Crítica: Pânico na Floresta (2003) - Sessão do Medo

24 de abril de 2016

Crítica: Pânico na Floresta (2003)


Amado até hoje, esse precursor de uma das franquias mais cansativas do gênero traz o que tem melhor de slasher na floresta. Wrong Turn (Curva errada, na tradução literal) foi feito no comecinho da década, dando uma variada no subgênero que estava infestado de "adolescentes sendo perseguidos por um assassino mascarado", desde que Pânico estorou em 1996. Trazendo de volta um pouco do clima oitentista, o filme foi lançado direto nos cinemas brasileiros pela PlayArte, mas como de costume, a distribuidora cortou o filme para conseguir uma classificação mais baixa (de 18 anos foi para 14 anos). Foi só quando saiu que PlayArte lançou a versão original do filme numa espécie de "Edição Especial Sem Cortes". Lembro que quase toda locadora de respeito tinha que ter uma cópia dele, rs. Aliás, foi assim que o vi pela primeira vez.

Todo o dinamismo da história lembra os primeiros Sexta-Feira 13, tirando os acampamentos e trocando Jason por um trio de irmãos caipiras deformados e canibais, além da carnificina que lembra O Massacre da Serra Elétrica e um pouco do Quadrilha de Sádicos com Amargo Pesadelo (mencionado no filme, inclusive). O protagonista é Chris (Desmond Harrington), um estudante de medicina que está a caminho de uma reunião importante, mas um acidente na estrada faz com que ele mude de rota.


No meio do caminho, ele bate num carro parado na estrada. Lá estão Jessie (Elisa Dushku), Carly (Emmanuelle Chriqui) e seu noivo Scott (Jeremy Sisto), e o jovem casal Francine (Lindy Booth) e Evan (Kevin Zegers). O carro deles havia quebrado na estrada por conta de um arame farpado colocado propositalmente para causar acidentes. Sem sinal e longe de qualquer civilização próxima, o grupo logo procura ajuda, se dividindo. Enquanto os quatro primeiros vão, Francine e Evan ficam no carro.

Não demora muito e os dois são assassinados, claro. Quanto aos outros, eles acabam achando uma cabana no meio da floresta, rodeada por um grande campo cheio de carros abandonados. Ao entrarem na cabana atrás de algum telefone, eles acabam achando pedaços de corpos. No entanto, antes que possam fugir, os moradores chegam: três irmãos deformados e canibais, que trazem consigo o corpo mutilado de Francine. Ao tentarem escapar, eles são perseguidos pelos caras e o filme se desenrola a partir daí.

O mais interessante de se ver em Pânico na Floresta é que ele quase não traz nada de novo. Há muitos clichês e a história é bastante previsível. Ainda assim, ele consegue manobrar tudo com ótimas performances e agilidade do roteiro, além das mortes caprichadas. Destaque para a decapitação criativa na árvore, aquela cena sempre me marcou desde a primeira vez que vi o filme, lá em 2006.


O trio de vilões não se compararão nunca com os que viriam nas 5 sequências seguintes, apesar de que no papel, são os mesmos. Claro, que a maquiagem/ator mudaram e é bastante perceptível. O que mais chama atenção, o famigerado Three Finger (da foto acima) é sem dúvidas o mais grotesco do filme, além de parecer com um rato queimado, tem uma risada horrível. Nos filmes seguintes, o ator Julian Richings não retornou nos outros filmes e foi substituído por outro, o que tornou o personagem sem o mínimo de personalidade.

Apesar do sucesso moderado na bilheteria e uma recepção morna da crítica especializada, a primeira sequência fatídica foi produzida 4 anos depois. Lançada diretamente em DVD, Floresta do Mal é um filme meio bagaceiro mas bem divertido. Não preciso nem mencionar a confusão que houve com os títulos do filme aqui no Brasil, onde um filme desconhecido foi lançado pela PlayArte como sequência desse aqui. Quando a sequência oficial foi lançada, a distribuidora perdeu os direitos autorais. Pode isso?

Depois dele, foi só ladeira abaixo. Pânico na Floresta 3 (2009), Pânico na Neve (2011), Pânico na Floresta 5 (2012) e Pânico na Floresta 6 (2014) foram um pior que o outro. Por enquanto, não há notícia se um sétimo filme será lançado, mas visto que a franquia vende muitos DVDs lá fora, não está fora de cogitação.
por Neto Ribeiro

Título Original: Wrong Turn
Ano: 2003
Duração: 84 minutos
Direção: Rob Schmidt
Roteiro: Alan B. McElroy
Elenco: Elisha Dushku, Desmond Harrington, Emmanuelle Chriqui, Lindy Booth, Jeremy Sisto, Kevin Zegers

Um comentário:

  1. amo esse filme, um dos meus preferidos, pena q hj em dia e dificil achar um slasher tão bom quanto este

    ResponderExcluir