Crítica: Uma Noite de Crime 2 - Anarquia (2014) - Sessão do Medo

11 de março de 2015

Crítica: Uma Noite de Crime 2 - Anarquia (2014)


Quem assistiu o primeiro Uma Noite de Crime sabe o que é se decepcionar. Muitas pessoas, comigo incluso, esperou demais do filme, que acabou sendo a última bolacha do pacote. Quando essa continuação foi anunciada, não fui muito a favor, porém quando o trailer saiu, me senti ansioso para assisti-la. Diferente do primeiro filme, que é mais limitado, o segundo expande seus horizontes e se passa na cidade, não numa casa e cumpre algumas coisas que o primeiro falhou.

Primeiramente, vou remeter à história da Purificação, uma noite em que todos os crimes são legais e todos os hospitais, quartéis de bombeiros e delegacias de polícia nos Estados Unidos são fechados por 12 horas. Nesse espaço de tempo, pode-se fazer qualquer coisa que você quiser e que seja contra lei, pois nada irá acontecer com você.

A história de Anarquia é dividida em três núcleos. Algumas horas antes da Purificação iniciar, o casal Shane (Zach Gilford, O Herdeiro do Diabo) e Liz (Kiele Sanchez, A Trilha) descobrem que tiveram seu carro sabotado por um grupo de assassinos minutos antes do evento começar, deixando-os à deriva no centro de Los Angeles. Leo (Frank Grillo, Capitão América 2: Soldado Invernal) planeja se vingar da morte do seu filho, assassinado um ano atrás, indo às ruas na noite de Purificação. A garçonete Eva (Carmen Ejogo) e sua filha Cali (Zoe Alma) são sequestradas de sua casa devido à um assalto planejado. Essas 5 pessoas acabam se encontrando no meio da Purificação e tentam sobreviver à noite.


Desde o começo, podemos ver que os personagens são bem consistentes, exceto o Leo, que apenas diz que quer se vingar pela morte do filho, mas não explica como ele aprendeu todas aquelas habilidades, restando somente à nós imaginar que ele foi, por exemplo, um policial. O casal Shane e Liz estão se separando e tem constantes discussões. Mas, a mais trabalhada é Eva e sua filha Cali. Numa cena, eles remetem ao final do primeiro filme.

O roteiro de Anarquia é bastante competente. É criativo, sabe aproveitar as histórias dos personagens e constrói momentos tensos de terror. Como o filme é mais abrangente, ele consegue nos fazer refletir sobre uma perguntinha: "O que eu faria se estivesse na Purificação?". Vemos que a situação toda é tensa. Você não está seguro em nenhum lugar. Uma cena que mostra bem isso é a dos trilhos do metrô, em que vemos os mendigos escondidos lá, quando do nada chega um grupo de assassinos e os queimam vivos. É tudo muito chocante e o filme se torna apavorante pela situação ser bastante realista. Pessoas que você conhece podem se virar contra vocês, até por que, elas não tem nada perder. Essas questões são bem aproveitadas nesse filme, um claro acerto que o primeiro filme não conseguiu fazer.

Fica claro que apesar do filme ser considerado "terror", ele é mais puxado para a ação. Não é algo ruim, pois não deixa o espectador quieto nem fica nada cansativo, coisa que tinha demais no primeiro filme. É algo incessante e que nos faz pedir mais e mais! Sem dúvidas, Uma Noite de Crime: Anarquia é um dos melhores de 2014, por segurar uma história interessante com situações desesperadoras durante 100 minutos.

por Neto Ribeiro

Título Original: The Purge - Anarchy
Ano: 2014
Duração: 103 minutos
Direção: James DeMonaco
Roteiro: James DeMonaco
Elenco: Frank Gillo, Carmen Ejogo, Zach Gilford, Kiele Sanchez, Zoe Soul, Michael K. Williams

3 comentários:

  1. Anônimo3/11/2015

    Neto, assisti ontem o filme Kristy, no qual eu até já postei o trailer aqui, quando eu fazia parte do SdM. Eu queria te pedir pra tu fazer uma critica dele, pra eu saber a tua opinião sobre ele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não assisti ele, mas vou procurar!

      Excluir
  2. Anônimo3/11/2015

    Aqui é o Bruno o/

    ResponderExcluir