Crítica: O Sexto Sentido (1999) - Sessão do Medo

20 de fevereiro de 2017

Crítica: O Sexto Sentido (1999)


Atenção: O post a seguir contém spoilers.

Hoje dia um nome famigerado, em 1999, M. Night Shyamalan só tinha dois filmes em seu currículo: um drama indiano chamado Praying with Anger (1992) e a comédia Olhos Abertos (1998). Seu terceiro trabalho viria neste ano, consagrando pra sempre sua carreira de altos e baixos e ganhando sua primeira indicação ao Oscar, com o filme em si sendo indicado em 6 categorias (Filme, Diretor, Roteiro Original, Ator Coadjuvante, Atriz Coadjuvante e Edição), mesmo não levando nenhuma.

O filme seria o primeiro de sua infame série de suspenses com reviravoltas surpreendentes no final, marca registrada do diretor, mas que honestamente, nunca superaram este. Estrelado por uma grande estrela dos anos 90, O Sexto Sentido não foi a princípio bem recebido pelos produtores, que não colocavam fé na produção e deram um lançamento morno para ela, sem saber que o filme se tornaria um dos maiores sucessos de bilheteria do ano.


No enredo, o psicólogo infantil Malcolm (Bruce Willis, Pulp Fiction) está passando por uma fase da sua vida. Há alguns meses, um ex-paciente seu invadiu sua casa e atirou nele, se suicidando em seguida. Sua esposa, que presenciou o acontecimento, hoje em dia está afastada de Malcolm, apesar de ainda morarem na mesma casa.

É quando ele conhece Cole (Haley Joel Osment, A.I. - Inteligência Artificial), um recluso garoto de nove anos, que vive com sua mãe solteira (Toni Collette, Pequena Miss Sunshine) e que testemunha coisas estranhas mas que não compartilha com ninguém. Após um estranho acontecimento onde ele vai parar no hospital, Cole revela à Malcolm que consegue ver fantasmas ("I see dead people"), o que de primeiro causa suspeita mas não demora muito para Malcolm acreditar nos relatos do garoto.


Com uma ótima atmosfera cheia de um clima tenso e cenas muito bem filmadas, com um estilo bem próprio que o diretor adquiriria, O Sexto Sentido traz uma abordagem interessante sobre fantasmas e bem diferente das apresentadas hoje em dia, cheias de cenas megalomaníacas, sustos programados e apelo visual. Apesar de ser, em seu núcleo, um thriller, o filme consegue se firmar como um dos maiores exemplos do gênero por sua inclinação dramática. Tanto que a atriz Toni Collette afirmou que só veio a descobrir que o filme era um "terror" após a estréia.

A aliança do talentosíssimo Haley Joel Osment - que hoje aparece em filmes desconhecidos e sem o mesmo carisma - e a também caprichada Collette é o verdadeiro elo forte da história, que não hesita em apelar pro sentimentalismo do público. Revendo o filme para escrever a crítica, não vou negar que cheguei a soltar umas lágrimas na cena do carro, próxima ao fim. Não é à toa que a dupla conseguiu ser indicada por Melhor Ator Coadjuvante e Melhor Atriz Coadjuvante, respectivamente, no Oscar de 2000. Não posso dizer o mesmo do Bruce Willis, que apresenta um desempenho mediano, sem muitas surpresas, mas que também não atrapalha nada.

Quanto à reviravolta no final, realmente pega de surpresa quando se vê pela primeira vez. Lembro que fiquei me sentindo um idiota, mas é a vida. O interessante é que quando você revê o filme, sabendo do final, você percebe uma caralhada de pistas que indicam tal destino. Um exemplo que chega até a ser irritante é a falta de interação do personagem do Willis com outros personagens que não seja o Cole. O roteiro dá uma despistada na cena do jantar, mas que é facilmente explicada no desfecho. Outra coisa que eu soube pela internet é que o Shyamalan fez questão de diminuir o uso da cor vermelha, usando-a somente em cenas que mostrem elementos do "lado-de-lá". São alguns detalhes que vale a pena rever pra prestar atenção.


Não é à toa que O Sexto Sentido se tornou um clássico instantâneo assim que foi lançado. Mesmo não sendo tão exacerbado quanto os recentes exemplos do gênero, esse sim é uma boa história de fantasmas.
por Neto Ribeiro

Título Original: The Sixth Sense
Ano: 1999
Duração: 107 minutos
Direção: M. Night Shyamalan
Roteiro: M. Night Shyamalan
Elenco: Bruce Willis, Toni Collette, Haley Joel Osment, Olivia Williams, Mischa Barton

Nenhum comentário:

Postar um comentário