Crítica: A Hora do Espanto 2 - Sangue Novo (2013) - Sessão do Medo

15 de outubro de 2018

Crítica: A Hora do Espanto 2 - Sangue Novo (2013)


Aqui estamos nós mais uma vez para falar sobre um filme complicado. Eu, quando soube que a franquia 'A Hora do Espanto' ou 'Fright Night', iria ganhar uma 'continuação' do remake de 2011, fiquei muito na dúvida se era uma boa ideia, até porque eu particularmente não gostei do remake apesar de ter algumas cenas divertidas. Aí, com o passar do tempo, assisti ao trailer e gostei bastante do que vi, só havia achado estranho a ausência dos atores do capítulo anterior, e é aqui que a confusão começa. 

Engana-se você que acha que o número '2' no título indica que esse filme é uma sequência do remake (coisa que eu e quase todo mundo achava), na verdade o filme é um reboot que calunia o público com o titulo sugestivo. Foi a primeira bola fora do filme, fingir ser o que não é, uma sequência... Apesar disso, o longa possui alguns fatos interessantes que vou falar no decorrer da crítica. E como um reboot que é, ele trás novos atores interpretando os famosos personagens da franquia, aqui acontece pela terceira vez algumas coisas já havíamos visto no original de 85 e no remake, vamos falar sobre isso mais para frente também, fatos esses que só vão reforçar a ideia de reboot. 

A direção está por conta do venezuelano Eduardo Rodriguez. No elenco temos: Will Payne como Charlie Brewster, Jaime Murray como Gerri Dandrige, Sean Power como Peter Vincent, Sacha Parkinson como Amy Peterson e Chris Waller como 'Evil' Ed Bates. 

O filme tem um ótimo começo mostrando o ataque de um vampiro a uma jovem indefesa num posto de gasolina, nessa cena temos até um momento em que vemos, através de uma câmera, o vampiro atacando a mulher (Vale lembrar que vampiro não tem reflexo). Da franquia, essa foi a introdução mais criativa, foi direto ao assunto e nos deu uma pequena dimensão da criatura.

Depois passamos para Charley Brewster (Will Payne) e 'Evil' Ed Bates (Chris Waller), uma dupla que está na Romênia a estudo com toda sua classe de amigos, dentre os alunos está Amy Peterson (Sacha Parkinson), namorada de Charley. Na descrição dos personagens, não há muita diferença deles para os dos filmes anteriores, a maior discrepância está na atuação, por exemplo, Will Payne não faz um trabalho convincente como o jovem Charley, porém Sacha Parkinson faz uma Amy melhor que a Imogen Potts (A Hora do Espanto de 2011).


No alojamento, Charley acaba vendo pela janela, Gerri Dandridge (Jaime Murray) se relacionando com outra mulher, até então tudo bem, mas quando a moça mostra as suas presas, imediatamente Charley começa a crer que a mulher do prédio do outro lado da rua, é uma vampira. A situação fica ainda mais tensa quando o jovem descobre que Gerri é uma de suas professoras. Com o passar do tempo, Charley vai ficando tão paranoico que chega a um ponto de seguir a sua professora.

A priori, ninguém leva a sério as acusações do rapaz, só Ed que parece dar corda no 'delírio' do amigo contando uma história de vampiro que pode se referir ao passado da vilã. Essa é uma parte muito interessante onde a técnica para narrar a história foi bem original, onde ficamos entendendo quem realmente é Gerri. Nesse contexto, a história é criativa, o que dá mais raiva por usarem essa narrativa para um reboot e não para uma sequência.

O filme explica como Gerri virou uma vampira através de uma narração feita por Ed, e a parte mais divertida é que a história dela é baseada na vida de  Elizabeth Báthory, uma assassina dó século XVI que estimasse que ela matou mais de 600 pessoas, a grande maioria, meninas adolescentes e virgens, pois Elizabeth acreditava que se ela se banhasse com o sangue de suas vítimas, ela seria bela e jovem para sempre. Essas histórias acabaram dando o apelido de Condessa Drácula para Elizabeth.

Sem muitas opções, Charley e Ed vão falar com Peter Vincent (Sean Power), um caçador de vampiros que está fazendo o seu programa na região. Aqui não tem muita mudança com relação a história do original, Peter é um ator medroso que aceita ajudar se Ed e Charley pagarem dois mil dólares. Enquanto o trio caminha para o covil de Gerri, eles se encontram com Amy e vão juntos para o metrô. Aqui temos uma cena bem legal de perseguição, é quando Gerri finalmente se revela para o quarteto como uma vampira. Uma coisa que eles preservaram dos filmes anteriores e que acho muito legal, é a tranquilidade de Gerri em perseguir as suas vítimas. 


No enredo ainda temos um conto onde, somente o sangue de uma virgem nascida as meia noite sob a luz de uma lua de sangue poderia salvar Gerri, assim ela poderia caminhar na luz do dia sem ser queimada pelo sol. Dentro desse perfil, Amy se encaixa perfeitamente, a partir daí, Gerri concentra o seu ataque para capturar a jovem.

Esses pequenos detalhes do filme conseguiram colocar algo novo e com sentido dentro de uma trama que já conhecemos de cabo a rabo, e como mencionei acima, talvez o que mais chateie em meio a tudo isso é o fato de ser um novo começo de uma franquia que já tem uma raiz sólida. Então, pelo título errôneo e pelo conteúdo, podemos dizer que o quarto filme da franquia não sabia se queria ser um remake, continuação do remake ou um reboot, isso até hoje causa confusão na cabeça dos fãs que ao procurarem para vê-lo, vão achar que é uma continuação do filme de 2011 estrelado por Colin Farrell. Mas no fim acabou se tornando algo que está ali, ok, tem muita coisa original e divertida,  mas também não é grande coisa.

O final é interessante, mas também a gente percebe algumas facilidades do roteiro devido ao baixo orçamento, dito isso, as cenas envolvendo os vampiros  são divertidas. A briga entre Charley e Ed é boa, mas percebemos problemas com a maquiagem de Ed, e são detalhes que não passam despercebidos. Outra coisa é que quando Gerri está monstruosa, não dá paraver com clareza como ela é porque tem sempre um jogo de luz e sombra para impedir o público os problemas com a maquiagem e os efeitos.

No geral, 'A Hora do Espanto 2 Sangue Novo' não é um filme ruim e tem coisas que são bem legais, mas é mal elaborado, tem várias cenas desnecessárias e coisas que poderiam dar mais qualidade ao filme, não foram utilizadas. Enquanto no filme original o Ed e a Amy se envolviam com Peter para ajudar Charlie a parar de acreditar que seu vizinho é um vampiro. Ed entra nessa história como se tudo fosse uma brincadeira, chegando a pagar três mil dólares ao Vincent para entrar no 'joguinho' dele com Charley, em suma, a história perde peso por causa dos motivos idiotas dos personagens. 

A conveniências do roteiro também são bem irritantes. Os vampiros tem um poder de fazer um barulho de morcego com a boca que funciona como radar, poderia até ser uma boa ideia, mas também não foi bem aproveitada. O fato de Gerri levar Amy para um local com janelas enormes de vidro, ou o fato de Peter ter uma cruz tatuada no peito, ou ainda o fato do grupo se encontrar com Gerri no metrô. Tudo armado para dar um ritmo a história e fazê-la seguir sem perder muito tempo.


Em meio a esses problemas temos a atuação de Jaime Murray que faz uma ótima vampira, temos uma boa história de origem e cenas bem legais como: a introdução no posto de gasolina, o ritual que Gerri faz com uma de suas vítimas, a história de Gerri narrada por Ed, e a do carro que capota. Então, em meio a todos esses pontos, 'A Hora do Espanto 2 Sangue Novo' deve dividir opiniões, e apesar de entreter, ao mesmo tempo fica aquela sensação de que poderia ter sido melhor. Nota: 5,5.



Curiosidade

- Filmado em 23 dias.

- O filme foi rodado em locações na Romênia durante o inverno, onde as temperaturas permaneceram
em torno de -15 ° Fahrenheit.

- Os produtores entrevistaram muitos candidatos em potenciais para dirigir o filme, mas escolheram Eduardo Rodriguez quando ele apresentou a ideia inovadora de contar a história do vampiro em um segmento de quadrinhos animados. Rodriguez concebeu a sequência como uma maneira de reduzir custos e diminuir o cronograma de filmagens.

- Os produtores consideraram mudar a cena de abertura para o final do filme para criar a ilusão de que o vampiro havia ressuscitado.

- A explosão do posto de gasolina foi filmada em um estúdio. Originalmente, os cineastas planejavam filmar no local prático, mas as condições meteorológicas e os problemas com os bloqueios de trânsito impediram que eles incendiassem as bombas.

- Depois de uma busca exaustiva, a equipe encontrou um local prático onde eles poderiam filmar os
apartamentos de Gerri e Charley do outro lado da rua.

- Uma vez que ele estava em maquiagem, Chris Waller se envolvia tanto no personagem que o diretor Eduardo Rodriguez tinha que lembrar ele de que ele não era realmente um vampiro.

- Durante a cena em que os personagens principais estão submersos em uma poça de sangue, a produção teve que ser interrompida porque estava tão fria que Jaime Murray estava visivelmente exibindo sinais de hipotermia.

- Para a cena em que a sombra do vampiro atravessa a parede atrás da mulher idosa, a equipe tentou empregar efeitos visuais práticos no set, mas demorou tanto para que a sombra se alinhasse corretamente que eles decidiram alcançar o efeito digitalmente.

FICHA TÉCNICA
                                                                                                                                                       
Titulo original: Fright Night 2: New Blood.

Titulo brasileiro: A Hora do Espanto 2: Sangue Novo.

Diretor: Eduardo Rodriguez.

Roteiro: Matt Venne. 

Elenco: Will Payne (Charlie Brewster), Jaime Murray (Gerri Dandrige), Sean Power (Peter Vincent), Sacha Parkinson (Amy Peterson), Chris Waller ('Evil' Ed Bates). 

Sinopse: Um jovem estudante, Charlie, se inscreve em um programa de estudo na Romênia, com seu amigo obcecado por terror, Evil Ed, e a ex-namorada Amy, ele logo descobre que sua jovem e atraente professora Gerri é uma vampira. Pena que ninguém acredita nele. Na verdade, Evil Ed acha divertido e isso só alimenta sua obsessão por vampiros. Quando Gerri transforma Ed, Charlie procura por Peter Vincent, o infame caçador de vampiros que por acaso está na Romênia filmando o seu show, cujo nome é o titulo do filme, para ensiná-lo a derrotar Gerri antes que ela chegue a Amy cujo sangue vai curar Gerri e impedir que ela passe a eternidade como uma vampira.

Um comentário:

  1. Anônimo11/08/2018

    GOSTEI DA CENA DA TETUDA DA AMY NA PISCINA DE SANGUE

    ResponderExcluir