Crítica: Brincadeiras de Criança (2012) - Sessão do Medo

30 de maio de 2013

Crítica: Brincadeiras de Criança (2012)


A pouco tempo eu postei aqui no Blog o trailer de um filme chamado Come Out and Play, que mostrava uma molecada atacando um casal num local deserto, onde todos os adultos desapareceram. Lembrou de Colheita Maldita? Pois é,  foi lançado a uns dois meses o tal filme, que no Brasil já ganhou o titulo bagaceiro de Brincadeiras de Criança. Dando uma pesquisada aqui no Google e descobri que se trata de mais um remake, dessa vez de um filme espanhol chamado "¿Quien Puede Matar A Un Niño?!" de 1976. A nova versão segue o mesmo enredo e pelo que eu li é um desses remake cópia, feito quase quadro a quadro com o original.

A história acompanha Beth (Vinessa Shaw de Viagem Maldita e Fuga pelos Trilhos) e Francis (Ebon Moss-Bachrach, conheço não), um casal que decide passar as férias em uma ilha distante do continente. Chegando no local, notam a ausência dos adultos por ali e o comportamento estranho das crianças que habitam o lugar. Não tarda para o casal descobrir que os pivetes da ilha mataram todos os adultos, no melhor estilo da cidade de Gatlin em Colheita Maldita, e que eles serão os próximos...


Não conheço o original, então as comparações vão ficar de fora da postagem... É impossivel não lembrar de Colheita Maldita, o argumento e o jeito que o filme se desenrola é o mesmo, só que Come Out and Play não tem medo de mostrar violência. Tanto as crianças cometendo e sendo mortas, algo semelhante ao britânico The Children de 2008. Só pelo fato de o filme não ter medo de mostrar cenas onde crianças são mortas, já é um grande acerto da produção. Os pivetes do filme são do capeta, sádicos ao extremo, matando como se fosse uma brincadeira comum. Tem até umas cenas bizarras em que eles brincam com cadáveres, e jogam uma cabeça como se fosse uma bola de vôlei.

Come Out and Play é um filme simples, mesmo que a violência esteja presente é mais focada no suspense, daqueles que vão ficando mais tensos com o desenrolar da trama. O roteiro tá longe de ser genial, não explica nada, alguns não ver isso como um defeito, eu considero outro acerto. Foda-se a lógica, as pessoas são ruins e pronto, porque seria diferente com a molecada?


Outro lance bacana é que o casal reage a situação de forma como qualquer pessoa agiria, nada de heroísmo de cinema. O marido é um bundão, isso transmite bem a reação de uma pessoa comum numa situação de perigo eminente. Afinal quem não teria medo de um exercito de pivetes assassinos? A ambientação do filme é outro acerto, uma pequena ilha deserta no meio do nada.

Quando chega lá pelo final o filme ganha um ritmo mais ágil, e mais violento. O desfecho é espetacular!
Um bom filme e só, é o mesmo feijão com arroz, mas tem alguns pontos de destaque, como esses que eu citei. Vale a pena uma conferida!

Postado por: Marcelo