Critica: Tubarão 3-D (1983) - Sessão do Medo

24 de agosto de 2014

Critica: Tubarão 3-D (1983)


"Em Tubarão: Eles foram pegos de surpresa. Em Tubarão 2: Pensavam que não tinha mais perigo. Em Tubarão 3: Jamais poderiam imaginar o que iria acontecer."


No ano de 1983, acho que ninguém esperava que estaria entrando em cartaz a terceira parte do filme 'Tubarão'. Os produtores de 'Tubarão 2' não haviam ficado muito satisfeitos com o filme. Um produtor italiano, Enzo C. Castellari, resolveu dirigir um filme chamado 'O Último Tubarão' (na Espanha vendido como "Tiburón 3", que é bem divertido também). Todavia, o título não se referia a um último exemplar da franquia de Spielberg, mas sim um filme independente que chegou a fazer mais sucesso que o 'Tubarão 2'. Para quebrar a ideia de que o "Ultimo Tubarão" era uma sequência dos filmes da franquia "Tubarão", a Universal resolveu fazer outro filme.

No início eles queriam fazer uma comédia com o nome "Jaws 3, People 0" na tradução literal "Tubarão 3, Pessoas 0". O filme começaria com o escritor Peter Benchley (autor de "Jaws") sendo atacado em sua própria piscina. Depois acharam melhor fazer um filme sério. O título "3" teria um segundo sentido, porque o filme seria em 3D (assim como Amityville 3-D e Friday the Thirteen 3-D ), eram tempos em que o terceiro filme da franquia era feito em 3D que estava se popularizando na época.

A abertura começa com uma visão de dentro d'água. Os peixes estão nervosos com algo até que aparece uma cabeça de peixe decepada. Então vem o título Jaws III, que abre e fecha, como uma boca mordendo. Aí vem um grupo de esquiadoras treinando para uma apresentação inaugural. No fundo da cena é possível ver uma barbatana riscando a água.

O cenário desse filme não é mais a pacata cidade litorânea de Amity, mas sim num parque aquático chamado "SeaWorld", Consequentemente, o policial Martin Brody também fica fora da trama. Agora a história gira em torno do filho de Martin, Mike Brody, interpretado por Dennis Quaid que já havia feito vários filmes para a TV naquele tempo.

E ainda tem mais, o tubarão também mudou... Ele está maior, ou melhor, ela está maior. Sim, é uma fêmea de aproximadamente 12 metros de comprimento e para piorar a situação dos trabalhadores do parque, ela tem um filhote que também fica preso dentro do parque. 
Cena em 3D do filme. Dizem que o braço fica do seu lado. 
Oito ano depois do primeiro 'Tubarão', Michael Brody foi trabalhar no parque aquático SeaWorld. Lá ele conhece a treinadora de golfinhos Kathryn "Kay" Morgan, não demora nada para que os dois acabem tendo um romance.

Durante a noite um funcionário do parque, Shelby Overman, enquanto ele fechava as portas do parque que o ligavam ao oceano, é atacado por um tubarão sem ninguém ver. Algum tempo depois dois ladrões de coral caem na água e também são mortos, também sem ninguém ver. Sean, o irmão caçula de Mike, vai visitar o parque antes da inauguração. O rapaz não entra na água do mar desde que houve aquele ataque de tubarão na parte 2.

Kay vai treinar os golfinhos Cindy e Sandy, mas Sandy se recusa a pular. Ela e Mike mergulham para ver se não há nada de errado lá em baixo e quase são atacados pelo jovem tubarão (provavelmente esses tubarões são Megalodons), mas são salvos pelos golfinhos... Destaque para a musica que toca nessa parte. É outra variação da musica clássica tocada no primeiro tubarão. 

Calvin Bouchard, o dono do parque, chama o caçador de tubarões Philip FitzRoyce. Ele pretende matar o animal no dia da inauguração do parque. Kay diz que não existem tubarões-brancos em cativeiro, então eles poderiam ser os primeiros a realizá-lo. O jovem tubarão é capturado e levado para uma piscina, de repente o tubarão fica agitado e começa a nadar para lá e para cá. 

O dia da inauguração do parque chegou. Sem avisar Kay e Michael, FitzRoyce coloca o tubarão em outra piscina. Agora pense que negligência, o bicho fica numa piscina onde qualquer visitante pode colocar a mão, não existe preparo, nem proteção, mas isso não interessa porque nada acontece aqui, só o tubarãozinho que morre, provavelmente de estresse. 

As esquiadoras são atacadas pelo grande tubarão. Sean pula na água para
salvar Kelly, uma trabalhadora local com quem ele acaba se envolvendo, ela acaba sendo atacada pelo gigantesco bicho. Kay e Mike são informados sobre o cadáver de Overman que fora encontrado no fundo do mar boiando na janela de um túnel subaquático. Eles ficam impressionados com as mordidas, a pele e o couro foram arrancados, deixando os músculos à mostra. O tubarão bate num dos túneis que fica interditado com um monte de turistas.

Quando eles vão avisar FitzRoyce, ele diz que pelo tamanho da mordida o tubarão tem 35 pés, a priori ninguém acredita nessa bobagem, mas a mãe do jovem tubarão aparece numa cafeteria sub-aquática, aí todos acreditam na ideia do monstro. 

A ideia era prender o tubarão numa espécie de jaula para que Kay e Mike pudesse concertar o túnel para libertar os turistas. FitzRoyce, que se oferece como isca para aprisionar o peixe,  vai tentar matar o animal com uma granada, mas acaba encontrando seu próprio fim, mas ele consegue prender o bicho... Por pouco tempo.  

Mike e Kay concertam o túnel e libertam as pessoas, mas o tubarão também consegue se libertas e passa a persegui-los. Não se enganem, o tubarão é até bonitinho, mas a velocidade dele é lenta, quase parando. Os dois se dirigem a sala principal do parque que fica debaixo d'água, o tubarão começa a se aproximar... Ele quebra o vidro da janela e inunda todo o local. Mike aperta a granada e o tubarão explode. Suas maxilas voam em direção ao telespectador. 

Mike e Kay sobem à superfície, sendo os únicos sobreviventes. Cindy também aparece, mas eles ficam preocupado que tivesse acontecido algo com Sandy. Então ela aparece e dá o pulo que ela se recusou a fazer em grande parte do filme. Fim.

De fato, o rumo que franquia tomou foi triste, essa parte é a mais ruim até então. Os efeitos em 3D não são dos melhores, mas claro, afinal é um filme de 1983. De qualquer forma, eu gosto desse filme, mais pelo que ele representa do que ele é. Ele me da uma sensação bem nostálgica e gostosa.
O roteirista do filme, Richard Matheson não gostou do resultado final do filme e chegou a declarar:

'Eu sou um bom contador de histórias, e eu escrevi um bom roteiro. E se tivessem feito o certo e se tivesse sido dirigido por alguém que sabia dirigir, eu acho que teria sido um excelente filme Tubarão 3-D, foi a única coisa que Joe Alves já dirigiu. O homem é um desenhista de produção muito habilidoso, mas como diretor, não. E o chamado '3D' deu ao filme um olhar sombrio, não teve efeito algum. Foi uma perda de tempo'.

Após a estreia do filme em 1311 cinemas, o filme recebeu criticas mornas, alguns o achando bem divertido e outros o achando como um exemplo de sequência ridícula:


"Performances exageradas, efeitos especiais de queijo, e um diálogo absolutamente terrível, tudo contribui para tornar Tubarão 3 numa experiência verdadeiramente triste para quase todo mundo. Não é apenas difícil de acreditar que uma sequência esta absolutamente abominável não matou a franquia, mas que, na verdade, seria seguido por um filme que foi sem dúvida pior 'Tubarão: A Vingança'". 
E para a surpresa de muita gente (provavelmente até para o próprio Spielberg), esse filme deixa de se torna o mais ruim da franquia quando surge "Tubarão 4 A Vingança" que consegue a façanha de ser incrivelmente ruim. O filme foi indicado para cinco prêmios de Framboesa de Ouro, incluindo pior filme, diretor, ator coadjuvante (Lou Gossett Jr.), roteiro e iniciante (Cindy e Sandy, "os Golfinhos"), mas não receberam nada. 

Então é isso, o meu conselho para quem ainda não viu é que assista, pois ele ainda consegue render alguns momentos de diversão. 

Nota: 6,0.
Direção: Joe Alves.
Produção: Rupert Hitzig.
Roteiro: Carl Gottlieb, Richard Matheson.
História: Guerdon Trueblood. 
Elenco: Dennis Quaid, Bess Armstrong, Simon MacCorkindale, Louis Gossett Jr.
Música: Alan Parker.
Orçamento: 20,5 milhões dólares.
Bilheteria:  Aproximadamente 87 milhões de dólares.

Por: Michael Kaleel.