Crítica: Os Estranhos - Caçada Noturna (2018) - Sessão do Medo

19 de abril de 2018

Crítica: Os Estranhos - Caçada Noturna (2018)


No dia 31 de Maio, chega aos cinemas nacionais Os Estranhos - Caçada Noturna, aguardada sequência do ótimo Os Estranhos (2008). Há uma década em produção, sendo confirmado e cancelado várias e várias vezes, o filme finalmente ganhou seu espaço para a alegria dos fãs do gênero e principalmente dos fãs do primeiro filme. No longa, um casal é aterrorizado por um trio de estranhos mascarados que batem à sua porta numa madrugada. O suspense intricado e a abordagem realista faz com que Os Estranhos seja considerado por muitos - incluindo eu mesmo - um dos melhores filmes de terror dos anos 2000.

A sequência, roteirizada pelo mesmo criador do anterior, Bryan Bertino, mas dirigida pelo ascendente diretor Johannes Roberts, que dirigiu o ótimo Medo Profundo (2016), no entanto, segue uma direção diferente, embora o resultado não seja ruim. Como uma forma de mudar as regras do jogo e ao mesmo tempo homenagear o gênero, Caçada Noturna apela para um terror mais comercial e mais divertido, ativando o modo slasher ao máximo ao acompanhar uma noite saída de um pesadelo de uma família suburbana durante uma viagem.


A adolescente rebelde Kinsey (Bailee Madison) não deixa escolhas para os seus pais quando eles a decidem enviá-la para um internato, contra a sua vontade. Cindy (Christina Hendricks) e Mike (Martin Henderson) embarcam numa road trip, juntamente com o filho mais velho Luke (Lewis Pullman), que está prestes a ir para faculdade, na intenção de deixar a garota e ao mesmo tempo passar um tempo necessário com ela para que a mesma não parta de forma brusca.

Como a viagem é longa, Cindy conseguiu combinar com seu tio, dono de um pequeno estacionamento de trailers, para que pudessem passar a noite em uma das cabines. Ao chegarem no local, tarde da noite, eles se acomodam mas a tranquilidade dura pouco quando uma garota bate na parte. "A Tamara está?". Se vocês conhecem os métodos dos Estranhos, já sabe que coisa boa não vem depois disso, não é?

Roberts toma total liberdade de fazer uma sequência completamente diferente do original, dando espaço para ele mesmo criar seu próprio filme sem se ater à regras. A sua direção não é tão memorável, mas o diretor toma decisões interessantes para dirigir o filme. Sua grande inspiração é, sem dúvidas, o cinema dos anos 70. Há muitas cenas com zooms dramáticos que remetem à técnica usada naquela década, dando um certo charme ao filme. Há também bastante influência dos anos 80, principalmente na trilha sonora que é embalada por canções da época, como "Total Eclipse of the Heart" da Bonnie Tyler, assim como algumas referências ao gênero através de cenas que remetem à Christine - O Carro Assassino (1983) e O Massacre da Serra Elétrica (1974).


A outra influência dos anos 80 é definitivamente o estilo slasher que o filme segue. Sem paciência para um suspense slow burn, Caçada Noturna tem um roteiro ágil e não perde tempo trancando os personagens em um único lugar. O cenário é aberto para muitas possibilidades e o roteiro aproveita isso, espalhando-os pelo terreno enquanto são perseguidos pelos mascarados. Com boas doses de gore, a continuação se afirma como um slasher ao trazer um sentido de urgência maior à situação, sem ter pena de machucar os personagens ou sem guardar ações para o desfecho. Então pode esperar mortes durante o filme inteiro e muitas cenas de perseguição. 

Bailee Madison é tecnicamente a estrela do filme, no papel da filha rebelde que precisa lutar pela sua vida se transformando numa ótima final girl. Mas quem chama mais atenção é o garoto interpretado pelo Lewis Pullman, filho do Bill Pullman (A Maldição dos Mortos-Vivos, Estrada Perdida, Pânico no Lago, O Grito). O rapaz é bastante carismático e impossível não se pegar torcendo por ele.


E por falar em torcer, uma coisa bacana que o saudosismo de Caçada Noturna traz é justamente essa sensação, onde você sente a necessidade de interagir com os personagens e gritar para tela coisas como "CORRA!", "SAIA DAÍ" ou até alguns palavrões. Quem gosta de slashers, definitivamente vai fazer algo do tipo vendo o filme.

O que mais me surpreendeu com esta sequência é que ela foi bem decente. Tivemos diversas desilusões com continuações de franquias demoradas (sim, estou falando de você, Olhos Famintos 3) e embora Caçada Noturna não seja tão bom quanto o original, é um filme que sabe o que promete e cumpre exatamente isto. É um filme que procura divertir e é isso que ele faz. Com boas cenas de suspense e violência, Os Estranhos 2 é justamente o tipo de entretenimento de terror que estávamos precisando.
poster
ficha técnica
Título Original: The Strangers - Prey at Night
Ano: 2018 • Duração: 85 minutos
Direção: Johannes Roberts
Roteiro: Bryan Bertino, Ben Ketai
Elenco: Bailee Madison, Christina Hendricks, Martin Henderson, Lewis Pullman
Sinopse: Uma família prestes a mandar a problemática filha adolescente para o internato embarca em uma viagem de carro. Para descansar durante a noite, eles estacionam em um monótono estacionamento de trailers, onde descobrem que o terror os espreitam. A noite se torna um pesadelo quando a família se vê atormentada por um grupo de mascarados e devem lutar pela sobrevivência para escapar dos Estranhos.


4 comentários:

  1. to atraz ainda... passa o link rsrs

    ResponderExcluir
  2. Não postamos links, é contra nossa politica. O filme tem data de estreia marcada para o dia 31 de Maio. Sugiro que esperem até a estreia ou esperem mais um pouco até surgir um release na internet.

    ResponderExcluir
  3. Se esse filme for no mesmo nível do primeiro, eu só lamento, não presta.

    ResponderExcluir