Crítica: Por Trás da Máscara - O Surgimento de Leslie Vernon (2006) - Sessão do Medo

10 de janeiro de 2016

Crítica: Por Trás da Máscara - O Surgimento de Leslie Vernon (2006)

Como desconstruir um slasher.

Imagine-se há alguns anos. Você vai na locadora basicamente de dois em dois dias e sempre vê certo filme no canto da prateleira, mas nunca presta atenção nele o suficiente para alugá-lo. Daí anos depois você vê ele e pensa "poderia ter alugado ele invés daquele filme ruim". É o caso dessa produção de 2006 que passou despercebida por muitos - e na verdade até hoje me pergunto como foi que ela foi lançada no Brasil, já que não é do feitio.

Então, Behind the Mask: The Rise of Leslie Vernon foi uma produção independente dirigida por Scott Glosserman (que só dirigiu mais dois filmes depois) que tinha como foco homenagear e desconstruir o gênero do slasher, como Pânico e O Segredo da Cabana fez com seus gêneros. Uma certa curiosidade que poucos sabem é que o filme foi filmado em 2004. Até percebi que a filmagem estava parecendo antiga demais para 2006, mas pensei que teria sido por conta do orçamento curto.


Continuando, a história cheia de metalinguagem do filme se passa em um universo em que ícones como Freddy Krueger, Jason Vorhees e Michael Myers existem. Com isso, uma equipe de estudantes liderada por Taylor (Angela Goethals) procura fazer um documentário sobre Leslie Vernon: uma lenda local da pacata cidade de Glen Echo. De alguma forma, os estudantes conhecem o tal vilão, que está planejando um massacre para poder se consolidar entre os grandes nomes.

Com isso, eles vão acompanhando o dia a dia de Leslie Vernon (Nathan Baesel), conhecendo suas táticas e alguns amigos dele (como um ex-assassino aposentado interpretado por Scott Wilson). Enquanto o dia do massacre se aproxima, fica difícil para Taylor conciliar o certo do errado, mesmo que Leslie a explique que ela e a equipe podem ir embora, mas não estraguem a noite dele.

A primeira metade do filme é bem lenta e chega a ser irritante. É apenas adolescentes conversando com pessoas. O filme só esquenta mesmo a partir do momento em que Leslie começa a planejar pra valer o massacre. É só depois de mais de 20 minutos que finalmente se entende qual é a pegada do filme, de um jeito bem interessante.


O roteiro é inteligente, mostrando por exemplo, Leslie preparando a casa onde o massacre vai acontecer e mostrando todo o seu plano para os jovens que o acompanham. É nessa cena em que o filme chama a sua atenção. Leslie vai mostrando todo os cômodos da casa, enquanto fala o que ele vai fazer com cada um dos jovens. Ah, e os clichês dos filmes? São completamente desconstruídos e explicados!

Deixando todo o filme mais interessante, o diretor fez questão de chamar alguns nomes conhecidos para participar do filme: Robert Englund (o Freddy Krueger), Zelda Rubinstein (a medium Tangina de Poltergeist) e até Kane Hodder (que fez Jason em alguns filmes) aparecem na produção.

O primeiro maior problema de Por Trás da Máscara é que ele demora a decolar, enrola demais no começo. No entanto, posso garantir que apesar do orçamento baixo e efeitos maltrapilhos, o final é bem empolgante. Tem uma reviravolta que eu já tinha avistado antes de acontecer, mas o desfecho cheio de perseguições e algumas mortes (nada tão violento, mas bem ordenado) deixa o filme acima da média.

O segundo maior problema é que ele tenta ser mais inteligente do que é. Sabe toda aquela metalinguagem que Pânico e O Segredo da Cabana tem? Bom, o roteiro tenta seguir o mesmo esquema, só é como se ele tivesse um ego grande demais. Dá uma de esperto e acha que metalinguagem pode resolver alguns defeitos da história.

No geral, eu recomendo sim o filme, pois é uma ótima homenagem aos filmes de terror. Mas vejam que ele é tipo como um complemento e não como uma aula (que é o que o filme tenta ser).
por Neto Ribeiro

Título Original: Behind the Mask - The Rise of Leslie Vernon
Ano: 2006
Duração: 92 minutos
Direção: Scott Glosserman
Roteiro: Scott Glosserman
Elenco: Nathan Baesel, Robert Englund, Angela Goethals, Kate Lang Johnson, Scott Wilson, Zelda Rubinstein

Nenhum comentário:

Postar um comentário