Crítica: Amityville - O Terror (2016) - Sessão do Medo

1 de abril de 2018

Crítica: Amityville - O Terror (2016)


O menos ruim dos piores. 

Amityville O Terror é a décima sexta parte da franquia que devia ter acabado há muito tempo. Depois do remake de 2005, veio um filme ruim após o outro: Haunting, Asylum, Playhouse, Death House, Vanishing Point... Todos são películas bem horrendas onde o nível foi descendo cada vez mais a cada capítulo. E depois de passar por essa tortura, a gente fica 'vacinado' contra qualquer porcaria que possa aparecer dentro da estendida saga de Amityville. É aí que quando você espera o pior filme da vida ao ver 'O Terror', se surpreende, mas não se engane, é um filme ruim, porém é melhor do que todos esses que citei acima.

Eu estava com a expectativa lá embaixo, mas tão lá embaixo que a cada acerto do longa (e olha que são poucos) era uma vitória, isso porque eu sou um grande fã da história de Amityville e qualquer besteira relacionada a esse tema, eu estou assistindo. E gente, só para deixar claro, esse é um filme que eu não recomendo você assistir porque ele é péssimo, mas diferente dos últimos capítulos, houve um certo interesse em assustar e causar. 

Esta pérola foi dirigida por Michael Angelo, seu primeiro e único filme até então, e foi roteirizado por Amanda Barton que também atuou no projeto sendo a antagonista.

Para começo de conversa, é preciso deixar claro que a casa desse longa não é aquela casa que conhecemos, aliás, pode-se dizer que a capa do filme é praticamente uma propaganda enganosa, nem as janelas de meia lua existem nessa residência que está situada no final da rua Amity, em Amityville. E portanto, casa nova, história nova.   
  
Na trama, uma casa enorme da era vitoriana é vendida à preço de banana para uma família que com o passar do tempo, vai sentindo a presença de um ser maligno que está afetando todos ali. Não obstante, todos os moradores de Amityville parecem guardar um segredo obscuro sobre o que está acontecendo. E na medida que a família vai desvendando esse enigma, a situação piora e chega num ponto em que ou eles saem da casa ou morrerão de forma trágica. 

A família é: Todd, o patriarca; Jessica, a matriarca e esposa de Todd; Hailey, a filha adolescente e rebelde de Todd e Jessica; Shae, a irmã de Todd. Logo depois que a sua mãe morre, Todd resolve ir morar junto com Shae que como era ex-viciada, estava sensível e ele tinha medo dela ter um recaída, o problema é que Hailey e Shae não se dão bem e vivem brigando por qualquer coisa. A família compra 'A última casa no final da rua Amity' onde parece acomodar bem todos. A dona do imóvel, a bizarra da Delilah (Tonya Kay) faz questão de não contar para os novos moradores o passado daquela moradia.

Com o passar do tempo, as pessoas daquela casa vão conhecendo mais a sua vizinhança e coisas estranhas vão acontecendo: Portas fechando sozinhas, alucinações, e mortes bizarras. Quando Hailey sai para passear em sua motocicleta, sempre carregando a sua besta, acaba conhecendo um grupo de jovens que vivem na região, entre eles estão as meninas malvadas lideradas por Theresa, e o jovem bonzinho Brett que logo faz amizade com a novata, se tornando o seu interesse romântico
.   
Na medida que o tempo passa, tanto Todd quanto Hailey começam a se tocar que tem algo errado, não só com a casa, mas também com a vizinhança que parece esconder algo deles o tempo todo. Enquanto isso, Shae é a pessoa que mais recebe a influência do demônio da moradia, e logo passa a sentir vontades e desejos bem 'exóticos'.

Alguns amigos de Todd e Hailey até tentam alertá-los sobre o que está acontecendo e ajudá-los, mas o mal é tão forte que acaba impedindo que eles os ajudem.   


Hailey entra na casa de Delilah em busca de respostas, é quando ela encontra arquivos com centenas de famílias que viveram naquela casa desde os anos 70, curiosamente, a mesma década dos assassinatos dos DeFeos, mas isso não tem relação alguma com o filme. Logo ela descobre que a sua família é uma espécie de oferenda para a casa para que assim, a entidade não saia dela e não afeta toda Amityville. Nenhuma família durou mais que três meses naquela casa.  

O maior inimigo do filme é o clichê e a falta de criatividade do roteiro em bolar algo mais elaborado. Por exemplo, existe uma morte onde um homem é queimado vivo, mas os efeitos são péssimos devido ao baixo orçamento: Então porque não mataram ele de outra forma, atropelado, esmagado?,.. E aquela história da família desavisada que vai para uma casa assombrada e após um tempo nela alguém resolve investigar a respeito e descobre toda a verdade, já está bem batida e chata. Há também erros com edição que faz o filme aparentar ser bem amador, a paleta de cor muda repentinamente, os ângulos filmados, em alguns momentos, não favorecem os personagens e o final é corrido.

A representação das pessoas no filme, é surreal. Segundo a história, famílias inteiras simplesmente desaparecem e nenhum outro membro dessa família vai investigar o desaparecimento. As meninas malvadas são o esteriótipo de 'populares da escola' que não agregam muita coisa na trama, pelo contrário, ela deixam tudo mais confuso fazendo coisas que eu não tenho certeza se cabia a elas fazer aquilo, o que mais a tornam psicopatas do que qualquer outra coisa, e o que ela fazem, não muda em absolutamente nada da história. É como se um massacre acontecesse a cada três meses na Amityville, e é isso, ninguém senti falta, ninguém investiga e ninguém comenta. E para completar, que atuação péssima de alguns personagens, tem gente na película que parece não ter ideia do que está fazendo.   

Porém, podemos notar também que o filme tentou assustar, em algumas cenas você pode levar um leve sustinho por causa do jumpscare, o que já é alguma coisa. A maquiagem também não é tão ruim e está bem forte na representação do demônio. E ainda existe uma cena de incesto que tenta fazer o público ficar perplexo, mas infelizmente não é aprofundado e logo acaba.  

Então, pode-se dizer que 'Amityville: O Terror' é o menos ruim do que foi visto desde a parte 10 até esse a parte 16, o que não quer dizer muita coisa visto que os últimos filmes da franquia cavaram tão fundo no poço que se cavassem mais, chegariam ao outro lado do mundo. Não espere por uma obra prima! Não espere para ver a casa de Amityville! não espere por uma história original e efeitos de qualidade!... É um filme ruim, mas você vai conseguir assisti-lo até o final. Nota: 3,0. 


FICHA TÉCNICA

Titulo original: The Amitville Terror.
Titulo brasileiro: Amityville O Terror.
Diretor: Michael Angelo.
Roteiro: Amanda Barton.

Elenco: Amanda Barton (Shae), Cher Hubsher (Sally), Kaiwi Lyman (Todd), Trevor Stines (Brett), Christy St. John (Theresa). 

Sinopse: Quando uma família se muda para uma antiga casa em Amityville, acabam sendo atormentados por um espírito maligno que habita o local e são aprisionados pelos terríveis habitantes da cidade que querem mantê-los na casa.


Um comentário:

  1. Acabei de assistir ...... que horror. Como fazem uma merda dessas com Amityville ?

    ResponderExcluir