Crítica: Intrusos (2011) - Sessão do Medo

27 de abril de 2012

Crítica: Intrusos (2011)


Dirigido pelo Espanhol Juan Carlos Fresnadillo responsável pela ótima continuação de Extermínio, Intrusos é aquele caso de filme que é vendido como um gênero mas na real é outro. No estilo A Vila que passava a ideia de ser um puta filme de terror, mas que na real era só um suspense fraco disfarçado de terror. A sensação que tive quando terminei de ver o filme foi exatamente a mesma de A Vila, surpresa e decepção.

O filme acompanha duas histórias separadas, um sobre um moleque espanhol chamado Juan, que mora sozinho com a mãe e diz ser assombrado a noite por "Hallow Face", um dos personagens de uma história que ele mesmo escreveu, já a outra história se passa nos Estados Unidos e acompanha uma menina pré adolescente chamada Mia que é assombrada pelo mesmo ser que assombra o moleque espanhol. As duas histórias vão se desenrolando ao mesmo tempo e em ambos os casos a história começa como se fosse uma fantasia das duas crianças, mas vão ficando mais tensas quando o Pai de Mia e a Mãe do Juan começam a ver o tal de Hallow Face e fazem de tudo para proteger os filhos.


É interessante como o suspense é bem construído na primeira metade do filme, sem se entregar aos sustos, lá pela metade o suspense vai perdendo a força pelo uso de CGI exagerado e artificial em algumas cenas que mostram o "intruso". O jeito como o enredo se desenvolve é o que mais prende o expectador, mesmo que tenha algumas cenas arrastadas o filme é cheio de surpresas e reviravoltas. O bacana é que as histórias deixam coisas em aberto para que sejam criadas teorias sobre o que poderia estar acontecendo.

Esse lance de histórias separadas e que se juntam no final não é novidade, O Grito 2 usou e abusou no roteiro, mas o quê se destaca no final desse filme é a forma como as duas histórias se juntam.


O diretor sabe criar cenas de terror eficientes como aquela que o Intruso entra no quarto da menina ou na hora que ele vai se aproximando do garoto. O diretor arrasta o terror e o suspense até o final, quando o filme ganha um ar de A Hora do Pesadelo, o fraco O Pesadelo e uma especie de Alice no Pais das Maravilhas do terror.

Algo que fez o filme ir de ladeira abaixo foi a última reviravolta que cagou o filme inteiro, o terror tão bem construído na parte final foi destruído com um final surpresa que é um tapa na cara ou um chute no saco de expectador.

O desfecho me lembrou um pouco o de Alta Tensão (mesmo que a conclusão seja totalmente diferente). Aquele tipo de desfecho que ao mesmo tempo que surpreende pela criatividade e pelo final surpresa, muita coisa fica sem sentido e com vários furos no roteiro. Quando o filme terminar acho que a maioria dos expectadores vai pesar: "Que porra de final foi esse?!" Foi bem isso que eu pensei.

Quem curte um suspense psicológico com umas cenas de terror tem uma chance de gostar de Intrusos, mesmo que tenha um dos finais mais broxantes de todos os tempos.

Postado por: Marcelo