Crítica: Psicose 2 (1983) - Sessão do Medo

21 de abril de 2016

Crítica: Psicose 2 (1983)


Quase 30 anos após a publicação original, o escritor Robert Bloch, responsável pelo livro que deu origem a Psicose (1960) resolveu escrever um continuação para sua história. Tal livro, intitulado Psycho II é uma verdadeira bagunça, simplesmente por que Bloch quis satirizar os filmes slasher de Hollywood. Na história, Norman foge do hospício após matar uma freira e se vestir como ela. Em Los Angeles, um filme está sendo feito sobre a vida de Norman e o médico dele vai até lá, com medo de ele estar indo impedir a produção, matando todo mundo. 

Os produtores da Universal então decidiram fazer uma própria sequência, sem nada se basear no livro caricato. Psicose II foi então concebido como um filme para televisão, mas foi lançado nos cinemas ao invés. O filme foi um sucesso mas dividiu as opiniões da crítica. Até hoje, também o público é meio dividido em relação ao longa, mas a maioria concorda que é uma boa sequência sem manchar o original.

Tem Freddie Highmore aqui não.
O mais legal de Psicose II é como ele pega todo aquele clima de suspense do filme de Hitchcock e adapta às características de terror dos anos 80. Até por que, seria improvável que os produtores fizessem um filme naquela época com "técnicas" de 20 anos atrás. Eles queriam chamar a atenção do público daquela década. E isso não é ruim. O resultado é um filme com um bom suspense e mortes violentas como bônus, sendo que dessa vez, vemos o sangue com sua coloração real, rs.

Escrito por ninguém mais ninguém menos que Tom Holland (diretor do primeiro Brinquedo Assassino, 1988, e A Hora do Espanto, 1985), essa continuação do clássico já começa com a famosa cena do chuveiro. Após ela, vemos a câmera focar na grande casa dos Bates, enquanto o tom preto e branco ganha cores.

Na história oficial de Psicose II, Norman (Anthony Perkins, ainda em boa forma) é declarado inocente por "loucura", passando 20 anos trancado no hospício. Ele é então liberado, com a ajudar do Dr. Raymond (Robert Loggia), que promete ajudá-lo e supervisioná-lo em sua vida fora do instituto. Claro que muitas pessoas não ficam lá felizes com isso e uma delas é Lila Loomis, de volta aqui interpretada de novo por Vera Miles. Lila é a irmã de Marion, a vítima do chuveiro do primeiro filme, e ela junto com seu já falecido marido Sam, ajudaram a prender Norman.

Mother?
Como parte da reabilitação, Norman arranja um emprego na lanchonete local, comandada pela Sra. Spool (Claudia Bryar). Lá, ele conhece a jovem Mary Samuels (Meg Tilly, irmã da Jennifer), que após brigar com o namorado, começa a viver na casa de Norman, que procura a ajudar. Interessante comentar que o papel de Mary foi oferecido à Jamie Lee Curtis, filha de Janet Leigh. Tudo parece estar indo normal, só que Norman começa a receber bilhetes e telefonemas da mãe. Ao mesmo tempo, assassinatos vem acontecendo, mas que aparentemente não foram culpa de Norman.

A grande cereja no bolo de Psicose II é esse novo mistério. Aliás, que graça teria se já soubéssemos que Norman estaria matando geral? Tal ideia foi explorada em Psicose III, mas comento sobre isso depois. O filme consegue prender a nossa atenção justamente nesse dilema. Estaria Norman enlouquecendo de novo? Ou há uma pessoa se passando pela mãe dele e matando as pessoas? Se sim, quem será essa pessoa e por que está fazendo isso?

Sem deixar a bola cair, posso afirmar que essa é uma das poucas sequências que conseguem ser tão boas quanto o original. Claro, que numa forma geral, são filmes diferentes e dá para perceber isso ao assistir.

Depois desse filme, a franquia ganhou mais duas sequências - Psicose III, dirigido pelo próprio Anthony Perkins em 1986 e Psicose 4, filme feito para televisão em 1990 que tenta mostrar a relação entre Norman e sua mãe quando a mesma era viva. Em 1998, o filme original recebeu um remake estrelado por Julianne Moore, Anne Heche e Vince Vaughn no papel de Norman. A franquia estava descansando em paz até 2013, quando Bates Motel estreou.
por Neto Ribeiro

Título Original: Psycho II
Ano: 1986
Duração: 113 minutos
Direção: Richard Franklin
Roteiro: Tom Holland
Elenco: Anthony Perkins, Vera Miles, Meg Tilly, Robert Loggia, Claudia Bryar

Um comentário:

  1. Realmente, Psicose 2 é um filmão... pena que as sequencias posteriores não mantiveram o nível...

    ResponderExcluir