Crítica: O Massacre da Serra Elétrica 4 - O Retorno (1994)


Só tenho uma palavra que pode definir esse quarto filme da franquia: ofensivo. Não é a toa que muitos desconheçam a existência desse filme, apesar de ter basicamente lançado duas grandes estrelas atuais de Hollywood: Matthew McConaughey (que ganhou o Oscar de melhor ator em 2014) e Renee Zellweger (que ganhou o Oscar de atriz coadjuvante em 2004). É até estranho parar pra pensar que dois grandes nomes do cinema hoje fez um filme tão ruim. Começo de carreira topa tudo, certo?

Como já comentei em algumas críticas de filmes da mesma época, os anos 90 foi uma década meio difícil pelo terror. Nos cinemas só se viam continuações já desgastadas de grandes franquias como A Hora do Pesadelo, Sexta-Feira 13, Halloween, Hellraiser, etc. O último filme lançado da franquia em questão tinha sido o fracasso O Massacre da Serra Elétrica 3, lançado em 1990.


Desde então, os produtores tentavam se manter à par das outras franquias, procurando ideias desesperadamente pra lançar um filme novo. Foi daí que saiu The Return of the Texas Chainsaw Massacre, lançado primeiramente em 1994. No entanto, o filme foi tirado de circuito e veio a ser relançado oficialmente em 1997, sob o título Texas Chainsaw Massacre: The Next Generation. A curiosidade que poucos sabiam é que, essa segunda versão é tipo uma "Versão Com Cortes"; o filme veio com 9 minutos a menos. E só foi relançado por que o par de atores principais já tinham ganhado fama em Hollywood.

Sem dúvidas, a história desse filme é a segunda mais diferente da franquia - depois de O Massacre da Serra Elétrica 2. Até por que, o início do filme simplesmente não parece um filme do Leatherface - com jovens em um baile de formatura, numa cidade e tal. Se eu não já tivesse visto o Cara-de-Couro em cima de um carro com uma serra elétrica, no meio da cidade, eu teria estranhado mais.

É nesse início que conhecemos os personagens completamente esquecíveis do filme: a protagonista Jenny (Zellweger) e sua amiga Heather, que procura pelo namorado, Barry, e o acha transando com outra garota. Furiosa, Heather sai dirigindo o carro, com Barry, Jenny e o namorado Sean. Por conta das discussões, eles acabam batendo, após quase atingir outro carro, em que o motorista desmaia.

Nesse momento, tem a clássica separação dos grupos, onde Sean sai procurando pelo motorista e os outros vão procurar por ajuda. É quando Matthew McConaughey aparece, no papel de Vilmer, um caipira com uma perna robótica. Ao chegar e se encontrar com Sean e o motorista desacordado, Vilmer quebra o pescoço do motorista e sai perseguindo Sean com a pickup até atropelá-lo.

Shazam!
Enquanto isso, Jenny e seus amigos encontram a infame casa da família Sawyer, onde procura ajuda. Nessa sequência, podemos ver algumas referências ao filme original, como Leatherface matando Barry com uma marreta e pegando Heather e a colocando num ganho, assim como - e Pam no filme de 74. Após isso, vemos apenas algumas perseguições - umas boas, como a do telhado, outras nem tanto - até chegarmos no confuso final, que não vou falar muito.

Desde o início da dita "tensão e horror" que o diretor queria resgatar do original, vemos que a viagem vai ser longa - e não prazerosa. O roteiro fraco nos entrega os piores personagens da franquia, uma espécie de estereótipos do filme original - e com diálogos incrivelmente estúpidos. Algumas cenas de perseguições são bem idiotas, e grande parte delas são feitas por Vilmer, como a que ele corre atrás de Sean ou de Jenny com o carro.

No final das contas, eu fiquei surpreso pela ruindade desse filme. É uma bagunça total, tenta trazer novos elementos à história de Leatherface e fazer algumas referências ao clássico de 74, mas deixa o espectador apenas mais confuso. O roteiro não tenta nem dar uma sensação maior de clareza. Tudo desencamba para um final desastroso, cheio de furos e teorias sem sentindo.

A cada 10 minutos, a história introduz novos elementos, sem pé nem cabeça, que deixa tudo desorndenado e mal feito. Nos presenteando com um arco de máfia e um Leatherface drag queen, esse filme é completamente desnecessário, cômico, ofensivo e ruim, mas ruim mesmo. Não é à toa que a franquia chegou ao fundo do poço depois desse filme e só veio se reinventar após o remake, em 2003. Assistir esse filme, pra quem não é pelo menos um grande fã da franquia, é perda de tempo. Então, se você acha que Massacre 3D foi ruim, é por que não viu esse.

Ah, e com essa crítica, completamos os 7 filmes da franquia! Para ver as outras, clique aqui.

Título Original: The Texas Chainsaw Massacre - The Next Generation
Ano: 1994
Duração: 87 minutos
Direção: Kim Henkel
Roteiro: Kim Henkel
Elenco: Renée Zellweger, Matthew McConaughey, Robert Jacks, Tonie Perensky, Joe Stevens