Crítica: A Entidade 2 (2015) - Sessão do Medo

12 de setembro de 2015

Crítica: A Entidade 2 (2015)


Atenção: Este post contém alguns spoilers sobre o filme A Entidade 2, mas nada referente ao final dele, apenas alguns detalhes da história e do desenvolvimento. No entanto, contém spoilers do primeiro filme. Quem não assistiu, está avisado.

Lembro que há três anos lançava A Entidade (Sinister). Não o considerava um filme esperado e o assisti pelo acaso, antes de estrear aqui no Brasil (já tinha saído nos EUA), quando um amigo me recomendou. Agora imagine o impacto que tive ao assistir um filme do qual fui ver sem expectativas e pela primeira vez em muito tempo eu realmente me assustei com ele. E não digo sustos rápidos feitos pelo aumento de volume inesperado. Tô falando de sentir medo mesmo!

Sei que a experiência do primeiro filme não foi assim para todos, mas posso dizer com todas as palavras que A Entidade é um ótimo filme. Agora, quando o segundo filme foi anunciado eu não sabia se ficava ansioso ou com o pé atrás. Acho que ambos. Isso por que o final do primeiro filme já é um grande encerramento para a história, portanto fiquei me perguntando como seria a história do segundo filme, se valeria a pena assisti-lo, se conseguiria repetir o clima de medo do primeiro filme, entre outras perguntas.

Assim como faço com vários filmes que são atualmente lançados, ou eu vejo apenas o primeiro trailer, ou eu não assisto nenhum trailer e deixo o filme me surpreender. No caso de A Entidade 2 eu fiz o último. Como comentei na crítica de Sobrenatural: A Origem, os trailers de hoje em dia entregam muito do filme, e não assisti-los contribuem para que a experiência com o filme seja melhor.

Portanto, posso afirmar que acompanhar A Entidade 2 não foi ruim. Vi alguns comentários não muito bons sobre ele mas não o considerei nada ruim. O filme foi além do meu esperado, mas acho que perdeu grande parte do impacto justamente por conta do primeiro filme - que vou precisar comentar sobre para poder falar sobre a história do segundo.


Bom, no final do primeiro filme, vemos Ellison Oswalt (Ethan Hawke) virando a nova vítima do demônio Bughuul. Agora se lembram daquele policial-que-ninguém-sabe-o-nome que ajudava ele? Bom, é mostrado aqui que após a polícia achar Ellison e sua família assassinados, ele virou o principal suspeito. No entanto, após ser inocentado, ele acabou sendo demitido da polícia e agora tenta investigar outros assassinatos e precaver outros. O que o leva a uma fazenda rural aparentemente abandonada, que fica perto de uma igreja onde houve um assassinato estilo-Bughuul há algumas décadas.

Chegando lá, o ex-Policial acaba dando de cara com Courtney (Shannyn Sossamon, Uma Chamada Perdida e Wayward Pines), uma mãe solteira com seus dois filhos gêmeos Dylan e Zach, e que vive fugindo de seu ex-marido - um empresário de agricultura abusivo -, que tenta a todo custo pegar a guarda dos filhos. Isso acaba com os planos do Policial, já que ele planejava queimar toda a propriedade para que ninguém mais morra nas mãos de Bughuul.

No entanto, ele não sabe que os garotos já estão sendo assombrados pelas vítimas de Bughuul, crianças que mataram suas famílias e que agora tentam convencer Dylan a fazer o mesmo, mostrando mais daquelas fitas com assassinatos para ele.

Primeiramente, acho importante falar que o filme tem uma diferença do primeiro filme da qual eu achei bem pensada. Enquanto o primeiro filme era construído com base nos adultos (Ellison), A Entidade 2 é construído com base nas crianças (já que são elas que na verdade matam suas famílias sob influência de Bughuul). Portanto achei bastante interessante, já que alguns detalhes são explicados.


Gostei muito do roteiro do filme. Achei que ele foi bem trabalhado principalmente na construção dos personagens e como todo os dramas e histórias paralelas que achei desnecessários no início do filme contribuiu para a construção do final dele. 

No entanto, o filme perde todo o seu impacto e potencial por já sabermos tudo que vai acontecer. O que fez A Entidade ser tão bom além de seu clima é por que no final acontece algo que não sabíamos que ia acontecer, usando o elemento surpresa. Uma vez que já sabemos tudo que vai acontecer, toda a história de A Entidade 2 acaba ficando fraca por conta disso.

E é uma pena, pois ele acaba se tornando mais uma daquelas sequências desnecessárias, feitas apenas para dar dinheiro para uma produtora como a Blumhouse, que está ganhando quilos e quilos de dinheiro por lançar filmes com premissas basicamente iguais (grande maioria do catálogo da Blumhouse é feito por filmes de fantasmas e demônios).

Uma coisa que eu gosto bastante (tanto no primeiro quanto no segundo) são aquelas fitas, lembram? Acho elas mais assustadoras que o filme em si. São simples e ao mesmo tempo tão horríveis, me deixam desconfortáveis. Mas são bastante criativas. Por exemplo, aqui no segundo filme há umas bem agoniantes como:
• Uma família pendurada amarrada em um lago cheio de crocodilos que começam a atacá-los.
• Outra família amarrada numa cozinha alagada com fios desencapados.
Na véspera de Natal, uma família é amarrada e enterrada na neve, congelando até morrer.


Como não pode faltar, o final deixa em aberto espaço para uma sequência que sem dúvidas virá. Enquanto não achei o filme tão ruim, tenho certeza que o próximo será, pois não tem mais para onde ir. Até o Bughuul sumiu um pouco aqui do filme e não se tornou o centro principal dos sustos (as cenas envolvendo ele são apenas jump-scares e o final). No final das contas, A Entidade 2 é um filme apenas bom. Não vá esperando algo surpreendente como o primeiro filme, pois dessa vez você já vai saber tudo o que vai acontecer.

por Neto Ribeiro


3 comentários:

  1. Também me senti assim em relação ao filme. O primeiro me deixou realmente com medo, e nesse, as coisas que me deixaram com medo mesmo foram as cenas dos 'filmes'. Uma coisa muito bem feita nesse filme é o casamento das cenas de terror dos filmes das crianças com as músicas, sério, é muito bom. Alguns gemidos, outras falas guturais, alguns sons estáticos... tudo isso aterroriza muito junto com aquele clima de filme caseiro antigo. Essa é melhor parte do filme.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo5/05/2016

    do jeito que vocês fala do primeiro filme deve ser realmente bom não assisti ainda mais vou baixar, quando ao segundo filme gostei muito,4 estrelas para ele esperava algo mais impressionante no final,mais o filme é muito bom! recomendo á assistir

    ResponderExcluir
  3. Entendo quem tenha gostado, mas acredito que nem o primeiro filme fosse realmente bom, ainda que tivesse uma direção competente e contasse com boas atuações. Cumpria bem a função, enfim. O segundo, apesar de ter algum potencial, já que o vilão e a mecânica dos assassinatos poderiam ser utilizados para faze analogias com medos "domésticos" como abuso infantil ou violência contra as mulheres, tecnicamente é um desastre.
    Desenvolvo um pouco mais essas ideias sobre os dois filmes nesses artigos:
    A Entidade 2: http://criticaemserie.blogspot.com.br/2016/08/a-entidade-2.html
    A Entidade: http://criticaemserie.blogspot.com.br/2014/10/a-entidade.html

    ResponderExcluir