Crítica: Corra! (2017) - Sessão do Medo

18 de março de 2017

Crítica: Corra! (2017)


Nas últimas semanas, a internet está sendo o palco do buzz do novo terror da Blumhouse intitulado Corra! (Get Out), que conseguiu a feita de uma porcentagem de 99% de aprovação no famoso agregador de notas Rotten Tomatoes. Para quem conhece como o site funciona, ele simplesmente compila as principais críticas e faz uma média dos textos que aprovaram e os textos que não aprovaram, dando uma tal porcentagem.

O filme é a estréia do comediante Jordan Peele no gênero, o que preocupou alguns durante a divulgação, apesar do trailer ser extremamente curioso. Pelo vídeo (que eu não vi completo para evitar qualquer spoilers), o material parecia ser um filme de horror que tinha por trás uma crítica ao racismo, usando o termo como uma alegoria. Numa premissa bruta, um cara negro iria com sua namorada branca conhecer os pais da mesma e acaba descobrindo que não é bem vindo da pior forma possível.


Basicamente, Corra! é sobre isso, mas é um filme de terror que merece sim uma atenção especial por ser uma história bastante inteligente e acima de tudo, original. Ainda que tenha suas influências assumidas, o longa traz muita coisa interessante e diferente para o jogo.

Bom, Chris (o talentoso Daniel Kaluuya, Black Mirror) é um jovem negro que namora com a caucasiana Rose (Allison Williams, série Girls) há 4 meses. Ele finalmente irá conhecer os pais da moça mas está apreensivo pois ela não contou pra eles que ele era negro. Ao chegar na casona, Chris é recebido por um casal simpático, Dean e Missy (interpretado por Bradley Whitford e Catherine Keener). Mas o que chama atenção de Chris é a existência de dois empregados da casa, negros, com atitudes estranhas e "robóticas".

A princípio, tudo parece estar indo bem. Dean se mostra um ótimo amigo e Missy, psiquiatra, se voluntaria a ajudar Chris a se desvencilhar do vício de fumar. Mas não demora muito para Chris achar que há algo de errado no lugar. Após uma estranha sessão de hipnose com a "sogra", Chris começa a perceber que está certo.


Sem procurar se ater a clichês, Corra! é um filme intensamente criativo. Ele primeiro te deixa curioso, depois te deixa confuso, tenso e então traz o final de bandeja. Infelizmente, devo falar da minha insatisfação com o material divulgado que não procurou manter o suspense e entregou MUITA, mas MUITA coisa. Eu nem vi o trailer todo e já tinha sacado grande parte da história e após ver o filme, fui terminar o trailer e vi que tinha mais coisas ainda. Então minha sugestão como sempre é que não veja o trailer nem nada a mais.

O roteiro de Jordan Peele, acostumado com a comédia, surpreende por ser tão afinado no gênero terror. Ainda que ele utilize elementos humorísticos (cheguei a gargalhar em algumas cenas, não vou mentir), eles não quebram o clima e servem como alívio cômico. A maioria vem do personagem Rod (Lil Rel Howery), melhor amigo de Chris, que sempre que aparecer vai te fazer soltar algumas risadas.


Criticando o racismo e preconceito, outro ponto alto de Corra! é usar os temas importantíssimos como fachada para uma história de horror inteligente. Além de mostrar ao longo do filme cenas desconfortáveis (a cena do carro e da festa então...), o final traz uma interessante visão que é sem dúvidas assustadora dentro dos termos.

Atenção para spoilers nos parágrafos a seguir! Se ainda não assistiu o filme, sugiro pular para o fim do post.

O ponto mais interessante do filme, sem dúvidas, é o final, que acima de tudo, resume toda a proposta da produção. Nele, Chris após matar sua namorada e vilã Rose, se depara com uma viatura e ao invés de pedir socorro (como normalmente acontece), ele levanta suas mãos em redenção. Para sua sorte era seu amigo Rod que vinha socorrê-lo. O simples ato é daqueles que quando você percebe a diferença, realmente te faz pensar. O intuito do filme é, além de divertir, fazer com que as pessoas repensem e falem sobre o racismo que não é simplesmente um conceito, mas algo que ainda existe embora muita gente ache que é algo distante, ou que não ocorre mais.

O curioso é que este final, bastante otimista e que arranca risadas do público, seria originalmente um soco no estômago e que confesso, era o que eu achei que aconteceria. No final original, policiais de verdade estariam na viatura e levariam Chris preso, sendo culpado por todos os crimes. Peele alegou que resolveu retirá-lo por achar muito pesado e que o filme precisava trazer uma espécie de esperança. Basicamente, de situações assim a vida já está cheia, certo? Acho que foi uma decisão bastante sábia e interessante de ver, dá pra notar o compromisso do diretor com sua obra.

Fim dos spoilers.

Cena deletada de Corra! e presente no trailer.

Para finalizar a crítica sem querer estender muito, só quero falar para vocês não medirem custos para conferir no cinema. É um filme que deve ser assistido, seja por seu terror inteligente e divertido ou seja pela puta crítica social que ele carrega e emprega tão bem em sua história. Jordan Peele em sua estréia na direção e no gênero acabou se tornando um dos diretores promissores e eu estou muito ansioso para ver o que ele trará em seguida.

Corra! estreia dia 18 de Maio nos cinemas brasileiros.
por Neto Ribeiro

Título Original: Get Out
Ano: 2017
Duração: 103 minutos
Direção: Jordan Peele
Roteiro: Jordan Peele
Elenco: Daniel Kaluuya, Allison Williams, Bradley Whitford, Catherine Keener, Caleb Landry Jones, Lil Rel Howery, Stephen Root, Lakeith Stanfield



Description: Terror original, eficiente e inteligente. Rating: 4.5 out of 5