Crítica: A Pirâmide (2014) - Sessão do Medo

13 de abril de 2015

Crítica: A Pirâmide (2014)

Atenção: O post abaixo contém alguns spoilers sobre o filme.
Divulgado amplamente como um novo filme do diretor do ótimo Viagem Maldita, A Pirâmide é a nova aposta da Twentieth Century Fox no gênero do terror. Quando vi o material de marketing do filme, pensei que fosse o novo filme de Alexandra Aja, porém não havia me lembrado que Viagem Maldita teve dois diretores, a dupla Aja e Gregory Levasseur. Os dois dirigiram o também ótimo Alta Tensão, em 2003. Desde então, Aja vem dirigindo vários filmes sozinho enquanto Levasseur ajuda na produção. Agora que investiu na carreira solo, Levasseur dá um tiro no próprio pé com esse péssimo filme.

O filme conta a história de uma expedição de um grupo de arqueólogos numa escavação de uma nova pirâmide achada no Egito. Essa pirâmide estava soterrada pela areia e sua descoberta põe em dúvida tudo que a arqueologia havia descoberto até agora. A escavação é liderada por Holden (Denis O’Hare, American Horror Story) e sua filha Nora (Ashley Hinshaw, Poder Sem Limites) e está sendo coberta pela documentarista Sunni (Christa-Marie Nicola) junto com seu cinegrafista Fitzie (James Buckley).

Quando eles finalmente acham uma entrada para a pirâmide, o governo suspende a escavação por conta dos violentos manifestos que ocorriam no Egito, e Nora inconformada pede para que eles enviem uma sonda para ver o que há na pirâmide. Estranhamente, a sonda é destruída por algo desconhecido e como ela é bastante cara, Nora junto com seu pai e seu namorado e operador da sonda Zahir (Amir K), Sunni e Fitzie adentram a pirâmide para recuperar a sonda. Porém, chegando lá eles não encontram a tal sonda. Pelo menos boa parte dela. Na hora de voltar, eles se perdem por uma “encruzilhada” de caminhos e se vêem presos. Quando aos poucos, coisas começam a atacá-los, começa um jogo de gato e rato enquanto eles tentam sobreviver e sair da pirâmide.

O filme tem várias falhas, mas a que mais incomoda é o CGI! MAQUEPORRA É AQUELA? É muito irritante. No final do filme, quando mostra Anubis mais claramente chega a ser ridículo. Pareciam ter sido feitos com gráficos do PS2. Além disso, o filme não se decide se quer ser um mockumentary, um found footage ou um filme normal. Vocês se lembram de [•REC]³ - Gênesis? Aquele pelo menos depois que vai para a câmera convencional, continua lá. Aqui é um engodo danado! E não tem como levar o filme a sério com aqueles gatos! Todo suspense que eles lutaram para conseguir vai abaixo quando eles aparecem.

O pior é que o filme poderia ter sido bom se eles focassem menos no sobrenatural. Eles já tinham atores razoáveis com seus personagens e tinham o ambiente claustrofóbico. Se fizessem algo como Santuário e Assim na Terra Como no Inferno, o filme ficaria bom! Focaria no psicológico dos personagens e etc, como na ótima cena em que eles se vêem na armadilha de areia enquanto a repórter está presa naquela outra.

O filme tenta ser uma A Múmia só que em found footage, mas não dá certo. É uma mancada atrás da outra, sem falar no final sem noção. O pior é que o diretor tem um grande potencial. Sempre que está em dupla com Alexandre Aja, algo bom sai. Aliás, gosto até de Espelhos do Medo! Mas ele realmente falhou em trazer um filme bom, ao invés disso, trouxe uma surreal e cansativa aventura que não desce com nada!

Nota: 3,5

por Neto Ribeiro


Nenhum comentário:

Postar um comentário