Crítica: Exorcismo - A Execução (2006) - Sessão do Medo

10 de fevereiro de 2016

Crítica: Exorcismo - A Execução (2006)


Vamos falar de filme ruim, porque filme ruim também faz parte. Quem costumava alugar fitas ou DVDs na locadora, certamente lembra como era a sensação de julgar o trabalho da capa, sabendo o mínimo possível, muito antes da internet entregar tudo de bandeja, com trailers, resenhas, comentários em fóruns, grupos, entre outros.

Até 2006 eu não costumava acessar muito a internet, alugava filmes na locadora às cegas, apenas olhando as capas. Isso por um lado é bom, saber o mínimo possível, sem ver trailer ou ler opiniões a respeito. Isso é bom para se surpreender, já que hoje em dia os trailers entregam demais e os fóruns costumam conter spoilers. Por outro lado, ver às cegas confiando só na capa é quase sempre garantia de decepção, pois grande parte das produções ruins usam uma boa arte pra atrair público. Uma dessas produções é um lixo monumental chamado Blackwater Valley Exorcism, ou, Exorcismo - A Execução como é chamado no Brasil. O longa-metragem foi lançado em território brasileiro pela antiga distribuidora Alpha Filmes, conhecida por distribuir obras ruins em sua maioria.



Quem comanda a direção dessa bagaça é o diretor Ethan Wiley, quem dirigiu a divertidíssima pérola trash A Casa do Espanto 2 e o também divertido Colheita Maldita 5 - Campos do Terror (divertido não é bom). O que temos aqui é o pior filme - sem exagero - de exorcismo da história. Faz Seytan, aquele rip-off turco tosco do clássico O Exorcista, parecer uma obra-prima do cinema.

O longa-metragem começa errado pela produção, durante todo o tempo parecia que eu estava vendo um filme pornográfico. A fotografia, o jeito de filmar, o cenário, parecia tudo com uma produção adulta. O que esperar de um filme de terror com aparência e clima pornográfico?

Enfim, o filme se passa em um rancho, onde Isabelle, a filha mais nova de uma família começa a agir de maneira estranha sem explicação. Uma noite ela some de casa e aparece no outro dia, nas proximidades do tal rancho, coberta de sangue depois de matar e comer um coelho. Logo após tal incidente ela começa a agir de forma violenta, cortando-se e falando outras línguas. Bem criativo, não?

"Tá afim de transformar esse lixo em um pornô?"

Sem nem ao menos levar a filha a um psicólogo, eles decidem chamar o padre Jacob da paróquia local pra tirar o tinhoso do couro de Isabelle. O tal padre Jacob é interpretado por ninguém menos que Jeffrey Combs, em um dos piores momentos da sua carreira. Antes de eles chamarem o padre, a obra já mostra o grande talento do roteirista em escrever diálogos:

"Ela não precisa de um médico, ela precisa de um Padre!" - Diz o Pai da garota
"Eu sabia, ela está possuída" - Responde a Mãe

 TCHAN!!!
Vale destacar que a produção se autointitula um filme baseado em fatos reais. Pura jogada de marketing, já que é um acúmulo de clichês e cenas exageradas, difíceis de serem levadas a sério. Algumas dessas cenas são tão ruins que chegam a ser risíveis, mas não de um jeito divertido, e sim de um jeito constrangedor. Como exemplo, a parte em que o padre vai exorcizar a garota e leva um tapa na capa com o rosto sendo virado pra câmera, no estilo Jack Sparrow em Piratas do Caribe.

É bom deixar claro: o filme não é uma comédia, muito menos possui a pretensão em ser um filme engraçado. Ele acaba sendo assim por desleixe da produção. Outro aspecto que chega a ser risível são os efeitos. A névoa falsa feita com fumaça de algum motor, caracterização feita as pressas. A maquiagem de possessão chega a causar o efeito contrário, uma vez que tinha que ser assustadora, chega a ser engraçada de tão tosca e mal feita.

Se já estava ruim no começo, fica ainda pior com uma grande reviravolta no roteiro. Lembra-se do estilo pornográfico? Então, depois da tal reviravolta, tinha quase certeza de que viraria uma paródia pornográfica de O Exorcista, mas nem isso aconteceu, foi apenas uma virada ruim em um longa-metragem ruim. Teria sido bem melhor se tivessem jogado tudo pelos ares e transformassem isso em um adulto divertido.

Disse e digo de novo, O Exorcismo A Execução é o pior filme de exorcismo já feito e uma das piores produções de terror que eu já assisti na vida. Tudo é ruim, desde a produção aos atores,- com exceção do Jeffrey Combs -, direção e roteiro. Uma verdadeira aula de como não se fazer um trabalho cinematográfico.

Por Marcelo Alves


Um comentário:

  1. Realmente esse filme e uma verdadeira merda sem sentindo nenhum!atores pessimos,roteiro lixo,sem falar nos efeitos!e realmente parece iniciaçao de filme porno,so faltou os nuds e o sexo !

    ResponderExcluir