Crítica: Vida (2017) - Sessão do Medo

4 de junho de 2017

Crítica: Vida (2017)


Particularmente, eu adoro filmes de horror que se passam no espaço. Eu acho que há uma certa singularidade na locação que se bem aproveitada, pode trazer uma sensação bem diferente para o filme. Alien - O Oitavo Passageiro (1979) é um dos meus filmes favoritos. Assim também como adoro O Enigma do Horizonte (1997) e Gravidade (2013), além dos excelentes 2001: Uma Odisseia no Espaço (1968) e Interestelar (2014). Portanto não pude segurar as expectativas quando Vida, mais um filme para a lista, foi anunciado. Trazendo três nomes de peso, o Jake Gyllenhaal, Ryan Reynolds e a Rebecca Fergunson no cartaz, a ficção científica conseguiu o mérito de ser um dos blockbusters mais divertidos do ano.

Vida tinha tudo para ser um desastre mas podemos comemorar que não foi. Embora sua natureza arrasa-quarteirão possa enganar alguns achando que esse vai ser mais um filme de ação no espaço que vem crescendo aos montes desde o oscarizado Gravidade, a produção consegue se diferenciar positivamente.


Na história, nós acompanhamos seis astronautas numa missão de coletar material vindo de Marte, onde há relatos de uma possível "vida". A teoria se concretiza quando eles descobrem a existência de uma célula no meio. A equipe começa a cuidar da célula que aos poucos vai se tornando um organismo em crescimento, denominado posteriormente de "Calvin" através de um altamente publicitado concurso na Terra.

O crescimento de Calvin começa a preocupar alguns dos tripulantes mas o medo realmente se instala quando a pequena criatura machuca brutalmente a mão de um dos cientistas. Vendo que o ser não é tão pacífico quando aparentava e mais inteligente que o esperado, a equipe se encontra numa busca pela sobrevivência quando Calvin mata um dos tripulantes e inicia uma caçada pelos outros em pleno espaço.

Vida funciona sob fortes influências do clássico de Ridley Scott, Alien. Algumas cenas chegam a ser bem parecidas e remetem à cenas do anterior, além de uma parte do desfecho, que também me lembrou de Gravidade. Mas o legal é que mesmo assim o filme tem uma mobilidade bacana para ser independente e andar com suas próprias pernas.


Mesclando sempre suspense e ação, o filme entrega cenas muito boas e algumas delas fizeram meu queixo cair. Algumas partes do roteiro surpreendiam por seguir um caminho contrário do que eu esperava, embora grande parte das decisões dos personagens serem bem clichês e grande parte dos eventos tenham sido abordados de forma melhor em outros filmes do tema.

O grande ás da produção está em seu antagonista, o tal do Calvin. O filme pode não aproveitar completamente o potencial de terror que o ser poderia causar mas ainda assim proporciona ótimos momentos de soltar um "nossa!". Um deles é a primeira morte, onde Calvin entra dentro da boca de um personagem e o sufoca por dentro do corpo. O que chama mais atenção, além da ideia, é a estética da cena já que o local tem gravidade zero e o sangue começa a flutuar!

Falando de estética, achei bem interessante a do próprio Calvin. No início, quando ele começa a demonstrar mobilidade, sua aparência remete à uma folha. Uma abordagem bem interessante quando o filme fala sobre a descoberta de uma nova vida. À medida que o filme segue, ele vai crescendo e finalmente tomando uma forma assustadora. 


Uma coisa que talvez não tenha me agradado foi o desenvolvimento dos personagens. Embora tenha três atores famosos no cartaz principal, nenhum personagem parecia ganhar muito destaque, mesmo que haja os já batidos sobreviventes. O próprio Jake Gyllenhaal não se destacou muito mesmo sendo o protagonista. 

No final das contas, Vida provou ser uma ótima opção de entretenimento que, embora não seja extremamente memorável nem traga muita coisa nova para o jogo, consegue divertir bastante aqueles que procuram um filme bem feito e com boas cenas de ação, além de um final que ainda reserva algumas surpresas. Será que veremos um Vida 2 daqui a alguns anos?

por Neto Ribeiro

Título Original: Life
Ano: 2017
Duração: 103 minutos
Direção: Daniel Espinosa
Roteiro: Rhett Reese, Paul Wernick
Elenco: Jake Gyllenhaal, Rebecca Fergunson, Ryan Reynolds, Hiroyuki Sanada, Ariyon Bakare, Olga Dihovichnaya


Description: Rating: 3.5 out of 5

Nenhum comentário:

Postar um comentário