Crítica: Pacto Secreto (2009) - Sessão do Medo

7 de setembro de 2016

Crítica: Pacto Secreto (2009)


Produção genérica lançada em 2009, Pacto Secreto (Sorority Row) é uma refilmagem de um slasher dos anos 80 pouco conhecido chamado The House on Sorority Row, de 1983, que eu recentemente comentei sobre aqui no blog numa crítica. É, no fim das contas, uma versão repaginada e atualizada da premissa, mas que no geral não tem muita semelhança. Se você assistir ao original, entenderá o que estou falando.

O elenco de Pacto Secreto é encabeçado por 6 patricinhas interpretadas por Briana Evigan (No Olho do Tigre), Rumer Willis (A Casa das Coelhinhas), Leah Pipes (The Devil's Hand), Jamie Chung (Sucker Punch - Mundo Surreal), Margo Harshman (Rise - A Ressurreição) e Audrina Patridge (The Hills). Numa noite de festa, elas resolvem pregar uma peça em Garrett, o irmão de Chugs (Harshman), fingindo que Megan (Patridge) havia morrido enquanto fazia sexo com ele.


As meninas os levam a um lugar isolado para o ato final da brincadeira, mas Garrett acaba matando Megan de vez, sem saber que tudo aquilo era farsa. Com um assassinato onde todas estavam envolvidas, elas fazem votação e concordam em jogar o corpo de Megan num poço e fazer um pacto em nunca mais falar sobre isso, ainda que Cassidy (Evigan) não entre em acordo com o plano. Foi preciso as meninas jogarem o corpo de Megan com o casaco dela, para que ela entrasse no pacto.

8 meses depois chega a tão esperada formatura das Theta Pi. Elas resolvem dar uma grande festa para comemorar, mas alguém começa a ameaçá-las, enviando mensagens com vídeos do assassinato de Megan. Elas acham que é Garrett, a princípio, mas logo assassinatos começam a ocorrer com elas e pessoas próximas.


O primeiro grande problema de Pacto Secreto são as personagens: Cada uma mais irritante que a outra, o que você mais torce é para que morram o mais rápido possível. Há a patricinha manipuladora e arrogante (que acaba ficando bem carismática no fim), a protagonista certinha até demais (chega a parecer hipócrita), a nerd chorona que grita toda vez que alguém entra em cena (literalmente), a bêbada e a estaca zero. É bastante chato você aguentar elas durante a primeira parte do filme. Quando a peneira vai sendo passada e as mortes acontecendo, esse não é mais um problema, haha.

O segundo e maior problema de Pacto Secreto é a revelação do assassino. Não há uma história mirabolante como no original, beleza? Mas sim um psicopata com os motivos mais toscos e fúteis que já vi. Isso é bem chato por que é um personagem que mal aparece no filme e dá aquela sensação parecida com Roman em Pânico 3 (2000). Foi um verdadeiro balde de água fria.

A parte legal são as mortes e a dinâmica slasher durante o 2º e 3º ato do filme. Primeiro ocorre aquelas mortes que ninguém vê até o clímax e depois, quando restam as final girls, os corpos vão aparecendo. O roteiro dá uma acelerada boa, tem várias perseguições e mortes bem estilosas. Algumas são horríveis (garrafa na garganta, really?) e outras são até legais (a do sinalizador).


O clima é bem Eu Sei o que Vocês Fizeram no Verão Passado (1997) misturado com Pretty Little Liars e não há muita coisa nova na roda. É o same old same old, sem muita preocupação em trazer algo diferente (talvez a arma, rs) ao circuito. Para quem curte filmes nesse estilo, pode encontrar uma ótima diversão despretensiosa, mas fazendo vista grossa, é um filme fraquinho para o seu potencial e talvez nem tentasse ser muita coisa para início de conversa.






por Neto Ribeiro
Título Original: Sorority Row
Ano: 2009
Duração: 100 minutos
Direção: Stewart Hendler
Roteiro: Josh Stolberg, Pete Goldfinger, Mark Rosman
Elenco: Briana Evigan, Rumer Willis, Leah Pipes, Jamie Chung, Carrie Fisher, Julian Morris, Margo Harshman, Audrina Patridge, Matt Lanter, Matt O'Leary


Um comentário:

  1. Gostava muito desse filme quando era criança, mas vi novamente esse e ano e percebi que não passa de um filme razoável.

    ResponderExcluir