Crítica: Remanescentes - Esquecidos Por Deus (2015) - Sessão do Medo

5 de fevereiro de 2015

Crítica: Remanescentes - Esquecidos Por Deus (2015)


Dirigido por: Casey La Scala
Duração: 88 Minutos
Ano: 2015

Existem filmes que você analisa, pensa sobre eles, mas não sabe ao certo o motivo de existirem ao abordar temas relevantes, mas de forma completamente equivocada. O maior exemplo de filmes nessa linha é o novo filme sobrenatural/catástrofe/filme religioso chamado The Remaining, ou, como foi sabiamente intitulado por aqui: Remanescentes – Esquecidos Por Deus.  Trata-se de uma misturada de vários estilos e temas de filmes, começa como um filme em Found Footage, passando pra filme catástrofe, a filme sobrenatural e chegando ao ponto de ser um filme religioso, abordando a fé e Deus. Falando assim, parece que a ideia é boa, de fato é, mas não é usada de forma certa em nenhum momento. Ao termino do filme fica a impressão que o roteirista e o diretor Casey La Scala tinha boas idéias, mas nem ele soube desenvolver essas idéias a favor do filme.

Uma boa comparação a esse filme pode ser feita ao excelente O Nevoeiro de Frank Darabont, é um filme que a principio parece ser um filme simples pelo enredo, mas muito bem desenvolvido nos temas e nos personagens, um filme profundo, mesmo sendo simples.  O que não é o caso do tal The Remaining, que ao fim de tudo se mostra só um filme pretensioso e sem destaque.



O filme começa em uma festa de casamento, onde um grupo de jovens vai filmando todos os eventos que acontecem lá dentro, até que acontece um terremoto e deixa vários mortos e feridos no local. Com o perigo de um desabamento, o grupo corre pra rua e filmam tudo que acontece ali, chuvas de granizos enormes, raios e uma estranha nevoa no ar. Logo notam que a algo sobrenatural acontecendo ali e decidem se refugiar em uma igreja lotada de gente, sem saber o que ta acontecendo e esperando pelo pior.

O ritmo do filme na primeira metade é algo digno de nota, é um filme que não demora a engrenar e é muito bem movimentado. O bicho pega antes dos 10 minutos de projeção e seguindo o esquema do Rec 3 Genesis, o filme começa como um Found Footage, mas abandona o estilo antes dos 20 minutos de filme, usa o estilo apenas quando é necessário (Personagens gravando depoimentos, usando a câmera pra filmar o escuro em visão noturna, etc...).




O filme se perde completamente da metade pro final, o ritmo cai e o filme se torna pretensioso ao abordar a religião e Deus. Aborda o tema de forma tão boba e mal aproveitada que a impressão que passa é de que o filme tentou passar uma mensagem: “Aceitem Deus no coração ou sofra as conseqüências”.

O filme ganha créditos apenas por ter um final bem diferente do esperado para produções desse tipo. Se for ver, veja de mente aberta, sem levar muito a sério. No geral é um passatempo, nada mais que isso.

Trailer:

3 comentários:

  1. Gostei da crítica simples e objetiva, esse é o tipico filme pipoca.

    ResponderExcluir
  2. Já no começo mostra que quem o escreveu foi um evangelico fanático!

    ResponderExcluir
  3. Fora as críticas, só realmente entende e sente o impacto do filme quem já nasceu de novo em Cristo e entende um pouco dos mistérios da palavra de Deus.

    ResponderExcluir