Crítica: Wolf Creek - Viagem ao Inferno (2005) - Sessão do Medo

1 de setembro de 2015

Crítica: Wolf Creek - Viagem ao Inferno (2005)


Atenção: Este post contém alguns spoilers sobre o filme.

Sabe aqueles filmes que todo mundo fala bem e você vê ótimas críticas mas nunca teve vontade de ver? Daí você finalmente vê e meio que não sabe formular bem sua opinião? Bom, esse sou eu após assistir Wolf Creek, filme australiano de 2005 que varreu os festivais com altas críticas sobre seu realismo e sua tensão. Como falei, recebi muitas críticas boas sobre ele, mas nunca bateu a vontade de ver. Na verdade, de rever, pois eu havia o assistido há muito tempo, mas não lembrava de p*rra nenhuma, portanto não podia dar minha opinião.

O filme foi baseado em desaparecimentos (que logo se revelaram homicídios) cometido por um homem australiano na década de 90 que assassinava mochileiros turistas (dando carona para eles, torturando-os e depois matando-os a tiros). A história é até bizarra. Quando a investigação terminou, acharam corpos mutilados, com marcas de tortura, etc. No entanto, os assassinatos são ocorreram em Wolf Creek (que realmente existe). Na verdade, o local se chama na verdade Wolfe Creek.


A história é até familiar, pois tanto filmes anteriores quanto posteriores a ele tem premissas parecidas. Nele, Liz (Cassandra Magrath) e Kristy (Kestie Morassi), duas garotas inglesas de férias na Austrália conhecem Ben (Nathan Phillips), com quem resolvem ir até uma cratera chamada de Wolf Creek, que é um ponto de turismo famoso do local. Como não podem ir até lá com o carro, eles o deixam mais afastados e vão a pé. Quando voltam, o carro não liga de jeito nenhum.

A noite chega e eles não conseguem comunicar ninguém para ajudá-los, até que chega um homem local, chamado Mick (John Jarratt), que se voluntaria para ajudá-los. Mas para isso, eles tem que ir até a casa dele, que é mais afastada ainda, onde ele tem uma peça. A casa dele é na verdade uma mina abandonada, um tipo de acampamento. Mick fica consertando o carro enquanto eles se reúnem em volta de uma fogueira e acabam pegando no sono. Quando Liz acorda, ela está amarrada dentro de um galpão. Logo ela terá que lutar para sobreviver e salvar Kristy enquanto Mick os perseguem.

É interessante ver como o desenrolar do filme parece tão real. Por exemplo, a cena em que Liz acorda amarrada dentro daquele depósito. Simplesmente não sei o que foi, mas aquela cena me pareceu incrivelmente real. Outra foi SPOILERS a cena em que Liz vai pegar o carro mas Mick está lá e a esfaqueia na coluna. Na boa, eu senti a dor dela. Sem dúvidas um ótimo trabalho do roteiro e da Cassandra Magrath, a atriz que fez Liz.
De primeira, você acha que Wolf Creek irá seguir o mesmo caminho de outros filmes do mesmo tema. A vítima acorda presa, vê algum amigo preso também, o assassino chega e mata o amigo ou o tortura. A vítima consegue se soltar e tenta salvar o amigo, o assassino chega, os persegue... E de certa forma, até segue. Mas é a forma que o roteiro foi escrito que diferencia o filme.


No entanto, acho que fui com tantas expectativas que acabei me decepcionando um pouco com o filme. Não me levem a mal. Eu entendo o por que do filme ser tão elogiado e de certa forma, eu me incluo junto, mas eu esperava mais. Claro que isso é algo individual. Tenho que elogiar o roteiro do Greg McLean, que conseguiu focar muito no psicológico e me fez sentir muita pena dos personagens. É raro isso acontecer, acreditem.

Acho que isso se dá ao fato da imprevisibilidade que McLean colocou no roteiro. Por lógica, você define na sua cabeça um protagonista, mas em Wolf Creek não há protagonistas, além do Mick. O roteiro dá umas viradas e a cada minuto cada um dos personagens viram o alvo. Quem você acha que vai ficar vivo até o final morre, sabe? Esse foi um fator que eu gostei muito do filme.

Infelizmente, gostaria de ter sido impactado por esse filme como muitas pessoas dizem ter sido. Essa é a parte ruim de criar expectativas. Até quando o filme é bom você se decepciona por esperar algo diferente e não há nada que possa mudar isso.

por Neto Ribeiro

2 comentários:

  1. Anônimo9/26/2015

    Neto Ribeiro, você já assistiu o Wolf Creek 2? Se sim, o que achou?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho ele aqui em casa, mas ainda não vi não. Mas não se preocupe, assim que eu assistir eu posto a crítica aqui!

      Excluir