Crítica: Freddy Vs Jason (2003) - Sessão do Medo

15 de agosto de 2013

Crítica: Freddy Vs Jason (2003)


Hoje, dia 15 de Agosto de 2013, Freddy X Jason completa 10 anos, desde que foi lançado nos cinemas e só agora me dei conta que faltava uma crítica do filme aqui no Sessão do Medo. A ideia de fazer um crossover já vinha de muito tempo atrás, a Paramount tinha os direitos da franquia Sexta-feira 13 e a New Line os direitos da franquia A Hora do Pesadelo, cada uma tentou comprar os direitos sobre ambas as franquias, e a New Line conseguiu em Jason vai para o Inferno - A Ultima Sexta Feira, pois bem, o filme mesmo tendo o personagem Jason como protagonista reformulou toda a franquia, indo por um caminho diferente do que foi mostrado na franquia. Jason foi transformado em um ser sobrenatural que pulava de corpo em corpo como um parasita, o filme tem referencias claras a Evil Dead, com o livro dos mortos na mansão, e na cena final uma referencia A Hora do Pesadelo, com a luva do Freddy aparecendo. Tudo isso mostrava que haviam planos de juntar as 3 franquias num crossover.

Demorou 10 anos para acontecer, foi 2 anos após Jason X que saiu Freddy X Jason com direção de Ronny Yu, diretor de A Noiva de Chucky e roteiro de Damian Shannon e Mark Swift. Mesmo que o filme tenha sido criticado por muita gente, foi um presentão para os fãs das duas franquias, o filme ignorou tudo que foi mostrado em Jason vai para o Inferno e Jason X e voltou ao estilo da franquia clássica do Sexta-feira 13 e A Hora do Pesadelo. Os roteiristas fizeram um excelente trabalho no roteiro, nas mãos de um roteirista qualquer tinha tudo para ser uma bomba. O roteiro de Freddy x Jason é inteligente e cheio de referencias as duas franquias, tem alguns erros como Jason ir de Crystal Lake a Elm Street a pé sem ser notado, mas isso é só um detalhe a ser ignorado. Foram dezenas de roteiros escritos, um deles envolvia uma seita satânica que queria reunir Freddy e Jason, em outro a personagem Alice (A Hora do Pesadelo 4 e 5) se juntava a Tommy (Sexta-feira 13 Parte 4, 5 e 6) em busca de vingança, caçando juntos o Freddy e o Jason. Foram dezenas de roteiros, chegaram a contratar David Goyer ( Roteirista de Blade e O Cavaleiro das Trevas) e Rob Bottin (O Enigma de Outro Mundo, Grito de Horror, A Mosca...)

Na história Freddy Kruguer está enfraquecido, pois os jovens da rua Elm se esqueceram dele (lembram-se que ele se alimenta do medo de cada um), daí percebe que precisa de um instrumento, então Freddy engana Jason através de sonhos para que saia de Crystal Lake e vá até Elm Street matar os moradores de lá, espalhando o medo entre eles. As coisas saem de controle quando Jason não para de matar, deixando Freddy boladão.

O filme foi muito criticado pela crítica especializada e até hoje não sei o motivo, é um filme feito para os fãs das duas franquias, há várias referencias que só fãs notam como, por exemplo, o remédio hypnocil, que foi apresentado na clinica de A Hora do Pesadelo 3 - Os Guerreiros dos Sonhos, a mesma clinica que dois dos personagens estão internados, pequenos detalhes que fazem a alegria dos fãs. O visual dos dois personagens foi bem trabalhado, o Jason tem o meu visual favorito de todos os filmes da franquia, o do Freddy ficou bacana, mesmo não sendo o melhor de todos da franquia. Outra parada que eu curto, é como o diretor equilibra o humor com o terror, ficou até melhor que em A Noiva de Chucky. Há momentos exagerados, mas soa muito mais como um filme trash do que um filme de humor, como aquela cena que a cabeça do Pai de um dos jovens cai em cima dele. Cena espetacular!

O elenco é dividido, tem atores bons, atores razoáveis e ruins, o pior é sem dúvida o ator Jason Ritter (Filho do falecido John Ritter), o cara é péssimo, deve ser por isso que a carreira não decolou. Monica Keena (Que peitão!!!) tá muito bem como protagonista, só não convence como virgem, mas tá muito boa sim, em todos os sentidos. Tem também Katharine Isabelle (Que peitão!!!²) da trilogia Possuida e Robert Englund, de volta ao personagem Freddy Kruguer, sendo a última aparição como o personagem, antes da substituição no remake. Kane Hodder, que já interpretou Jason nas partes 7, 8 , Jason Vai para o Inferno e Jason X pediu aos produtores para retornar ao papel, mas teve seu pedido negado. Em seu lugar foi escalado Ken Kirzinger, que interpretou um cozinheiro em Sexta-Feira 13 - Parte VIII: Jason Ataca em Nova York. 

A transição do sonho e realidade é tão bem trabalhado como no filme original, um bom exemplo é aquela cena que o grupo fala em sacrificar a protagonista, na maioria do tempo eu não sabia quando era sonho ou quando era realidade, muito bacana isso, além de manterem os elementos clássicos da franquia, como a tal sala da caldeira que é mostrado nos primeiros filmes da franquia. Há também muita cena bacana de morte como aquela que o Jason quebra a cama e a coluna do cara ao meio depois de esfaquear ele. 



O ponto contra do filme é ser mais fiel a franquia A Hora do Pesadelo e um pouco menos a Sexta-feira 13, a cena do sonho do Jason, mostrando ele se afogando no lago é muito fora da realidade do que foi mostrado no primeiro Sexta-feira 13 e o lance dele ter medo de água foi algo que não colou para quem conhece os outros da franquia, outro detalhe é como a Sra.Voorhees foi apresentada, como uma velha maluca, bem diferente da personagem do primeiro filme. Essas partes saíram do contexto da franquia, mas não chegam a ser um problema como foi o caso de Jason vai para o Inferno.

A luta entre Freddy e Jason é satisfatória com muito sangue e brutalidade e o filme acerta no climax, a cena final fecha o filme com chave de ouro. O maior acerto do filme é sem dúvida juntar as duas franquias de forma certa pelo roteiro, esse é o maior acerto, como eu tinha comentado é um filme para os fãs. Um presentão! 

Postado por: Marcelo