Crítica: O Último Tubarão (1981) - Sessão do Medo

7 de março de 2016

Crítica: O Último Tubarão (1981)


Olá, aqui estou eu falando de um filme sobre um tubarão enorme que começa a atacar banhistas e mergulhadores, assim, ameaçando a cidade que durante as férias de verão, investe no turismo por causa de suas belas praias. Parece, mas não estamos falando de 'Tubarão' do grande mestre Steven Spielberg, e nem de suas sequências, esse filme é outra coisa. Vale mencionar que seria impossível fazer uma critica sem comparar alguns pontos com o filme de 1975.

Lembro de quando eu era criança, era um 'rato de locadora', ia para ela todos os dias só para ler as sinopses atrás das capas de VHS, e toda a vez eu lia a sinopse desse filme, ele era muito raro, só tinha uma cópia em uma locadora em meios a outras dezenas que eu frequentava e estava com o título 'Jaws 4'. Eu vi esse filme primeiro que o péssimo 'Tubarão A Vingança' e o 'Tubarão 2' que sempre tive a curiosidade de ver, mas nunca tive a oportunidade. Esse filme se tornou um dos meus favoritos junto com o 'Tubarão 3-D' e o original. 

Então, de onde veio esse troço? Vocês devem estar se perguntando. Bem, ele veio da Itália, foi Vincenzo Mannino, Marc Princi, Ugo Tucci e Ramón Bravo que aparentemente, escreviam o roteiro enquanto assistiam a obra Estadunidense de Spielberg e a sua primeira sequência, o "Tubarão 2" lançado em 1978. 

Podemos dizer que esses roteiristas, junto com o diretor Enzo G. Castellari, decidiram fazer a versão Europeia do monstro aquático comedor de gente. E porque não? Essa ideia de pegar um filme e adaptar em outro país é comum. Eu poderia citar o "Freddy Krueger" que tem a sua versão indiana chamado "Mahaakal", ou até mesmo o filme espanhol "Rec" que foi refeito nos Estados Unidos e lançado como "Quarentena". E voltando ao "O Último Tubarão", o resultado final não ficou parecido com o "Jaws" e "Jaws 2" juntos, é claro, nós podemos perceber a inspiração, mas não acho que isso atrapalhou a ideia. Pelo contrário, por se tratar de uma tentativa de repetir  sucesso de "Tubarão", o filme acaba divertindo. 

O filme começa com um rapaz praticando windsurf na praia de South Bay, em meio as manobras e descontração, a sua prancha é atacada, primeiro, uma parte dela havia sido arrancada a dentadas, depois, o rapaz é arremessado com prancha e tudo para o alto, logo em seguida, o homem é puxado para baixo da água com violência. Vale ressaltar que tudo isso acontece sem que nós vejamos a criatura, daí nós podemos dizer que esse tubarão tem uma força descomunal.

Depois nós somos apresentados ao Peter Benton, interpretado por James Franciscus que participou de filmes como "Atração Fatal" de 1985 dirigido por Don Taylor  de "O Peixe Assassino" de 1979 dirigido pelo falecido Antonio Margheriti (1930 - 2002). Peter é um escritor especialista em tubarões que está ocupado planejando o seu mais novo livro, nessa cena temos uma pequena referência ao primeiro tubarão, no comodo em que Peter estava existe uma foto dele com outro pescador exibindo um enorme tubarão tigre, da mesmo forma em que estava um tubarão tigre que fora capturado no filme original de 1975. Também conhecemos a filha de Peter, Jenny, que fala sobre o desaparecimento do jovem na praia. Todos começam a fazer buscas por ele sem saber do que está por vir.

Nessa história, também tem espaço para o personagem Quin... Quer dizer, para Ron Hammer (Interpretado por Vic Morrow de "Criaturas das Profundezas" de 1980) que é praticamente a versão europeia do caçador Quint do filme 'Tubarão' de 1975. Qualquer semelhança, é mera coincidência, ou não. Bem, é ele que acha o que sobrou da prancha do esportista que levou farelo no começo do filme, e ele é um dos primeiros a entender que existe um tubarão que resolveu se instalar na região.

Existe uma parte em que um barco é rebocado e dentro dele só está um braço de uma vítima atacada e off pelo tubarão. E sabendo do perigo que vem do mar, Peter e Ron vão falar com o prefeito da cidade,William Wells , para fechar as praias e tomar as devidas providências, só que ele não aceita uma vez que a cidade está prestes a comemorar o seu centenário e isso inclui, turistas e competições, arrecadando fundos para o desenvolvimento de South Bay.

Acho que você já viram um prefeito fanfarrão desse tipo no "Tubarão", era o Murray Hamilton, aquele cara insuportável que insiste em não assinar a petição para fechar as praias de Amity mesmo depois de ter presenciado um ataque do animal. Contudo, o Wells não é um bunda mole como o Hamilton, a priore, ele manda colocar uma rede protetora envolta da praia, é melhor do que nada. Depois ele faz outra coisa que mencionarei mais para frente.

No dia de uma competição de Windsurf, todos estavam na praia, os competidores se preparando e os banhistas aproveitando o lindo dia de sol que fazia. Mal sabiam eles que o tubarão havia feito um buraco na rede de proteção no dia anterior, uma das boias da rede ficara presa na cauda do animal, então nós vemos a boia correndo pela água da mesma forma em que víamos os barris quando presos no tubarão do filme original. A competição começa e junto com ela, vem o ataque do tubarão. Nessa parte, o filme tinha tudo para dar um dos melhores ataques desde o filme original, porém, a ideia é mau aproveitada, o que é uma pena.

O tubarão (ou 'a boia', se preferir), se limita a derrubar os competidores de windsurf das pranchas, e nada mais, poderia haver um banho de sangue, um coisa bizarra nessa cena, pois existiam várias formas de aproveitar aquela situação, mas o roteiro se limita a saída mais fácil, o tubarão, depois de derrubar todos das pranchas, ataca um pequeno barco. O objeto simplesmente voa no ar com o homem após uma pancada do tubarão, foi do mesmo jeito que o rapaz no começo do filme. O monstro, antes de pegar a sua vítima, emerge a sua enorme cabeça da água mostrando para todos o seu gigantesco tamanho. Aqui nós vemos um tubarão realmente falso, mas que dá para engolir, lembra um pouco o tubarão do original, só que menos detalhado e mais artificial.


Falando no tubarão, o diretor não quis poupar aparições do bicho no filme, ele aparece muito do começo ao fim. As cenas com o monstro foram tiradas de vídeos e documentários sobre tubarões, o erro disso é que foram tiram tiradas cenas de tubarões de várias espécies e tamanhos diferentes, então nenhuma cena de tubarão de verdade mostrada no filme, lembra o mecânico que foi produzido por Antonio Corridori, que só aparece para mostrar a sua cabeça para fora da água. O longa também conta com um tubarão de brinquedo que é usado para mostrar o monstro de corpo inteiro dentro do mar como nas partes em que o animal bate num barco fazendo Jenny cair na água, na parte em que o bicho puxa um helicóptero para dentro da água e até mesmo na parte em que o animal morre.

E o que dizer sobre a cena do helicóptero? Essa é uma das cenas mais legais do filme (perdendo apenas para o final, na minha opinião), o prefeito da cidade, Wells, ficou abalado com o que aconteceu na praia durante a competição de winsurf e decidi agir por conta própria, ele vai de helicóptero até o mar para acabar com o vilão marinho. Obviamente, a caçada não dá certo e resultado é a morte do prefeito Wells e do piloto do helicóptero. Esse prefeito, ao menos se arrependeu e tentou fazer algo para reparar o seu erro de não ter fechado as praias quando fora alertado pelo Peter e o Ron. 

O tubarão também parece ser um pouco inteligente, ele tenta trancar Peter e Ron dentro de um túnel submerso, arrasta um grupo de pessoas para longe do cais, puxa um cabo que estava enrolado em Ron para matá-lo afogado, entre outras coisas. Agora, não acho tão absurdo... Animais grandes precisam desenvolver a sua forma de caçar, pois, por serem enormes, podem ser percebidos facilmente fazendo com que as criaturas ao redor fujam. Na ideia de um tubarão de uns 10 metros de comprimento, essa teoria é válida, apesar de um pouco exagerada.

Outro ponto interessante está na parte em que Jenny, junto com dois amigos, resolvem caçar a criatura por conta própria, durante a tentativa, nós vemos o tubarão (provavelmente tirado de algum documentário) mastigar ferozmente a carne, e também nós vemos um acidente onde Jenny acaba caindo na água e perdendo a sua perna para o animal. Achei legal pois, particularmente, ainda não tinha visto um filme onde o tubarão arranca o membro de uma vítima e ela continuava viva, enfim, em um momento parece que o tubarão está usando a perna dela como palito de dentes.

O final do filme fica por conta de um grupo de seis pessoas que ficam a deriva num pedaço de cais que foi arrancado pelo tubarão e levado para longe do litoral pelo animal. Eu mencionei antes que o final era uma das minhas partes favoritas no filme, isso se deve justamente por essa parte, aos poucos, o grupo vai diminuindo de tamanho por conta dos ataques do tubarão, e as mortes são bem legais diga-se de passagem, a forma de como o câmera man é puxado para fora da água pelos companheiros que tentavam salvá-lo, e a morte de homem com o chapéu de cowboy, não mostram muito, mas valem a pena.

Enquanto isso, Peter está andando de barco, Ron havia sido levado para as profundezas do mar pelo animal intencionalmente, como disse, é um tubarão inteligente. Peter encontra o grupo a deriva e vai resgatá-los, porém, o tubarão puxa o que restou do cais para longe com apenas o homem nele (os outros sobreviventes já estavam no barco). Ninguém vai atrás do Peter, sem escolha, ele enfrenta o tubarão sozinho. Acho que não tiveram criatividade o suficiente para matar o vilão, então o jeito parece que foi improvisar. Deu certo, mas pode haver uma certa decepção para as pessoas que esperavam uma ação tal qual foi o final de 'Tubarão' por que, mesmo com o pouco tempo e o baixo orçamento que a produção tinha, fica o sentimento de que poderia ter sido feito algo melhor, menos dramático e mais sangrento. Contudo, me dou por satisfeito, afinal, não mostra nada absurdo a ponto de você desligar a TV. Ver o tubarão com a cabeça de fora e comendo aos poucos o Ron, foi hilário, tubarões não comem daquele jeito, mas é um filme de 1981 e o boneco já era visivelmente artificial, então a gente releva esses erros técnicos e deixa a coisa rolar.



Um ponto que merece um destaque é a trilha sonora, ela não chega a ser melhor que a do Tubarão, mas é muito boa, quando o animal está prestes a atacar, ela vem a tona, possui um tom sombrio e é bem articulada no filme, fez a película ter esse diferencial. Acredito que a produção se inspirou na canção do filme original para criar esse, não ficaram parecidas, pelo menos isso,  e caracterizou o filme.

Sobre 'O Último Tubarão', acho que muitos podem considerá-lo um filme mais fiel ao original que as próprias sequências oficiais, isso se deve as 'inspirações' feita pela produção do filme com relação a grande obra de Steven Spielberg. Então, sim, vale uma conferida, e para se ter um bom proveito durante a sessão, seria bom ver esse filme tendo em mente que ele é só uma diversão passageira e que não vai agregar nada, mas vai entreter, no meu caso, é o sentimento nostálgico que ele me dá, e por isso, a minha nota para ele é: 6,0.

'O Último Tubarão' causou problemas judiciais, a semelhança com o filme 'Tubarão', não foi passada despercebida, principalmente quando ele chegou aos Estados Unidos. Esse processo gerou polêmica e, consequentemente, deu fama ao filme. A distribuidora dos Estados Unidos ganhou a permissão para divulgar o filme, mas foi obrigado a mudar de título já que 'The Last Shark' dava a entender que o filme se tratava de um episódio final da franquia 'Tubarão', o que não era verdade. Por isso, o filme recebeu o nome de "Great White", na tradução "Grande Branco", referência ao tubarão branco. Contudo, a Universal Pictures, entrou com um processo por plágio contra o filme, e ganhou a causa. O filme foi tirado dos cinemas e foi proibido a sua comercialização em solo americano.

Abaixo vocês podem ver como o filme foi lançado em algumas regiões do Brasil. Ela diz que o filme
se chama "Tubarão 4", dando a entender que ele é uma sequência da franquia iniciada por Spielberg, essa capa foi feita pela distribuidora 'DIV'. A Poletel foi outra distribuidora que que lançou o filme como "O Último Tubarão". Até que não seria uma má ideia, esse filme é muito melhor se for comparado com a verdadeira quarta parte da franquia chamada de "Tubarão A Vingança" e funciona muito bem como uma sequência. Falo isso, também pelo sentimento nostálgico que tenho por esse filme, ele marcou a minha infância, e sempre o considerei como uma parte da franquia do 'Tubarão', mesmo sabendo que não era. Mas, aos olhos de um crítico, posso dizer que o único tubarão que deveria existir, é o original que  mesmo com toda a tecnologia que o mundo contemporâneo possui, permanece insuperável. 

Aqui eu trouxe algumas curiosidades a respeito desse filme:

  • O nome do protagonista Peter Benton é uma homenagem a ninguém menos que o autor do livro "Tubarão" que originou o filme de 1975, Peter Benchley.

  • A atriz que interpreta a Jenny, é Stefania Girolami Goodwin que é a filha do diretor do filme,  Enzo G. Castellari.

  • Na Espanha o filme foi lançado como 'Tubarão 3", no Japão, ele foi lançado como 'Tubarão O Retorno'. E a confusão com os filmes fez com que a verdadeira sequência de 'Tubarão' se chamasse "Tubarão: A Vingança". 

  •  O 'Último Tubarão' fez mais sucesso que a sequência original do filme se Spielberg, o 'Tubarão 2'. 

  • O filme foi praticamente recortado e colado em outro filme chamado "Tubarão Cruel", mas lançado no Brasil como "Tubarão 5", apenas editando as cenas com os seus atores.



Direção: Enzo G. Castellari.
Roteiro: Vincenzo Mannino, Marc Princi, Ugo Tucci, Ramón Bravo.
Produção: Maurizio Amati, Ugo Tucci.
Elenco: James Franciscus, Vic Morrow, Micaela Pignatelli, Joshua Sinclair, Giancarlo Prete, Stefania Girolami Goodwin, Gian Marco Lari, Chuck Kaufman, Gail Moore, Joyce Lee, Don Devendorf, Bill Eudaly, Bill Starks.
Original: L'Ultimo Squalo.
Ano: 1981.
País: Itália.

Por: Michael Kaleel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário