Crítica: O Segredo da Cabana (2011) - Sessão do Medo

29 de junho de 2014

Crítica: O Segredo da Cabana (2011)


De volta aos anos 80, um grupo de amigos com grandes sonhos resolveram fazer um filme. Eles pegaram uma cabana abandonada na floresta e filmaram um banho de sangue relacionado à possessão demoníaca. Essa foi a experiência de Within the Woods, protótipo do clássico The Evil Dead que viria a ser lançado um ano depois, após uma reformulação no roteiro e um cachê maior. Esse último acabou virando um clássico trash/slash/cult do gênero e, simultaneamente, servindo de inspiração para diversos filmes do gênero. E O Segredo da Cabana, ou The Cabin in the Woods, é um deles.

O filme foi gravado desde 2009 e seria lançado em 2010, ainda na época que ele pertencia ao estúdio MGM. Após o estúdio entrar em estado de falência, o filme ficou engavetado, sendo comprado um ano depois pela Lionsgate, que resolveu lançá-lo um no ano seguinte, 2012. O filme foi lançado e recebeu aclamação do público e da crítica, sendo um sucesso comercial.


O filme começa com Gary (Richard Jenkins) e Steve (Bradley Whitford), dois funcionários de uma empresa até então desconhecida para nós tendo uma conversa casual sobre suas vidas. Eles vão até uma sala cheia de telas e botões, onde parecem supervisar algo. O título do filme aparece e os dois funcionários são trocados pelos personagens adolescentes indo até a cabana. Só pelo início conseguimos conhecer os personagens pelos seus estereótipos. Há a doce e inocente Dana (Kristen Connolly, Fim dos Tempos), o garanhão Curt (Chris Hermsworth, Os Vingadores), o maconheiro Marty (Fran Kranz, série Dollhouse), a atirada Jules (Anna Hutchinson, Pânico nas Ilhas Rochosas) e o nerd Holden (Jesse Williams) que só foi por que Curt o convidou para ficar com Dana.

Eles chegam na cabana, onde se estabelecem, indo para os seus respectivos. Nesse momento, há uma cena bastante interessante onde os personagens Dana e Holden, que ficam em quartos vizinhos, se deparam com um espelho dupla-face. No quarto de Dana, há um quadro com pinturas de sacrifícios. Assustada, ela o tira, revelando uma espécie de vidro que dá pra ver tudo no quarto de Holden, inclusive ele se despindo. O interessante é que o fato desse espelho estar na cabana remota no meio de uma floresta acaba não importando nada para os personagens, somente um dialogo na cena.

Quando anoitece, os jovens encontram um porão na cabana, numa cena idêntica à de The Evil Dead. Ao adentrarem no recinto, eles encontram várias peças macabras, mas um diário chama a atenção de Dana. Nele, Dana descobre que sua dona fora Patience Buckner (Jordelle Ferland, Silent Hill), uma antiga residente da cabana. Porém, inadvertidamente, Dana acaba lendo citações que evocam zumbis do lado de fora da cabana.

O único detalhe é que, tudo, incluindo a ida dos cinco amigos para a cabana não foi destino, mas sim, uma manipulação feita pelos funcionários do início do filme, que trabalham para um tipo de organização secreta mundial que estabelece um equilíbrio no mundo por meio de sacrifícios de cinco jovens, restritamente definidos como: A virgem (no caso, Dana), o esportista (Curt), a meretriz (Jules), o bobo (Martin) e o estudante (Holden).


O filme funciona como uma espécie de homenagem e reformulação do gênero do terror. Apesar de começar como um péssimo filme, O Segredo da Cabana sofre uma brutal reviravolta... Uma não, duas reviravoltas que deixam qualquer um de queixo caído. Ele brinca com os clichês dos filmes do gênero e ao mesmo tempo inova, numa trama bastante competente.

Com um final bem sangrento, mas bem sangrento mesmo (a imagem abaixo explica melhor), o filme nos entrega mais uma surpresa além das reviravoltas. Até por que quem não se surpreendeu com a participação especial de Sigourney Weaver, a eterna Tenente Ripley da quadrilogia Alien?

Voltando a comentar sobre o filme, muitos acharam que o imenso atraso do lançamento do filme (4 anos) mostraria que o filme teve muitos problemas na produção, resultando em um péssimo longa. Um exemplo recente disso é a refilmagem do filme de Brian DePalma, Carrie - A Estranha (2013), que acabou virando desnecessária. Porém, O Segredo da Cabana surpreendeu e mostrou que mesmo com uma fórmula desgastada pode-se criar um ótimo filme.


De certa forma, O Segredo da Cabana é uma sátira e ao mesmo tempo, uma renovação para/aos filmes de terror. Apesar de conter bastante violência e brutalidade, o filme lida a história com humor, como nas cenas em que os jovens lutam pela vida enquanto os funcionários riem e apostam, como se fosse um programa de TV. Porém, é esse humor que tira o rumo do filme, no final, que parece que foi feito enquanto os roteiristas fumavam uma maconha estragada.

Muitos, só por lerem a sinopse do filme, o rejeitaram, sem dar uma chance para ele. Bom, azar deles. O Segredo da Cabana é um filme astuto, inteligente e mindfucking, que revitaliza o gênero do terror, já bastante deteriorado ao longo dos tempos por péssimas histórias, em um filme bastante inovador e engenhoso, criado pelas mentes por trás de Os Vingadores e Cloverfield - O Monstro. Curioso? Não perca tempo e vá logo descobrir o segredo da cabana!

Nota: 9

por Neto Ribeiro

Trailer Legendado:

6 comentários:

  1. Vou rever hoje. Vamo ver se eu mudo meu conceito sobre esse filme!

    ResponderExcluir
  2. Anônimo7/14/2014

    Eu curti esse filme. É bem legalzinho mesmo. Porém, aquele final da mão estragou tudo!

    ResponderExcluir
  3. no fim das contas, é tipo um "hey, somos maconheiros e mesmo assim estamos fazendo um filme". A historia claramente não é pra ser levada a sério, mas demonstra finalmente como um maconheiro é de verdade.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo1/15/2016

    [SPOILER]

    ResponderExcluir
  5. nota 9 já é exagero.

    ResponderExcluir
  6. Anônimo9/30/2017

    não curti muito esse filme. não entendi a logica da historia essa tal de " organização secreta mundial que estabelece um equilíbrio no mundo por meio de sacrifícios de cinco jovens."

    ResponderExcluir