Crítica: The House on Sorority Row (1983) - Sessão do Medo

6 de setembro de 2016

Crítica: The House on Sorority Row (1983)


Vindo diretamente da safra de slashers oitentistas que seguiram o sucesso de Sexta-Feira 13 (1980), temos aqui The House on Sorority Row, um filme pouco conhecido e esquecido pelo tempo, que só chegou ao meu conhecimento devido ao remake de 2009, Pacto Secreto. Foi um dos poucos filmes daquela época que nem chegou a ser lançado em VHS no Brasil e permanece inédito até hoje. É, de antemão, um típico slasher daquela época seguindo a mesma fórmula: Algum acontecimento trágico desencadeia a vingança de um assassino que ninguém sabe quem é.

No filme aqui, as vítimas são 7 garotas formandas de uma irmandade. Elas planejam dar uma grande festa de formatura na casa, mas a governanta da casa, a Sra. Slater (Lois Kelso Hunt) proíbe a ideia. Vicky (Eileen Davidson) então decide pregar uma brincadeira na governanta. No entanto, a brincadeira dá terrivelmente errado quando a Sra. Slater acaba morrendo. Com a festa a horas de começar e assustadas com a consequência do assassinato, as meninas decidem esconder o corpo na piscina, que há muito tempo não era limpa, portanto não daria para ver devido a sujeira.

A festa começa, há muita agitação na casa e muita desconfiança entre as garotas, com medo do crime ser descoberto. Mas elas não esperavam que alguém começasse a assassiná-las uma a uma. À medida que a noite passa, elas tentam dar um fim no corpo da Sra. Slater, mas a pilha de cadáveres apenas aumenta.


Mesmo que seja clichê, de forma geral, The House on Sorority Row serve principalmente para matar a nostalgia de um subgênero não muito presente no cinema atual. Para quem ama slashers (like me), irá gostar do filme, sem dúvidas. Ele tem todo aquele clima, aquela dinâmica. que falta bastante nas tentativas atuais de tentar refazer um slasher.

As mortes são boas na medida do possível. A maioria são off-screen, mas quando vai se aproximando do final, elas vão ficando mais explícitas. Destaque para a morte/perseguição do banheiro, que resulta numa cena incrível e bastante marcante, onde depois a final girl Katherine (Kate McNeil) encontra a cabeça decepada de uma das garotas dentro do vaso sanitário, banhado a sangue. Não posso deixar de mencionar alguns erros de produção como por exemplo, uma personagem é golpeada no olho e na cena seguinte seu cadáver está com ambos os olhos intactos, rs. 


Apesar da experiência ser bastante bacana, há alguns pontos que enfraquecem o filme. O principal é o final anticlímax. Há uma boa perseguição entre a final girl e o assassino (que tem toda uma backstory, irrelevante para eu dizer na crítica) e quando chegamos em seu confronto final, o filme acaba. Há uma cena em que eu tinha certeza que rolaria algo parecido com a infame cena de Halloween (1978), onde Laurie descansa enquanto Michael se levanta atrás dela. Mas não, sobe os créditos. Foi meio brochante, ainda rolaria muita coisa legal se tivessem desenvolvido o desfecho. Poucos não sabem mas o final original teria a polícia achando o corpo de Katherine na piscina, mas os produtores achou muito pessimista e pediu para fazer este.

Outra coisa que tenho que falar é a identidade do assassino: jogada bem interessante (um pouco mirabolante, convenhamos), mas gostei muito do fato do visual dele ser um mistério e só ser mostrado em apenas um momento - que convenhamos, foi bem macabro. A jogada de câmera e a sonoplastia (um coro de crianças gritando mamãe no fundo) montou uma cena bem interessante. Mas então o assassino adota uma fantasia que poderia ter sido usada no início do filme, mas foi passada despercebida.

The House on Sorority Row é um ótimo achado, principalmente para quem curte os slashers oitentistas. É um filme que pouca gente conhece e que é bem subestimado, mas é uma diversão garantida.
por Neto Ribeiro

Título Original: The House on Sorority Row
Ano: 1983
Duração: 91 minutos
Direção: Mark Rosman
Roteiro: Bobby Fine, Mark Rosman
Elenco: Katherine McNeil, Eileen Davidson, Lois Kelson Hunt, Christopher Lawrence, Janis Zido, Robin Meloy, Harley Kozak, Jodi Draigie

Um comentário:

  1. Poderia, por favor me indicar um site bom para assistir filmes legendados

    ResponderExcluir