Crítica: Um Drink no Inferno - A Série | 1ª Temporada (2014) - Sessão do Medo

13 de junho de 2014

Crítica: Um Drink no Inferno - A Série | 1ª Temporada (2014)

 

É. Parece que o blog vai apostar mesmo nas séries. Aliás, o que as diferenciam dos filmes? Uma história mais longa. E, após falar da ótima Bates Motel, venho comentar outra ótima série do gênero, baseado em um dos melhores filmes trash de terror: From Dusk Till Dawn, ou Um Drink no Inferno. Quem nunca assistiu esse clássico? Lançado em 1996, FDTD foi estrelado por astros como George Clooney (Gravidade), Quentin Tarantino (nem preciso comentar, né?) e Juliette Lewis, dirigido por Robert Rodriguez (Planeta Terror). No final de 2013, o diretor revelou que recriaria seu filme em uma série com 10 episódios, criando seu próprio canal, o El Rey.

Na série policial/terror, Seth Gecko (D.J. Coltrona) e seu imprevisível e violento irmão, Richard “Richie” Gecko (Zane Holtz) estão foragidos do FBI e pelo policial texano Freddie Gonzalez (Jessie Garcia) após roubarem um banco e matarem o mentor de Freddie, Earl. Indo em direção ao México, os irmãos Gecko sequestram a família Fuller, composta pelo ex-pastor Jacob (Robert Fuller) e seus dois filhos Kate (Madison Davenport) e Scott (Brandon Soo Hoo), para atravessarem a fronteira. Quando o chefe dos Gecko, o traficante Carlos (Wilder Valderrama) os desviam para um bar de strippers, os irmãos e os Fullers nem imaginam que o bar está cheio de vampiros sedentos por sangue, liderados pela sedutora – e perigosa – Santanico Pandemonium (Eiza Gonzalez).


A primeira coisa que se percebe ao assistir FDTD é o quanto Rodriguez se preocupou em deixá-la o mais parecido possível ao filme, e ao mesmo tempo, diferente, única. A escolha dos atores fora perfeita. Todos são bem parecidos aos personagens do filme original. Destaque para Eiza Gonzalez, que interpreta o papel de Salma Hayek na série.

Ao invés dos clássicos vampiros do filme original, aqui a história é mais complementada. Segundo uma antiga lenda, os vampiros - ou Los Culebras, como são chamados na série - se originam de deuses cobras, o que resulta em suas aparências, que, admito, são mais assustadoras do que as dos vampiros do filme de 1996. Os vampiros tem os dentes parecidos com os das cobras, com venenos que são injetados nas vítimas.

E, para melhorar (ou não), os vampiros um poder "sobrenatural" de se comunicar com humanos. Ou pelo menos a Santanico tem. Na série, o irmão mais velho, Richie, tem uma conexão com a Santanico. Antes mesmo deles chegarem até o bar, Santanico aparece para o mesmo em visões, deixando-o paranoico, e nos fazendo acreditar que ele seja psicótico. Achei isso meio desnecessário, porém, nos episódios finais há uma explicação - meio sem graça, mas...


Havia mais algumas coisas desnecessárias na história, que eu não aprovei muito. Por exemplo, o "rinche" vingador que caça os irmãos Gecko até o final, em jura ao seu mentor morto pelos irmãos; O professor que se converte em caçador de vampiros; Ou a ex-mulher de Seth. Porém, no final, você até se conforma com o típico "Foi para o bem da história."

A adaptação ficou fiel e ao mesmo tempo inovou a história do filme original. Não posso dizer que ficou melhor, pois, pra mim, as duas produções estão no mesmo nível. Porém, que ficou ótimo, ficou. Apesar de no início a série ser um pouco preguiçosa e focar mais na ação, tendo um ou dois momentos de terror, quando o mesmo aparece, é pra valer. A cena em que Santanico dá a louca e começa a matar geral ficou... perfeita!

From Dusk Till Dawn: The Series ficou muito acima das minhas expectativas. Teve tudo do original e um pouco mais do original. Aliás, foi Rodriguez que refilmou. "Se quer que algo fique bem feito, faça você mesmo", certo? Não perca tempo. Se há uma série do gênero que você deve acompanhar, esta é FDTD! Caso ainda esteja com dúvida, veja o trailer da série abaixo:

Nota: 7

por Neto Ribeiro



Um comentário:

  1. Anônimo6/16/2014

    Vou assistir só porque eles são bonitos.

    ResponderExcluir