Crítica: Mama (2013) [2] - Sessão do Medo

4 de agosto de 2013

Crítica: Mama (2013) [2]


Guillermo Del Toro sempre fez filmes sombrios, fantasiosos e originais como O Labirinto do Fauno e HellboyDesta vez, ele foi para o cargo de produção e deu a oportunidade para Andres Muschietti. Mas vemos o dedo de Del Toro ao longo de toda a produção: a fotografia mais escura e sombria, a boa decisão em colocar o protagonista masculino de lado durante toda a trama. Afinal, este é um filme que fala do poder da mulher. Todas as personagens femininas tem seus momentos fortes, que revelam traços e sub-traços de personalidade.


O filme é sobre a história de duas crianças, Lilly e Victoria, que são deixadas pelo pai em uma cabana no meio de uma floresta. Anos depois, um pouco mais velhas, elas são encontradas e levadas para conviver com o tio. Porém, o trauma causado por esses anos de “exílio” gerou marcas profundas de um comportamento agressivo, quase animalesco das garotinhas, por isso um psiquiatra se oferece para ajudar na recuperação deste trauma.

O único problema é que as crianças não estavam realmente sozinhas naquela casa...

E aí, encontramos a boa atuação de Jessica Chastain (A Hora Mais Escura), que tem feitos cada vez mais filmes de excelente qualidade e destaque e a atuação um pouco apática, talvez pelo pouco tempo em tela ou falta de um texto que trabalhasse melhor o personagem de Nikolaj Coster-Waldau (Game of Thrones). Jessica convence como a mulher que detesta crianças mas aos poucos vai sendo arrebatada pelo sentimento de poder cuidar de uma vida. Nikolaj até se esforça, mas foi pouco exigido neste papel. Porém, como eu disse antes,este é um filme sobre mulheres. É um terror, mas um terror sobre o poder arrebatador de ser mãe, ou se sentir mãe.

A fotografia, o CGI, o clima sempre obscuro e o suspense tornam este filme acima dos que foram lançados em 2012 e acima dos que foram lançados até agora em 2013. Existem os sustos previsíveis, mas a boa atuação das meninas, em especial, da garotinha mais nova, nos deixam na expectativa sem saber de onde virá o próximo momento tenso. Temos três “vilãs”: As duas garotinhas e Mama, ou seja o clima tenso domina boa parte do filme, o que é uma ótima qualidade deste filme. A trilha sonora aqui faz um bom trabalho, tendo poucos mas bons momentos de destaque.


O filme tem um desfecho diferente do que estamos acostumados a ver, mas analisando o filme como um todo, realmente não tinha como ser diferente. Talvez o único problema seja o fato que o CGI foi empregado demais aqui, o que torna um pouco artificial alguns sustos. Talvez se tivessem jogado um pouco mais com o poder da sugestão, o filme faria arrepiar os pelos do braço. É um terror acima da média, mas que poderia ter ousado um pouco mais, não ficando apenas no CGI e clima sombrio.

OBS: Jessica Chastain está muito gostosa nesse filme.

Autor: Jonatas Lima