Crítica: Pânico (1996) - Sessão do Medo

7 de maio de 2014

Crítica: Pânico (1996)


Falar desse filme para mim não é nada complicado. Pânico é um filme que marcou não só a vida de muitos fãs do gênero como reformulou os filmes de terror desde então. Eu adoro essa franquia, por isso farei o possível para falar de forma clara tudo o que penso a respeito, mas claro, sem deixar a racionalidade de lado. Então desde já aviso que o texto abaixo contem Spoilers sobre o filme. Cuidado!

Em 1893, o norueguês Edvard Munch fizera uma pintura muito curiosa. A androgênese de tal figura surpreende, o ambiente e as cores fortes dão um tom misterioso nela. Uma pessoa aparentemente gritando, não sabemos o porquê, mas o pânico no rosto da pessoa é explícito, atrás dessa pessoa, dois homens estão caminhando tranquilamente pelo local. Devido a esse contexto expressionista que o quadro possui, ele fora intitulado de "O Grito". 

Pintura: O Grito
Agora, alguns de vocês devem estar se perguntando: "O que esse quadro tem a ver com os filmes 'Pânico'?"... É, tem tudo a ver. O titulo original de Pânico é "Scream", na tradução literal "Grito", referência ao quadro, mais uma vez nós temos uma mudança na tradução do titulo do filme, aliás, com o perdão da palavra, mas o Brasil tem um 'chamego' pela palavra "Pânico", centenas de filmes foram traduzidos de forma errada e colocando essa palavra no meio, filmes como: "Pânico na Floresta", "Pânico no Shopping", "Pânico no Lago", "Pânico no Deserto", "Pânico no Mar", entre outros. 

O diretor Wes Craven não queria fazer uma relação do filme com o quadro apenas no título do filme, mas também com outro fator que com certeza se tornou um dos maiores ícones dos Slashers de terror. A máscara do assassino, o seu formato foi baseado justamente nesse quadro de 1893.

E por falar no diretor, o saudoso Wes Craven fez aqui uma criação digna de aplausos. Ele já era conhecido por criar outros ícones do terror como "Freddy Krueger" e os assassinos de "Quadrilha dos Sádicos". Ghostface (nome do assassino da franquia 'Pânico') se mostrou um vilão altamente implacável e cruel, o melhor de tudo é que não estamos falando de imortais e nem de demônios, mas sim de pessoas psicopatas. Simples assim.


Sem mais enrolação, vamos ao filme. Ele começa durante uma bonita noite com um telefone de uma enorme casa tocando, uma jovem loira atende e começa a falar com a pessoa do outro lado da linha. Mesmo que a pessoa do outro lado tenha ligado por engano e insista em ligar para falar com a moça, ela revida com as conversas sobre os filmes de terror. Craven é tão genial aqui que ele faz um jogo de metalinguagem com outros filmes do gênero como: Sexta Feira 13, Halloween e A Hora do Pesadelo. 

A conversa da moça vai ficando séria no momento em que ela começa a desconfiar que a pessoa do outro lado está a vigiando. A pressão psicológica é grande e muito bem trabalhada. Drew Berrymore que interpreta a jovem moça Casey Becker, foi perfeita. A morte de uma atriz tão importante quanto ela no começo do filme sugere que realmente qualquer um pode morrer no decorrer da história, não só a morte dela como a de seu namorado, Steve Orth. Acreditem, nos primeiros 10 minutos de filme, nós vemos uma inovação no terror, e sem duvidas essa introdução está dentre uma das melhores mortes da história do cinema de terror. E lembrem-se, estamos falando de um filme lançado em 1996, e que não precisou de efeitos especiais algum para ser impactante e esplendida. 


Ainda na mesma noite, nós somos apresentados a Sidney Prescott e Billy Loomis. Um casal num relacionamento enrolado. Sidney tem a vida marcada pela tragédia, pois há um ano a sua mãe havia sido assassinada, aparentemente por um homem chamado Cotton Weary que estava preso desde então. Billy mora com o seu pai, ele tenta algo mais com Sidney no quarto da namorada, mas não consegue. Um ponto interessante é que a metalinguagem com relação a outros filmes de terror não param. São contantes no decorrer do filme inteiro.

No dia seguinte, Sidney vai para a escola e descobre que a cidade de Woodsboro está altamente movimentada pela imprensa, policiais e curiosos por causa dos assassinatos de Casey e Steve. Em meio a esse caos, nós conhecemos outros personagens. Tatum Riley, a melhor amiga de Sidney. Stuart Macher, conhecido como Stu, é amigo de Billy e tem um relacionamento (não é namoro) com a Tatum. Randy Meeks, um cinéfilo e amigo de Sidney, ele tem uma queda por ela, mas ela nunca correspondeu. O policial trapalhão Dewey Riley, irmão mais velho de Tatum. E por fim Gale Weathers, uma repórter fria que defendeu Cotton durante o tribunal das acusações de Sidney pelo assassinato da mãe dela. Essa parte resulta em bons diálogos e referências, inclusive numa parte em que o grupo e reúne perto de um chafariz para conversar.


Com todo esse tumulto e com o seu pai fora da cidade, Sidney pede a Tatum para que possa dormir na casa dela. Mais tarde em sua casa, Sidney espera a amiga para levá-la para a sua casa... O telefone toca. É o assassino fazendo o mesmo tipo de conversa que fizera com Casey, aquele papo de "Você sabe onde estou?", "O que você está fazendo?", "Você gosta de filmes de terror?". Não é clichê, é muito interessante e tudo se encaixa bem, até o fato de Sidney não achar que está falando com um estranho, mas sim com Randy que está fazendo uma brincadeira com ela, mas essa brincadeira não dura muito. Sidney descobre que está falando com o assassino e daí temos uma perseguição, é muito legal, é outro ponto bom do filme. A perseguição não se estende no filme todo, ela da pausas para diálogo e um certo aprofundamento no carisma dos personagens. 

Acredito que o sentimento de Sidney realmente é de confusão, estar sendo perseguida por um assassino e incriminar Billy como provável suspeito não é algo feliz. Afinal, como ela deveria estar, feliz por prender o suposto assassino, Billy, ou triste por acusar o seu namorado de tentar matá-la? É complicado mesmo. Da delegacia, eles vão para a casa de Tatum, lá o assassino liga para Sidney outra vez. Sim, em tese o assassino não poderia ser o Billy já que ele estava preso. Esse é outro fator legal do filme, o telespectador pode se envolver na história tentando descobrir quem é o assassino, é um jogo de gato e rato que Wes faz até o ultimo momento. 

Sidney passa a sofrer pequenos ataques do assassino, como a cena do banheiro. Além disso, ela tem que resolver seus problemas com Billy que foi solto e com Gale também que não para de infernizar a vida dela a perseguindo.


Devido aos assassinatos e ataques constantes, é feito um toque de recolher na pacata cidade. O diretor da escola, o senhor Himbry fica no local. Aparentemente ele está está só no local com o faxineiro Freddy (grande homenagem ao filme "A Hora do Pesadelo"). O diretor logo se torna a terceira vitima do Ghostface. 

Stu para comemorar os dias sem aulas, resolve fazer uma festa em sua casa e convida todos os seus amigos. Tatum consegue convencer Sidney a ir e vão fazer os preparativos. Nessa parte eu encontro um pequeno 'defeito' no filme, não é nada grande, mas acho que é improvável. Nós vemos o assassino perseguindo Sidney pela rua e até em supermercados, achei um tanto 'desnecessária', tipo... Toda a cidade está em alerta e a policia está atrás do assassino. E o assassino persegue a sua vitima em plena luz do dia em lugares públicos? 

A casa de Stu não é num local que fica na cidade e nem é perto de casas, sua residência é longe e é rodeado por fazendas. Um local perfeito para um terceira ato de um filme. É o que acontece. No inicio a festa é divertida, todo mundo bebe e se diverte. Até a famosa repórter Gale aparece na festa acompanhada do desajeitado Dewey para ver se está tudo bem. Gale aproveita o momento para colocar uma câmera no local. O câmera man Kenny vigia tudo no forgão do jornal que Gale trabalha. 

Durante a festa, Billy se encontra com Sidney e os dois resolvem ir para um quarto para conversar melhor. No decorrer dessa parte, existem várias referências ao que acontece mesmo nos filmes de terror. Como por exemplo, enquanto o grupo assiste ao primeiro filme da franquia "Halloween", Randy comenta sobre as regras para viver e morrer num filme de terror. São elas:

1 - Não pode fazer sexo. Quem praticar tal ato provavelmente morrerá\morre, num filme de terror.

2 - Nunca diga "Eu volto logo". porque você não vai voltar, o assassino o mata antes disso.

3 - Não pode beber nem usar drogas. Quem faz isso também encontra o seu fim.

E se vocês pararem para pensar, é verdade. Quantos filmes de terror antes de Pânico seguiram essa fórmula. Onde a mocinha que vence o assassino é sempre descrita como uma santa que não faz nada de errado.

E vocês se lembram da Tatum? Pois é, ela foi na garagem pegar mais cerveja. Logo nós vemos o Ghostface entrando em ação, é uma cena curiosa onde a principio a moça acha que se trata de uma brincadeira, mas logo ela descobre que quem está ali é o assassino. Essa parte é marcada por duas coisas, uma se deve ao fato de Tatum mencionar o nome "Ghostface" pela primeira vez no filme aqui. A outra é na parte 'maluca' onde a jovem para fugir do assassino resolve passar pela porta do gato que fica na porta da garagem. Como uma mulher pensou que poderia passar por um buraco de 30 centímetros quadrado? Loucura é pouco porque nem a mulher gato passava por ali, mas a gente reversa, afinal a loira estava sem pensar devido ao medo que sentia na hora. 

Detalhe, existe um pequeno erro nessa parte. Tatum tentara abrir a porta para fugir do assassino, mas não conseguiu porque a mesma estava trancada. Após a morte da jovem, o assassino a abre sem problemas. Wes Craven não é perfeito, mas a sua genialidade faz esses pequenos detalhes serem no minimo... Ignorados, até porque nada afeta a história ou o desfecho do filme.

Bom, o telefone liga e Randy atende, nesse momento a turma fica sabendo que o diretor da escola havia sido assassinado. Os jovens cruéis e maldosos (tudo psicopata na minha opinião) saíram felizes da festa rumo a escola para ver o corpo do diretor. Na casa ficaram apenas, Billy, Sidney, Randy e Stu. Do lado de fora da casa, Kenny via tudo o que acontecia pela câmera e Gale e Dewey caminhavam pelo local para fazer um ronda ao mesmo tempo em que flertavam. Aliás, faz todo o sentido como as coisas rolam... E a recíproca é verdadeira, como Gale sita em seu livro em Pânico 2 "Dewey mostra toda a sua inexperiência". Mas estou me precipitando. Dewey e Gale veem o carro de Neil Prescott, o pai de Sidney... No começo do filme o senhor Prescott aparece dizendo para Sidney que ele ia sair da cidade por alguns dias. Então o que o carro dele estaria fazendo ali? Com essas duvidas, Dewey e Gale volta para a festa.


Sidney e Billy estavam no quarto fazendo sexo, não da para ignorar esse fato porque ele é importante na história, mas felizmente Craven não viu necessidade de se aprofundar em tal ato, de fato ele fez bem. Pânico segue um ritmo frenético sem que mostre mulheres peladas e nem sexo de forma explícita. Sidney mesmo que dissesse que confiava em Billy, as suas perguntas nessa parte como "Para quem você ligou na prisão?", mostravam claramente que no fundo ela sabia que tinha algo de errado. Depois de aparecer e esfaquear Billy, o assassino começa a sua caçada em busca de Sidney. Daí temos uma longa perseguição. Tal perseguição acaba provocando a morte de Kenny sendo degolado, o esfaqueamento de Dewey nas costas e o acidente que Gale sofre enquanto dirigia o forgão para fugir do local.

Sem duvidas que o ponto alto do filme é quando Sidney descobre que Billy está vivo e que é o assassino junto com Stu. Billy da um tiro em Randy e começa a dar os seus motivos para cometer as atrocidades. Preciso dizer que a mudança de comportamento do Billy de vitima para vilão é surpreendentemente doentio. A sua expressão facial é realmente muito bem feita. Créditos ao ator Skeet Ulrich que deu vida ao 'namorado assassino'. E o Stu... Ele é aquele tipo de 'segundo assassino' que acaba se tornando o capacho do assassino principal, nem o motivo foi dado para que ele ajudasse Billy a matar os amigos, só insinua que Casey foi morta porque ela terminou com ele para ficar com Steve. Além disso, o comportamento estranho entre os dois assassinos sugere que eles mantinham uma relação, não estou afirmando isso, mas esse fato já foi até usado na paródia do filme conhecida como "Todo Mundo em Pânico". 


Bom, em meio as várias homenagens e referências aos filmes de terror que pânico possui. Os assassinos matavam para que tudo parecesse um filme de verdade. A introdução "Morte de Casey e Steve", o meio "Perseguição de Sidney e a morte do diretor", fim "a conclusão dos massacres na festa de Stu". Tanto é que Sidney só poderia morrer aqui se ela perdesse a virgindade (Lembrem-se! A primeira regra de Randy para sobreviver ao filme de terror é "Não pode fazer sexo" do contrário você morre).

O plano de Billy e Stu, se fosse feito com calma, seria um plano perfeito. Tudo daria certo e eles se dariam bem, mas isso aqui não é um filme de terror, é a realidade, e Sidney acabou sendo subestimada pelos dois. Então a moça faz a reviravolta acabando com os assassinos, é claro que com ajuda de Gale e de Randy. E tudo acaba com o ultimo susto, que acaba com tudo.

Uma personagem como a Gale em outros filmes de terror naquela época, com certeza seria uma vitima de algum assassino, além disso, podemos dizer que o filme não caminha para a matança desenfreada. No total morrem sete pessoas no filme, e sobrevive uma quantia razoável de pessoas.


O roteiro de Kevin Williamson é caprichosamente escrito e deu motivos para que Pânico fosse um sucesso. Os personagens são carismático e bem desenvolvidos, Sidney tem a vida sofrida, mas não se faz de vitima e Billy não da suspeitas de que ele tem um lado psicótico, principalmente pelas circunstâncias que o próprio filme faz questão de mostrar para que nós mudemos as nossas suspeitas. 

Originalmente, quem iria interpretar Sidney era a Drew Barrymore, mas ela recusou o papel, assim a estrela ficou com o papel de Casey (que foi muito importante para o filme) e a Sidney ficou por conta de Neve Campbell que já era conhecida por outros filmes como "Jovens Bruxas" lançado naquele mesmo ano. E cá entre nós, a Neve foi perfeita no papel. 

Ainda existem muitas curiosidades sobre o filme para serem faladas como o fato de todos os filmes da franquia ocorrerem sempre num período de três dias. Podem conferir, nesse caso, como eu disse antes:

Dia 1: Morte de Steve e Casey.

Dia 2: Perseguição a Sidney e ela dorme na casa de Tatum e Dewey.

Dia 3: Morte do diretor, preparação para a festa, descoberta dos assassinos.


Pânico foi o décimo terceiro filme mais visto dos EUA no ano de 1996 e se tornou o sexto filme de terror da história a ultrapassar a barreira dos 170 milhões de dólares em bilheteria. Antes dele, somente Tubarão, Tubarão 2, Drácula de Bram Stoker, Entrevista com o Vampiro O Exorcista conseguiram essa façanha. Depois dele os filmes de terror ganharam mais visibilidade, mas poucos ainda conseguem superar esses números. Também foi o filme de terror mais visto em 1996/1997 no mundo todo.

Craven (diretor) e Williamson (roteirista)
Bom, isso é Pânico, um filme que conta com um elenco grandioso e que de fato qualquer um pode ser o assassino ou pode morrer, esse filme chegou até a unir casais, como foi o caso de David Arquette (Dewey) e Courtney Cox (Gale) que se conheceram durante as gravações e se casaram mais tarde. Também nós contamos com uma esplêndida trilha sonora, a musica agitada e o ritmo de rock acompanham dignamente cada avanço do filme. E é com muita felicidade que digo que outras 3 sequências foram lançadas, sem duvidas falarei sobre elas em futuras criticas, porque são tão boas quanto e vale a pena assisti-las pois elas além de esclarecerem pontos que ficaram em aberto nesse, elas 'fecham' com honra a saga de Sidney Prescott e todo o seu terror pelo assassino com cara de fantasma.

Esse filme sem dúvidas alguma é uma referência do auge da carreira de Wes que junto com Freddy e outros filmes como 'A Viagem Maldita, 1977' e 'Aniversário Macabro, 1972', fizeram desse diretor o que ele é hoje, um exemplo. Vida longa a Craven, vida longa a Scream.

Billy e Sidney, 19 anos depois
Com relação a Williamson. Pânico também foi um marco na carreira dele que atualmente envolvem outros sucessos como: roteirista de 'Eu sei o que vocês fizeram no verão passado', co produtor executivo de 'Halloween H20', e de séries como 'Dawson's Creek', 'The Secret Circle' e 'The Vampire Diaries'. 

Em maio de 2015 (mais precisamente entre os dias 1 e 3), os atores Skeet Ulric (Billy Loomis) e Neve Campbell (Sidney Prescott), se reencontraram para comemorar os 19 anos de 'Pânico' durante a convenção de terror 'Texas Frightmare'. Esse ocorrido foi a primeira vez que a Neve aceitou participar de uma convenção, após declinar o convite durante quase duas décadas. Além de 'Pânico', a atriz também estrelou 'Jovens Bruxas' ao lado de Ulric ainda em 1996, cujo elenco também esteve presente no evento. Bem, com certeza a foto ao lado deixa qualquer fã emocionado uma vez que dois personagens importantes de um filme que deixou uma grande marca no gênero, se reencontram depois de quase 20 anos. 

Nota: 9,0.


Diretor: Wes Craven.
Roteiro: Kevin Williamson.
Elenco: Neve Campbell, David Arquette, Courtney Cox, Drew Barrymore, Matthew Lillard, Rose McGowan, Skeet Ulrich, Jamie Kennedy.
Genero: Suspense.
Orçamento: 14 milhões de dólares.
Receita: 173 milhões de dólares. 

Por: Michael Kaleel.



Description: Rating: 4.5 out of 5

3 comentários:

  1. Anônimo5/07/2014

    Muito boa a critica, pânico foi um dos primeiros filmes de terror q assisti. sou fã da franquia..
    Gosto de como os roteiros da franquia são escritos, criticando os outros filmes de terror..

    ResponderExcluir
  2. Anônimo6/06/2014

    Excelente filme, excelente atuações, com destaque para Courtney Cox ( eterna Mônica de Friends ) .

    ResponderExcluir
  3. Anônimo7/10/2016

    Muuuuito boa a crítica!!
    Deu até vontade de ver!!

    ResponderExcluir