Crítica: Frankenstein - Entre Anjos e Demônios (2014) - Sessão do Medo

6 de fevereiro de 2014

Crítica: Frankenstein - Entre Anjos e Demônios (2014)



Aposto que boa parte do público que acompanha filmes no cinema já foi vitima do marketing nos dias atuais, trailers que enganam, posters que enganam, taglines que enganam. Conferi o trailer de Frankenstein - Entre Anjos e Demônios no começo desse ano, e achei o tal trailer sensacional e o fato de aparecer o tagline no trailer: "Dos produtores de Anjos da Noite" já foi um motivo para eu ir conferir no cinema em Imax 3D. Resultado? Quero minha grana de volta! Anotem o que eu digo: esse filme no fim do ano vai ser o vencedor do framboesa de ouro como o pior filme do ano, concorrendo com O Herdeiro do Diabo. Pois é, começamos o ano com o pé esquerdo com duas bombas, a diferença é que no caso de Frankenstein - Entre Anjos e Demônios o marketing conseguiu esconder a bomba que o filme é. Ignorem completamente o titulo do filme, pois não tem nada da essência da história criada por Mary Shelley no livro original, de 1818, nem nos filmes baseados no tal livro, Frankenstein - Entre Anjos e Demônios tem muito do estilo da franquia Anjos da Noite, visual sombrio, cenários macabros, cenas de ação em slow motion e uma subtrama rasa de romance. O próprio personagem titulo é quase uma cópia do personagem Michael Corvin do Anjos da Noite, incluindo as roupas e a importância no enredo. 


Antes que digam que eu to errado e que o filme não foi baseado no livro de Mary Shelley, eu digo que sei que é baseado no graphic novel de Kevin Grevioux e também sei que houve muitas mudanças e não foram para melhor. o personagem principal chamado Adam (Sim, chamam ele de Adam no filme), mesmo sendo o tal Frankenstein do titulo, não tem nada a ver com o monstro clássico dos filmes, eu não nada contra modernizar personagens, mas no caso desse filme não deu. Transformaram um monstro clássico do cinema de terror em um super-herói que luta como um ninja e fala como o Batman, com uma voz rouca e arrastada, fora que tem pinta de galã em algumas cenas. Aaron Eckhart é um ótimo ator, mas não dá, nem ele conseguiu salvar o personagem nesse filme. 



A história continua depois de Frankenstein, ter matado o criador e sua esposa, ele decide enterrar o criador no cemitério de sua família, e é ai que ele é atacado por demônios e resgatado por gárgulas, que o levam até o templo em que a ordem das gárgulas reside. Adam (nome do Frankenstein nesse filme) descobre que está no meio de uma batalha ancestral entre anjos, liderados pela Rainha Leonore (Miranda Otto), e demônios, sob o comando do Príncipe Naberius (Bill Nighy, o Viktor da franquia Anjos da Noite), travada em segredo nas sombras da humanidade. Duzentos anos depois, numa sociedade moderna, Adam retorna e descobre que os demônios criaram planos para erguer um exército de cadáveres sem almas possuídos por eles, contando com a ajuda da jovem e bela cientista Terra (Yvonne Strahovski), futura paixão de Adam. 






Exagero é a primeira palavra que me vem a cabeça quando eu tento definir esse filme. A história não prende a atenção nenhum mínuto então eles apostam alto nos efeitos especiais em CGI, que hora estão bons, hora estão ruins. Já vi filmes com mais de 10 anos com CGI superior ao desse filme, e o uso em excesso deixa o filme bem artificial. Lembram do Van Helsing de 2003? Pois é, lembra demais! O romance entre Adam e Terra, embora não tenha destaque nenhum no roteiro, é muito forçado e não cria interesse nenhum. Falta profundidade na história e no personagem, falando em outras palavras, Frankenstein - Entre Anjos e Demônios é um filme sem alma sobre um personagem sem alma.


3 comentários:

  1. Não vi o filme, mas o mesmo não se baseia na obra de Mery Shelley,e sim, numa Graphic Novel.

    ResponderExcluir
  2. Eu esperava sinceramente mais deste filme, o trailer foi muito bom. E a verdade não conseguiu cumprir as minhas expectativas, pois, como proposto terror e suspense definitivamente não funcionar, eu não gostei. No entanto, o filme me fez lembrar da série recém-lançado Penny Dreadful uma história que aborda as verdadeiras origens do outros clássicos como Frankenstein e Dorian Gray, eu recomendo muito.

    ResponderExcluir
  3. Sério, eu vi o filme antes de descobrir o blog e de ter lido as críticas mas acho que vale a pena deixar também o meu ponto de vista. Eu acho que o filme não foi tão ruim assim afinal eu gostei do filme, não foi dos melhores que já vi mas com certeza também não foi dos piores então acho que tenho um impasse.
    Me surpreendi muito com o filme por que na verdade quando vi o trailer esperava uma coisa completamente chata, e entediante afinal não me pareceu muito motivador assisti-lo até que resolvi ir, quando assisti confesso que me arrependi de ter julgado antes de assistir por que foi bem mais do que eu esperava talvez seja por isso que eu tenha gostado afinal não estava com tantas expectativas, então acho que é um filme legal e recomendo sim assistirem se quer saber pra mim foi o "melhor dos piores" filmes que já vi.

    ResponderExcluir