Crítica: Piranha 2 (2012) - Sessão do Medo

22 de setembro de 2012

Crítica: Piranha 2 (2012)


Alexandre Aja responsável por excelentes filmes como Alta Tensão e Viagem Maldita, também foi o comandante do excelente remake de Piranha. Um dos poucos remakes que conseguiu superar o original. Com muita violência, nudez e humor negro numa mistura perfeita, o filme se destacou como um dos melhores remakes já feitos, pelo menos pra mim. Quando fiquei sabendo de uma continuação fiquei de pau duro (desculpa ai a expressão!). A continuação parecia ser uma versão melhorada do primeiro, com mais humor, mais nudez, violência e efeitos 3D elaborados. Com direção de John Gulager (responsável pelo divertidão Feast Banquete no Inferno) essa continuação parecia que ia ser boa, até se fosse ruim, mas não foi o caso e Piranha 3DD foi uma das grandes decepções desse ano e um dos piores filmes/continuações que já saíram nos últimos anos.


O filme segue mostrando que a cidadezinha do primeiro filme está completamente deserta depois da tragédia e a quilômetros dali há um parque aquático comandado por um cara que quer a todo custo transformar o lugar no paraíso das gostosas, com uma parte exclusiva pra adultos, onde  as moças ficam nuas. Maddy, a enteada boa moça e responsável por pouco menos que a metade do parque é contra a ideia. Perto dali Maddy suspeita que as piranhas invadiram o lago perto do parque aquático, o mesmo lago em que o padrasto da moça está drenando água pra encher as piscinas do parque. Maddy tenta fechar o parque, mas ninguém dá atenção até as piranhas chegarem.


O Humor negro do primeiro filme foi transformado num humor pastelão e escrachado que não diverte e chega ao ponto de ser desagradável. O filme falha em divertir, mesmo quem assistir por puro entretenimento e diversão vai se decepcionar. O humor em vários momentos é de mal gosto. Eu até curto o humor bizarro dos filmes Trash, mas o desse aqui não deu pra passar, tudo é sem graça demais pra divertir.

Até a metade o filme é razoável, com algumas cenas boas e um 3D decente, tem até uma cena muito boa que as piranhas atacam duas moças em um cais, a cena tem um dos melhores sustos de 3D que eu já vi, mas lá pro final a qualidade cai muito, o humor é escrachado ao extremo, o 3D não é usado de forma certa, as piranhas aparecem muito pouco e as situações que os personagens se envolvem são exageradamente toscas.   Responde ai: Se você estivesse em uma piscina rasa cheia de piranhas, mordendo e arrancando pedaços de todo mundo. O quê você faria? Sairia dali correndo ou ficaria gritando e nadando na piscina rasa? Até o Chapolin pensaria na primeira alternativa, mas os personagens do filme não. Ficam pulando na água pra salvar fulano que não sai e o outro que tá gritando e fica nisso.

O pior é ver Christopher Lloyd e Ving Rhames serem completamente desperdiçados em cena, o primeiro só aparece em umas duas cenas sem importância e o outro só no final na cena mais escrachada e zuada do filme inteiro, ao menos é uma das poucas que diverte.

Só vale a pena pelas gostosas e pela nudez, de resto é só um filme passageiro que diverte menos do que devia.

Postado por: Marcelo