Crítica: A Trilha (2009) - Sessão do Medo

30 de novembro de 2012

Crítica: A Trilha (2009)


Depois de duas desilusões seguidas com filmes resolvi optar por rever alguma coisa (o único jeito que há de garantir que veremos um filme bom é assistir algo que já vimos). Nesse caso resolvi rever A Trilha, filme de 2009 com Steve Zahn e Milla Jovovich.

É muitíssimo difícil falar desse filme sem dar spoiler, mas vamos lá. O filme conta a história de Cliff (Steve Zahn) e Cydney (Milla Jovovich, Resident Evil) que estão em plena lua de mel, viajando pelo Havaí. No caminho eles encontram Kale (Chris Hermsworth, Thor) e Cleo (Marley Shelton, Pânico 4), um casal de mochileiros a quem, inicialmente, Cliff resolve dar carona. Um desentendimento faz com que o casal deixe o carro, o que gera uma inimizade entre eles. Ao chegar no hotel, Cliff e Cydney resolvem fazer uma excursão para uma praia remota, onde precisam seguir uma trilha. No caminho eles conhecem Nick (Timothy Olyphant, Pânico 2), que os ajuda em um trecho difícil da trilha. Logo em seguida o trio encontra um grupo de jovens, que avisa do assassinato de um casal recém casado em Honolulu, ocorrido há poucos dias. Eles seguem viagem e logo encontram Gina (Kiele Sanchez, Uma Noite de Crime: Anarquia), namorada de Nick. Só que alguns fatos fazem com que todos pareçam ser uma ameaça, gerando desconfiança entre os integrantes do grupo.


A Trilha, é um filme ao qual é até difícil de falar. O filme em alguns momentos é bem original, e em outros nem um pouco. O filme começa mostrando o casamento do Cliff e da Cydney, com os convidados lhes dando parabéns e tudo mais, começo esse que me lembrou um pouco Cloverfield. O casal principal é bem carismático e em nenhum momento fica um porre acompanha-los. Outra coisa é que o começo desse filme parece começo de filme de Sessão da Tarde, mas logo isso muda.

Quero deixar bem claro que esse filme é do gênero suspense, se isso ainda não está visível. As atuações do filme estão impecáveis, destaque para Steve Zahn, que consegue ganhar facilmente a simpatia do público. Mila Jovovich também provou que não nasceu só pra matar zumbis. Outro lance legal, é que as atuações dos dois casais secundários são boas o suficiente para sempre se desconfiar deles, uma hora você acha que conhece uma pessoa, mas na outra já está se questionando se realmente conhece.


Gostei também da ambientação do filme: o Hawaii. Esse clima tropical me lembrou muito o filme Turistas. Eu não sei se sou o único assim, mas um filme ambientado num lugar longe da civilização, tem maiores chances de me deixar tenso, fora que quase não há trilha sonora no filme.

O filme vai seguindo com sua narrativa linear e seu clima de suspense baixo até que chega na reviravolta. Essa reviravolta vai ser inesperada ou não dependendo de seu conhecimento de filmes. Mas agora que vi o filme de novo percebi que ele vai jogando várias pistas e você só tem de capta-las. O nível de violência até o final é bem baixo. Depois da reviravolta ele aumenta um pouco, mas nada que não seja visto em outros filmes.

É meio difícil alguém entender o filme completamente assistindo-o apenas uma vez, mas é um bom começo prestar atenção em todos os diálogos e também da pra criar teorias sobre algumas coisas no final. A Trilha é um filme de suspense um pouco acima da média, e que mesmo perdendo a graça ao se assistir mais uma vez, faze-lo é necessário. Porém é melhor assistir com espaços de tempo razoáveis, como uns dois anos. A não ser que você não goste do filme é claro. Mas eu recomendo assisti-lo.

Postado por: Igor