Critica: O Mestre dos Brinquedos 2 (1991) - Sessão do Medo

23 de abril de 2014

Critica: O Mestre dos Brinquedos 2 (1991)


Olá, bom... Seguindo o ritmo da critica do primeiro filme, eu venho comentar desta segunda parte.  

O Mestre dos Brinquedos 2 veio em 1991, o seu roteiro foi escrito por David Pabian e dirigido por Dave Allen, o filme continua a história dos bonecos assassinos no Hotel Bodega Bay Inn, e é com muita satisfação que o filme acaba se tornando melhor do que o primeiro, tanto no quesito 'efeitos especias' quanto nos quesitos 'história e desfecho'.

O longa de uma forma indireta começa pouco tempo depois dos eventos narrados no filme anterior.
Na calada da noite, os bonecos desenterram o corpo de Andre Toulon e o ressuscitam com o que sobrou daquela fórmula que da vida a seres inanimados. Na manhã seguinte, cinco parapsicólogos chegam ao hotel e começam a atrapalhar os planos de Toulon, mas os bonecos podem dar um jeito na situação. Basicamente é essa a ideia do filme.

As quatro vitimas da vez são:  Carolyn Bramwell, Patrick Bramwell, Camille Kenney, Lance e Wanda. Eles querem descobrir o que tem de paranormal no hotel visto que eles haviam feito uma pesquisa da qual acabaram chegando a Alex (o protagonista do primeiro filme) que aqui é mencionado como um homem que fora internado num sanatório após as suas alegações de 'bonecos assassinos' e de que ele podia sonhar com o futuro. O grupo instala câmeras por boa parte do hotel e ficam examinando cada coisa estranha que acontece ali. 
Carolyn, Lance e Wanda, Camille e Patrick
Camille é uma paranormal que logo percebe que aquele hotel está cheio de 'demônios' e decide sair dali. Ninguém a impede, então ela começa a arrumar as coisas para ir embora. As circunstâncias a torna a primeira vitima dos bonecos, mais precisamente ela é assassinada por Pinhead (Cabeça de Alfinete) e Jester (Bobo, Coringa). 

Torch, o novo boneco
E por falar nesses 'simpáticos' brinquedos, nesse capítulo surge um novo brinquedo. Torch, um boneco muito interessante e sem duvidas um dos mais perigosos. Ele lança chamas, se tornando altamente mortal. Esse é outro ponto, a cada filme um boneco ganha destaque. Enquanto no primeiro foi Blade, nesse é Torch, e assim por diante.

Os quatro amigos pensando que Camille fora embora continuam com os seus planos iniciais, ninguém suspeita de nada. A ideia é buscar algo que respondessem as suas perguntas em relação aos boatos que falavam sobre o hotel em relação aos bonecos e aos demônios existentes ali. Diferente do filme anterior, o grupo descobre que realmente existem bonecos assassinos no local. Esse fato se deve através de uma das câmeras que captou Tunneler (Broca) atacando fatalmente o irmão de Carolyn, Patrick, enquanto ele dormia. Bom, aqui vem um fato que me da um pouco de raiva. O irmão de Carolyn  é morto por um boneco de uma forma cruel (ele poderia se defender com as mãos, mas como é um filme, isso não acontece), pessoas normais sairiam correndo pela porta da frente sem olhar para trás, chamar a policia para investigar o caso. Mas como estamos falando de um filme, nada disso acontece. O grupo pega o corpo do amigo e o coloca num refrigerador, fico pensando na relação que Carolyn tinha com o irmão, chorou tão pouco por ele, mas enfim... O grupo logo começa a examinar o boneco. Sim, aqui, Tunneler foi 'morto' pelo grupo e desmontado.     

Após esse acontecimento, dois fatos importantes acontecem. O filho de Camille, surge para falar com Carolyn a respeito dos acontecimentos, a moça havia ligado para ele para dizer que Camille estava indo embora e o rapaz queria saber o porquê da fuga da mãe. Carolyn conta tudo para ele. O segundo fato é a aparição de um homem totalmente envolto por ataduras, usando chapéu e óculos que se diz ser o dono do local e que seu nome é Eriquee Chanee. O homem não se incomoda com o grupo, mas pede privacidade. Carolyn logo passa a desconfiar daquele bizarro cidadão. 
Michael e Eriquee Chanee
Enquanto isso, alguns bonecos resolvem atacar um casal que mora numa casa próxima ao hotel. Essa parte é muito interessante. Vemos Leech Woman (Mulher Sanguessuga), Blade (Espadachim) e Torch atacarem o casal. Infelizmente nessa cena temos a perda de outro boneco, Leech Woman é pega pela mulher que a joga no fogo. Ela morre, Torch incendeia a mulher, alguns dizem que essa ação foi vingança do boneco pela morte da companheira, contudo isso não é oficialmente comprovado.

Há também uma cena muita hilária em que um menino encontra Torch e começa a provocá-lo batendo nele com um chicote e pedindo para o boneco fazer alguma coisa interessante. O que fica subtendido é que Torch matara o menino. Aqui também existe um erro, Torch é mostrado como um boneco grande demais para ser uma marionete, quase do tamanho do Chucky. 
Nós logo ficamos sabendo que Eriquee é na verdade Andre Toulon, na verdade, para o telespectador isso nunca foi uma surpresa, ele está juntando os ingredientes para refazer a fórmula da vida para ele e seus bonecos que estão ficando fracos, pois o efeito da fórmula dura 50 anos, daí o motivo dos bonecos terem ido matar o casal que vivia fora do hotel. Andre quer passar a sua alma para uma espécie de manequim masculino, e para isso ele precisa de mais fórmula. Nesse momento, o mestre dos brinquedos ordena "...Todos, menos Carolyn, devem morrer!". Então o banho de sangue continua, agora em cima do grupo que estava no hotel. 

Depois uma noite de amor com Michael, Carolyn desconfiada resolve investigar os aposentos de Eriquee. Lá ela é pega e imobilizada pelo homem. 

Blade fazendo a barba de Lance 
Lance e Wanda são rapidamente mortos por Blade. Michael consegue fugir do ataque de Torch e vai atrás de Carolyn, e para chegar até ela, ele enfrente os bonecos espalhados pelo local, Pinhead, Blade e Torch. Eriquee revela para Carolyn que ele é Toulon e que a moça é idêntica a sua falecida mulher, Elsa. A ideia dele é transferir a sua alma e a de Carolyn para os manequins para que assim possam ficar juntos para sempre.


Vamos encarar! Esses manequins são no minimo bizarros, em... Vejam as fotos abaixo!

E os bonecos? Eles se revoltam com Toulon ao descobrirem que não estava nos planos de seu mestre os mantê-los vivos. Assim "A cria mata o criador". Os bonecos destroem por completo Toulon, dando a brecha para Michael e Carolyn fugirem. 

Jester pega o que sobrou da fórmula e transfere a alma de Camille para a
manequim feminina. E o filme acaba com Camille dizendo que eles (ela, mais os bonecos) iriam para um centro de crianças com problemas mentais para 'se divertir'. Eu confesso que não entendi muito bem o que aconteceu nesse final, quer dizer. Os bonecos matam Camille, e depois ressuscitam ela que se tona a mestre dos brinquedos. Porque essa mudança tão radical? Não, sei, mas se fosse para arriscar, eu diria que a fórmula não trás as pessoas 100% como elas eram em vida. Isso explicaria as atitudes de Neil no primeiro filme, e de Andre e Camille nesse segundo. É como o que acontece com as pessoas que voltam a vida em "O Cemitério Maldito". 

O filme possui vários pequenos erros, mas nada muito notório. Um desses erros é o fato de que na sepultura de Toulon vista no começo do filme, está a data "15 de março de 1941". Entretanto no primeiro filme, Toulon se matou no ano de 1939.  
Como eu disse no começo da critica. O Mestre dos Brinquedos 2 é um filme bem superior em relação ao seu antecessor. Os bonecos estão incríveis e  as suas aparições estão muito bem colocados no decorrer do filme, a história também é boa. As mortes são o ponto alto, tem muito mais sangue e violência que no primeiro, então para terminar concluo dizendo que esse filme honra a ideologia das marionetes assassinas e de seu famoso mestre. 

Nota: 7,5


Diretor: Dave Allen.
Roteiro: David Pabian.
Produção: Charles Band.
Musica: Richard Band.
Elenco: Steve Welles, Elizabeth Maclellan, Collin Bernsen, Gregory Webb, Charlie Sprandling, Jeff Weston, Nita Talbot.

Por: Michael Kaleel
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário