5 filmes para conhecer o cinema de José Mojica Marins, o Zé do Caixão! - Sessão do Medo

25 de setembro de 2017

5 filmes para conhecer o cinema de José Mojica Marins, o Zé do Caixão!


Com quase 60 anos de carreira, o diretor, ator e roteirista José Mojica Marins é, de longe, o maior nome do cinema nacional de terror: foi ele quem criou o icônico Zé do Caixão. Sem recursos, sem patrocínio estatal, sem conhecimento acadêmico e em plena ditadura militar, Mojica desenvolveu um estilo singular de fazer cinema. Os personagens excêntricos, os cenários simples, as tramas surreais, o homem à procura de sua fêmea, a violência, o sangue, a obsessão pela morte, o humor negro. Tudo isso faz parte do riquíssimo repertório “mojicano”, que lembra um pouco o Expressionismo Alemão – não que Mojica tivesse intenção de fazer referência a ele.

Apesar de servir de tema para uma série lançada há pouco tempo no canal Space e ter uma comunidade fiel de fãs, o trabalho de Mojica ainda não é conhecido do grande público - lamentavelmente, a maioria das pessoas só lembra dele pelo tamanho das unhas do personagem que o imortalizou.

Pensando nisso, o Sessão do Medo resolveu listar cinco grandes filmes do diretor. A boa notícia é que todos eles estão disponíveis para assistir neste canal do Youtube (e a má notícia é que a qualidade da imagem não é das melhores). 

À Meia-Noite Levarei Sua Alma (1964)



A expressão facial sombria, o olhar compenetrado, a barba espessa, o chápeu devidamente posicionado. Simultaneamente, um monólogo invade os ouvidos:

"O que é a vida? É o princípio da morte. O que é a morte? É o fim da vida. O que é a existência? É a continuidade do sangue O que é o sangue? É a razão da existência!”

É assim que tem início À Meia-Noite Levarei Sua Alma, o terceiro longa da carreira de José Mojica Marins, um verdadeiro clássico do cinema nacional – a obra que inaugurou a nossa produção no gênero terror.

Na trama do filme, somos apresentados ao agente funerário Josefel Zanatas (José Mojica Marins), popularmente conhecido pelo apelido de Zé do Caixão na pequena cidade em que mora. Obcecado com a ideia de gerar um filho perfeito e dar continuidade ao seu sangue, Zé se vê decepcionado com a incapacidade de sua esposa (Valéria Vasquez) engravidar. Disposto a fazer o possível para alcançar seu objetivo, ele decide violentar a mulher do seu melhor amigo, dando início a uma onda de mortes e terror pela cidade.

Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver (1967)



“É a vida o tudo, e a morte o nada? Ou é a vida o nada, e a morte o tudo?!”

Na sequência de À Meia-Noite Levarei Sua Alma, Zé do Caixão (José Mojica Marins) continua a sua busca pelo filho perfeito. Com a ajuda do fiel criado Bruno (Jose Lobo), ele rapta seis moças do lugarejo e as submete a sessões de medo com aranhas e cobras (curiosamente, o diretor optou por utilizar animais de verdade nessas cenas, o que obviamente lhe deu um trabalho e tanto). O objetivo é testá-las e descobrir quem seria uma boa progenitora. Antes de morrer, uma das reféns joga uma maldição sobre Zé, jurando que voltará para possuir o seu corpo. Depois disso, o coveiro conquista o coração de Laura (Tina Wohlers), a filha de um importante coronel da região, e vê nela a grande oportunidade de ter seu filho. Contudo, sobreviver não será uma tarefa fácil, já que, além do ódio da comunidade local, ele também tem que enfrentar uma estranha força do além.

O Estranho Mundo de Zé do Caixão (1968)



O Estranho Mundo de Zé do Caixão é dividido em três contos independentes. Em O Fabricante de Bonecas, marginais invadem a casa de um velhinho e descobrem o macabro segredo da confecção de suas bonecas. Em Tara, um pobre vendedor de balões fica obcecado por uma garota que ele segue nas ruas. Já em Ideologia, José Mojica Marins dá vida ao excêntrico professor Oaxiac Odéz (leia o nome ao contrário), que tenta provar a um rival que o instinto prevalece sobre a razão humana, levando o espectador a um verdadeiro show sadomasoquista - com direito a uma cena final memorável ao som de Hallelujah

Ritual dos Sádicos/O Despertar da Besta (1970)



Por tocar em temas que era tabus para o regime militar, Ritual dos Sádicos acabou censurado na época do seu lançamento. Ele só chegou ao público no começo da década de 1980 - e com outro título: O Despertar da Besta.

Assistindo ao filme, é fácil entender o que incomodou a censura. Na história, um psiquiatra (Sérgio Hingst), disposto a provar que a causa das perversões sexuais está no uso de drogas, injeta doses de LSD em quatro voluntários. O resultado é uma mistura de delírios, sexo, loucura, sadismo e, claro, aparições de Zé do Caixão (José Mojica Marins). 

Exorcismo Negro (1974)



Em meio ao sucesso de O Exorcista (1973), Mojica percebeu que não podia ficar de braços cruzados e, um ano depois do lançamento do filme de William Friedkin, o cineasta apresentou Exorcismo Negro, a versão tupiniquim do clássico.

A trama - que é um verdadeiro exercício de metalinguagem - traz o cineasta José Mojica Marins (que, pasmem, é interpretado por José Mojica Marins) indo passar um fim de semana no campo para descansar e tentar escrever o roteiro do seu novo filme. Mas a paz do local logo é quebrada por diversos fenômenos paranormais, incluindo aí uma força demoníaca que passa a possuir o corpo das pessoas. Contudo, o que realmente choca Mojica é descobrir a existência, em carne e osso, de Zé do Caixão (Mojica, de novo). Até então, o cineasta acreditava que ele não passava de um personagem criado por sua mente e usado em seus filmes. A situação piora quando criador e criatura são postos frente a frente para um confronto decisivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário