Crítica: Halloween 5 - A Vingança de Michael Myers (1989) - Sessão do Medo

17 de março de 2014

Crítica: Halloween 5 - A Vingança de Michael Myers (1989)



Em 1988, Moustapha Akkad, investiu aproximadamente 5 milhões na franquia "Halloween" para que ela continuasse a sua trajetória trazendo de volta o famoso Michael Myers. O resultado foi um filme gosto de se ver, mas não era o melhor, a sua receita foi de um pouco mais de 17,5 milhões. Entretanto, o fim dessa parte sugeria uma continuação.

Ela veio. "Halloween 5: A Vingança de Michael Myers" viera em 1989 para dar uma continuação a saga de Michael e Jamie. O filme é duramente criticado pela critica dizendo que as cenas são escuras demais e que a tentativa de colocar algo sobrenatural na trama foi péssima. Eu particularmente gostei muito do filme, o seu roteiro e tom são bizarros e sombrio ao extremo, ouso dizer que é um dos meus favoritos da franquia.

Esse era considerado como o filme mais raro de ser encontrado no Brasil, poucas locadoras o tinham em suas prateleira, lembrem-se que estamos falando de 1990 a 2000, não tinha internet nem DVD, a unica chance de você ver esse filme era, alugando o VHS ou passando na TV. De certa forma a evolução dos meios de comunicação contribuíram para que o cinema em si se tornasse 'desgastado'. Filmes que chegam no cinema hoje, estarão a um clique de distancia de você amanhã. O prazer que se tinha de ir a uma locadora e alugar um filme que você queria ver há muito tempo, era perfeito, naquela época não bastava só querer ver o filme, tinha que ser ágil para pegá-lo antes dos outro, se conquistava, e isso era prazeroso, levar um filme merecidamente para a sua casa era uma sensação curiosamente boa. O cheiro de um ambiente cercado por VHS, até o morfo era gostoso de se sentir. Enfim, estou fugindo do tema, mas Halloween 5 não é aquele filme raro que fora em outrora até porque todo mundo pode vê-lo na internet, o que de certa forma é triste. 

Voltando ao filme, ele se passa exatamente um ano depois dos acontecimentos do filme anterior.

Michael foi fuzilado e soterrado num poço em Halloween 4, desde então todos tentam seguir com as suas vidas. Um ponto é que aparentemente ninguém se preocupou e ir atrás do corpo do Michael... Fazer o que, o cara caiu num buraco, terra caiu em cima dele e pronto, eis o túmulo do psicopata. Entre furos de roteiro, o filme mostra o que aconteceu com Michael quando ele caiu no buraco. O vilão se arrastou até o rio e deixara a correnteza o levar. É aí que ele vai parar numa casa de um morador de rua, Michael desmaia e entra numa espécie de coma, o morador de rua, sem saber quem é aquele homem passa a cuidar dele.

Enquanto isso, o filme mostra trechos da cena do final da parte 4 onde sugere que Jamie seria a nova assassina da franquia. Ela mata a sua mãe adotiva e aparece usando uma mascara de palhaça e com uma tesoura na mão na frente do Dr. Loomis, Rachel, o seu pai adotivo e do xerife. Ela não demonstrava nenhuma emoção, era como se o mal dentro de Michael Myers tivesse passado para a garotinha.  

Finalmente nós sabemos o que aconteceu nesse final. É como se Michael tivesse "possuído" ela, realmente a Jamie atacou a sua madrasta, mas não a matou. Então a garotinha tem pesadelos com essa noite que ela perdoou o controle. E esse ponto e apenas o primeiro lance sobrenatural que o filme tem e relação a Jamie e o grande vilão.  


Desde a parte 4 Jamie sofre de pesadelos com o tio, e nessa quinta parte nós temos um motivo para isso, a garota sofrera muito nos eventos do quarto longa, sofrera tanto que ela parara de falar e é acompanhada por psicólogos, médicos e o Dr Loomis é claro. Aliás, Samuel Loomis sabe que Michael está vivo e que ele virá atrás da garota novamente, por isso ele não foi embora. 

Na noite do dia 30 de outubro Michael acorda, pega a sua mascara e faz a sua primeira vitima, o morador de rua que o ajudara durante todo o ano que passara. Enquanto o assassinato acontece, de uma forma curiosa Jamie vê tudo, é como se ela visse o que Michael vê, ela não tem poderes, mas é estranho, não é explicado o porquê de ela ver essas coisas.

Pronto, Michael está de volta. E é só questão de tempo até ele começar a fazer um novo massacre. 
 A atriz Ellie Cornel  que interpreta Rachel, pediu para que a sua personagem fosse assassinada logo porque segundo ela, "estava cansada de emendar um trabalho ao outro", eu acho estranho porque esse era só o segundo filme em que Rachel parecia. Então... É complicado.

Um ponto do filme é a presença do Michael que é grande, nós podemos vê-lo no fundo em vários momentos, é como se ele estivesse em toda a parte e ninguém está a salvo. Rachel visita Jamie e logo somos apresentados a Tina, amiga de Rachel interpretada pela talentosa e lindíssima Wendy Kaplan. Rachel inicialmente tem planos para viajar, mas Tina e seus amigos pedem a moça para que ela fique para a festa de Halloween. A principio Rachel aceita, e enquanto ela está só numa casa que mais parece um labirinto, Michael ataca e ceifa a sua vida. Como ela sumira, todos pensam que ela viajou. Então 'está tudo bem'.


Enquanto isso o Dr. Loomis está apreensivo, tudo é motivo para suspeitar que Michael estava de volta, um exemplos disso é quando um caixão de uma criança é desenterrado e levado por alguém. Para mim, um ponto interessante do filme aqui é que o Loomis já é descrito como um homem paranoico e porque não dizer, louco. Ele tenta e insiste para que Jamie o ajude a deter Michael e sua sede por sangue. 


Daqui a formula se repete, Michael vai matando todo mundo... Jamie após alguns momentos de tensão resolve ir para uma festa de Halloween

Uma cena bizarra é quando o Michael mata o namorado de Tina e coloca a mascara que ele ganhara dela. Ela é feia e em certo momento, Tina entra no carro com o assassino, ela pensa que é o seu namorado. Mas os olhos fixos e a respiração forte de Michael tornam a cena tensa e assustadora. 

Com a ajuda dos 'poderes' de Jamie, Tina é pega pela policia, Michael foge. É nesse momento que Jamie começa a falar. Tina é uma daquelas brincalhonas, acho legal a personalidade dela, mesmo ela achando que fora abandonada pelo namorado e pela insistência do Dr Loomis, ela vai para a festa com os amigos, mais precisamente com Samantha e o seu namorado. Mesmo assim, dois policiais vão atrás dela para vigiá-la e protegê-la, quem lê pensa que é verdade.

Bom, Michael segue Tina e promove um massacre... Aquele elenco que entra no filme só para morrer mesmo, Samantha, o namorado dela, os dois policiais. Nessa mesma parte temos uma cena legal. Jamie com a ajuda de um amiguinho, Billy, vão atrás de Tina, eles a encontram no momento em que a moça estava vendo os policiais mortos. A festa já havia acabado e eles estavam sozinhos naquele local.

Quer dizer, Michael estava lá, num carro esperando. É nessa parte que acontece uma das cenas mais legais de todos os Halloweens (estou falando por mim), uma perseguição de carro onde Michael tenta atropelar Jamie ao som de um remix da musica tema de Halloween. Além da cena mostrar um tom de violência, não aquela violência grotesca e nojenta, mas pelo fato de como o assassino quer matar a menina. Achei cruel e muita maldade, tentar matar a sobrinha atropelada, coisa que é rara até nos dias de hoje. Ver um assassino perseguindo uma criança e tentando matar ela, assim como ele faria com um adulto qualquer. Essa parte para mim fez jus a famosa frase do Dr. Loomis "Ele é simplesmente o mal". 

Michael é como o Jason da franquia "Sexta Feira 13", não importa quantas vezes você atire ou esfaqueie ou de golpes mortais nele, ele não morre. O melhor que se tem a fazer é correr sem olhar para trás. 

Após um acidente que resulta na explosão do carro, Michael sai intacto do veículo e fere Tina, Jamie e o seu amigo correm pela mata e são encontradas pelo Loomis que estava ali com a policia fazendo uma busca atrás das crianças. Na história nós não sabemos se Tina morreu ou não, a sua ultima aparição é quando ela está sendo carregada inconsciente numa maca, mas nada indicou que ela morreu, afinal, pessoas sobrevivem após levarem uma facada.  


Finalmente Jamie aceita ajudar Loomis a impedir Michael. Eles vão para a antiga casa dos Myers esperar o psicopata, enquanto isso. Policiais o esperavam silenciosamente. Aparentemente estava tudo sobre controle, mas como era de se esperar, um incêndio no hospital faz os policiais se deslocarem para o local ficando apenas Loomis, Jamie e um policial na casa. O policia deveria levar Jamie para a delegacia, mas Loomis não deixa. ele deixa os dois no antigo quarto de Judith Myers e vai para a sala.  

Quando Samuel tenta através de uma conversa impedir Michael de matar a menina, o assassino o fere gravemente. É claro que o policial também não dura muito numa briga contra o assassino. Só sobra a pequena Jamie que tenta a todo o custo fugir do assassino pela casa já que as saídas estão bloqueadas. Nesse final temos uma das melhores perseguições do filme também, Jamie sofre muito para fugir do assassino, mas que na parte 4. Além disso, a atuação da pequena Danielle Harris é perfeita, ela faz com que você sinta angustia pela Jamie, você fica com pena dela. 

Ao subir para o sótão, Jamie se depara com Rachel morta, o cachorro de Rachel, max, também morto, e um caixão de criança. Nessa cena Jamie não encontra lugar para fugir e deita no caixão, quando Michael se prepara para matar a menina, ela pede para ver o rosto dele. Ele tira a mascara e vemos uma lagrima descer pelos olhos do vilão. Não vemos o rosto de Michael completamente, mas da para notar que ele não é um deformado nem está desfigurado, é um homem normal, homem esse que carrega um ódio incontrolável. 


Num descuido, Jamie foge, o Dr Loomis não havia morrido com o golpe de Michael, ele pega a menina e atrai o homem para a sala. Lá, Loomis joga uma rede de corrente no assassino e dispara dardos com tranquilizantes nele. Nessa cena Samuel cai ao lado do corpo de Michael, o que parece é que ele teve um ataque cardíaco e morrera. O seu paradeiro após essa cena é indefinido. A policia chega no local e prende Michael. 

Quando tudo parecia estar bem, um homem usando um terno preto entra na prisão, mata todos os policiais e liberta Michael. O filme acaba com Jamie andando pela prisão destruída e vendo os corpos de pelo menos 10 policiais espalhados pelo local. O filme se encerra com um grito de pânico de Jamie "Não!" dando um eco bem sinistro. 

Como aquele homem conseguira matar sozinho todos os policiais, libertar Michael com uma explosão e ainda sair vivo, é um mistério. Aliás, não da para entrar no mérito da questão nesse filme, mas posso dizer que aparentemente a ideia era fazer com que a saga de Michael terminasse numa possível parte 6.


Halloween 5 continua a saga do assassino Myers de forma digna. 1989 é um período em que vários filmes de terror ganhavam sequências repletas de humor. Como "Sexta Feira 13" e "A Hora do Pesadelo". Nesse filme não, Michael só comprova que ele é um vilão implacável e cruel. O motivo pela qual Jamie tem visões não é explicado no filme e quem era aquele homem que libertara Michael da prisão só seria explicado em Halloween 6. 

No cargo de diretor está Dominic Othenin-Girard, e faz de Halloween 5 uma boa sequência a saga criada por Carpenter. Então sim, ele vale a pena. Não tenho muito o que dizer, o filme possui buracos no roteiro e situações clichês demais, mas é só isso. Michael ainda está em sua melhor forma nesse filme.  

Nota: 8,0



Titulo original: Halloween 5 The Revenge of Michael Myers
Diretor: Dominique Othenin-Girard
Produção: Ramsey Thomas
Roteiro: Michael Jacobs, Dominique Othenin-Girard, Shem Bitterma
Elenco: Donald Pleansence, Danielle Harris, Ellie Conell, Beau Starr, Wendy Kaplan, Tamara Glynn.

Por: Michael Kaleel 

Nenhum comentário:

Postar um comentário