Crítica: O Ritual (2018) - Sessão do Medo

7 de fevereiro de 2018

Crítica: O Ritual (2018)


Quando Eduardo Sánchez e Daniel Myrick dirigiram o revolucionário A Bruxa de Blair no fim dos anos 90, eles não imaginavam que apavorariam audiências e implantariam uma certa dose de desconfiança na mente de todos aqueles espectadores que visitassem um cenário parecido com o do filme, mesmo sem mostrar absolutamente nada em seus 80 minutos de duração. Até por que sua imaginação consegue ser mais assustadora - com o auxílio dos elementos apresentados ao decorrer da história - do que algo que é de fato exibido. É óbvio que uma das maiores críticas do grande público à Bruxa de Blair é justamente o fato de não mostrar "a bruxa" ou o que está realmente acontecendo, o que realmente não importa pois é esta ausência que faz o filme tão assustador. Mas para os mais doídos que sempre reclamavam disto, aqui temos um filme que pode saciar a sede.

The Ritual é uma produção britânica dirigida por David Bruckner, o responsável pelos segmentos "Amateur Night" de V/H/S (2012) e "The Accident" de Southbound (2016), ambos os melhores de suas respectivas antologias, e que se aventura num cenário parecido com o found footage supracitado. Ela se inicia mostrando o assassinato de Robert (Paul Reid) durante um assalto de uma loja de conveniência. Seu amigo Luke (Rafe Spall) estava com ele no momento mas se escondeu e testemunhou o ocorrido, sem conseguir defendê-lo.

Seis meses depois, Luke e os outros três amigos do grupo - Hutch (Robert James-Collier), Phil (Asher Ali) e Dom (Sam Throughton) - realizam uma viagem que todos eles planejavam quando Robert ainda estava vivo: vão para Suécia fazer uma trilha. Após o primeiro dia, Dom machuca o pé, impossibilitando-os de completar todo o trajeto. Como o caminho que eles fizeram circulava a floresta e por consequência, era mais longo, eles decidem adentrar na floresta para voltar ao hotel. Quando a noite chega e uma tempestade cai, o grupo de amigos se veem obrigados a passar a noite numa cabana abandonada, que definitivamente será a primeira das bizarras coisas que eles encontrarão nas próximas horas.


Vocês precisam saber que durante boa parte do filme, estarão entrando em território desconhecido, assim como os personagens. Se você não viu o trailer - o que é recomendado e por isso não o colocarei no fim do post -, a experiência será tão boa quanto a minha pois você só pode imaginar a que caminhos a história te levará, então boa parte das surpresas se manterão intactas.

David Bruckner realmente soube racionalizar os medos que o cenário pode trazer, aproveitando ao máximo a paisagem monótona, bonita e também assustadora usada no filme. Ele também é esperto ao não mostrar nada antes da hora, portanto por grande parte do longa, ele só dá migalhos do que está por vir e você tem que ser paciente e não enlouquecer se perguntando "que porra foi essa?". Isso é necessário pois quando chegamos no terceiro ato, podemos perceber que o melhor realmente fica pro final.

A ambientação me fez lembrar o já mencionado A Bruxa de Blair (1999) e o recente A Bruxa (2016), pois assim como eles, The Ritual utiliza a floresta a favor da construção de suspense e paranoia. Com cenas muito bem dirigidas, nos vemos na situação dos personagens que estão sendo perseguidos por algo que não conhecem enquanto tem que lidar com seus próprios problemas. O roteiro de Joe Barton (do vindouro drama Mercy) tem consciência disso ao abordar a culpa sentida por Luke, assim como o possível ressentimento do grupo em relação a ele.

Eu realmente não quero entrar em detalhes pois assim como eu adorei assistir The Ritual com o mínimo de informações retidas, eu adoraria que vocês fizessem o mesmo, então não vou comentar nada da história ou do final para que vocês possam aproveitá-lo. Então esperem a noite chegar, separe uma pipoca, apague as luzes e descubra o que é, para mim, um dos melhores filmes de terror do ano.
por Neto Ribeiro
Título Original: The Ritual
Ano: 2018
Duração: 94 minutos
Direção: David Bruckner
Roteiro: Joe Barton
Elenco: Rafe Spall, Arsher Ali, Sam Throughton, Robert James-Collier

13 comentários:

  1. Anônimo2/09/2018

    O ano mal começou e tu já diz que esse é o melhor do ano?!!! Me poupe

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela crítica, o filme é realmente interessante. O tal "Ritual" que dá nome ao filme é bem sinistro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como você achou o filme? Não estou conseguindo encontrar na busca

      Excluir
    2. Achei via torrent, e a legenda eu baixei no opensubtitles. Ainda não foi lançado oficialmente por aqui!

      Excluir
    3. Assisti no Popcorn, mas a legenda não achei em PT-BR só em PT-PT

      Excluir
    4. Também não achei em Português do Brasil

      Excluir
  3. Não estou conseguindo achar esse filme no Netflix ---'

    ResponderExcluir
  4. Agora tenho dúvida sobre a tradução do título já que temos um filme chamado o ritual. Isso vai gerar uma certa confusão.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo2/15/2018

    Muito bom o filme...só achei o final muito expositivo, aquele confronto não final não achei legal.

    ResponderExcluir
  6. Esse filme é maravilhoso! Assisti igual a você... sem saber nada do enredo... À noite, no quarto escuro, com muita pipoca e chocolate. Aff. Sem sombra de dúvidas um dos melhores filmes de terror do ano!

    ResponderExcluir
  7. Anônimo2/18/2018

    Neto, vc podia fazer a crítica de Keep Watching?

    ResponderExcluir
  8. Link do Torrent legendado

    http://www.bludv.com/2018/02/o-ritual-2018-torrent-download-bluray-720p-e-1080p-legendado-dublado-dual-audio.html

    ResponderExcluir
  9. Filme pésimo,tudo em uma escuridao

    ResponderExcluir