Crítica: Anatomia (2000) - Sessão do Medo

4 de maio de 2018

Crítica: Anatomia (2000)


Caros leitores, não é de hoje que o cinema europeu nos presenteia com filmes originais e impactantes, como Alta Tensão (2003), A Invasora (2007), Mártires (2008), Anticristo (2009) e por aí vai. Junte a isso um palco para filmes de todos os gêneros, os hospitais, e sim, a combinação pode dar nesse ótimo thriller.

Há muito tempo em que os hospitais são utilizados em produções das mais variadas, seja drama, comédia e claro terror, vide Linha Mortal (1990) e sua refilmagem Além da Morte (2017), Coma (1978) estrelado por Michael Douglas, Autópsia de um Crime (2008), entre outros. Apresento-lhes Anatomia, filme alemão cuja personagem principal é a carismática Paula Henning (Franka Potente de Invocação do Mal 2), uma jovem estudante de medicina talentosa que devido ao seu brilhantismo foi uma das escolhidas para um curso de Anatomia na renomada Universidade de Heidelberg, onde décadas atrás seu avô fez fama antes de se aposentar.

O filme logo de inicio entrega ação e um ponto de partida com o falecimento de um jovem que no dia seguinte Paula tem a surpresa de se deparar com ele a sua frente numa mesa para iniciar sua aula de anatomia, alguns dias atrás ela mesma havia salvado sua vida e isto leva ao desenrolar da trama, muito por conta do brilhantismo e interesse de nossa protagonista pelos fatos que vão ocorrendo durante a narrativa. Há elementos de humor e sensualidade, na medida certa e muito disso devido a presença da colega de curso Gretchen (Anna Loos) e suas aventuras amorosas, porém sem tirar o foco de mistério que se deve em grande parte à uma sociedade secreta a qual somos apresentados (AAA – Sociedade Anti-hipocrática), o filme nos apresenta com detalhes a filosofia e os rituais desta, como aperitivo lhes digo que a intenção central desta é utilizar seres humanos vivos para fazer experiências, sem qualquer preocupação com a ética, assim como faz menção até mesmo a época do nazismo, particularmente gosto muito de filmes assim.


As cenas de mortes não são forçadas e os momentos ligados ao tema central (anatomia) são muito reais, assim como iluminação. Um exemplo disso é quando Paula caminha pelos corredores do anatômico à noite e de fundo há uma trilha de fundo e e pouca luz que nos faz sentir a tensão no ar, sem apelar para jump scares. Em relação a fotografia, somos presenteados durante o longa com belas paisagens de Heidelberg, cidade da Alemanha.

O final do filme ainda guarda surpresas e perseguições, claro, não inova muito mas fecha bem as pontas soltas durante o filme.

Anatomia usa de vários bons mecanismos para prender nossa atenção, uma sociedade secreta, uma trilha sonora que acompanha bem cada momento do filme, protagonista inteligente, perseguições, mas não inova tanto no roteiro. Porém no que fez, realizou muito bem, gerando até uma sequência, Anatomia 2 de 2003.
poster
ficha técnica
Título Original: Anatomy
Ano: 2000 • Duração: 99 minutos
Direção: Stefan Ruzowitzky
Roteiro: Peter Engelmann
Elenco: Franka Potente, Anna Bruggemenn, Benno Furmann, Anna Loos
Sinopse: Uma ambiciosa estudante de medicina é escolhida para fazer parte de um curso prestigiado de anatomia, ensinado por um legendário professor, é um sonho que se torna realidade. Porém a alegria de Paula se torna um terror quando ela encontra um jovem que conheceu a apenas alguns dias antes, deitado na sua frente em uma mesa de dissecação. Ela logo descobre uma secreta sociedade, conhecida por sua cruel pesquisa em humanos vivos.

Um comentário: