,ja procurei dublado mas ñ encontrei,mas o filme deu pra perceber que ele é muito bom .so nao gostei do final...uma luta danada pela sobrevivencia para no final morrer na praia...





    ResponderExcluir
  7. Nadou tanto pra morrer na praia, af :\

    ResponderExcluir
  8. Gostei muito do filme, lutas da hora que deixam o expectador sentir o drama das personagens. Também nao achei o enredo ruim,qualquer um que visse o trailer ou a sinopse ia entender o que estava acontecendo. Só não gostei de duas coisas: 1 O jeito que a Cody morre, achei uma covardia aquela luta, e 2 o final, nao vou dar spoiler, mas esperava algo diferente.

    ResponderExcluir
  9. Filme de exploração psicológica. Fraco. Satisfaz os sádicos fans de violência. Nada mais.

    ResponderExcluir