Crítica: Dia de Trabalho Mortal (2017) - Sessão do Medo

8 de junho de 2017

Crítica: Dia de Trabalho Mortal (2017)


Pode entrar, um dos melhores filmes de terror do ano. Conheçam The Belko Experiment, uma película extremamente divertida e que irá agradar bastante os fãs do gênero! Esta produção é a nova empreitada de Greg McLean, diretor dos dois Wolf Creek e Morte Súbida, junto com o roteiro de James Gunn, responsável por Seres Rastejantes (2006), Guardiões da Galáxia (2014) e sua sequência. 

A trama do longa acompanha uma empresa sediada em Bogotá, a Belko Industries, que oferece empregos à americanos em países latinos. Parecia ser mais um dia de trabalho para os funcionários da filial mas logo se torna exatamente o contrário. Os 80 funcionários presentes se veem trancados e selecionados, quando uma voz no interfone diz que eles participarão de um experimento e que nos próximos 30 minutos duas das oitenta pessoas deverão estar mortas.

Pensa-se que é uma pegadinha ou um teste psicológico, mas quando os trinta minutos se passam e ninguém morre, a "voz" explode duas cabeças, através de chips da empresa implantados no pessoal. Um novo desafio é lançado: nas próximas duas horas, 30 pessoas devem estar mortas senão 60 morrerão. Começa então um jogo violento de matar ou morrer, onde ninguém é confiável.


Essa premissa onde pessoas são postas em um local para se matarem não é nova e a principal fonte de inspiração aqui é Battle Royale (2000), filme que inclusive inspirou o hit Jogos Vorazes (2012). No entanto, graças ao ótimo roteiro de Gunn, a história nunca parece previsível e sempre que você acha que uma coisa vai acontecer, acontece o contrário.

O que também auxilia nessa sensação é a ideia da história se passar num escritório, então podemos ver a relação de falsa camaradagem entre os personagens antes do lockdown e como eles se voltam uns contra os outros depois. Uns até parecem estar aproveitando a oportunidade para fazer o que sempre quiseram fazer com os colegas de trabalho.

Como é de se esperar, os personagens se separam em grupos e vira um bacanal de gore para tudo que é lado. Isso é legal por que o roteiro tem a oportunidade de explorar o que o instinto de sobrevivência é capaz de causar. Então pode esperar algumas reviravoltas aqui e ali.


Embora seja principalmente um longa de terror, The Belko Experiment também tem boas doses de humor e que nunca atrapalham o clima de tensão durante a projeção. A trilha sonora participa desse quesito, emplacando versões em espanhol de I Will Survive e California Dreamin' que soam bem engraçadas em cena. Algumas tiradas te fazem gargalhar e segundos depois sangue é jogado na tela! Por falar de sangue, o filme não polpa sangue falso e tem mortes pra caralho, umas bem violentas inclusive.

Não mencionei nenhum personagem na descrição do filme pois são muitos e não parece muito relevante, mas mesmo com o grande elenco, cada personagem tem sua função na história e a maioria deles conseguem soar bem carismáticos em meio ao caos.

Uma descrição bem adequada para o filme é que ele é um horror satírico, uma mistura de The Office com O Segredo da Cabana com Battle Royale. Acho que a principal meta dele é divertir e ele faz isso muito bem, então não procure consistência onde não precisa ter. Para alguns, The Belko Experiment pode não soar como uma grande coisa mas para outros, eu incluso, é um belo filme de terror, brutal, puro entretenimento. Estávamos precisando de uma farofa assim, já que ninguém aguenta mais filme de fantasma batendo porta e puxando lençóis. Para mim, é um dos melhores filmes do ano juntamente com Corra! e Hounds of Love.

por Neto Ribeiro

Título Original: The Belko Experiment
Ano: 2017
Duração: 88 minutos
Direção: Greg McLean
Roteiro: James Gunn
Elenco: John Gallagher Jr., Tony Goldwyn, Adria Arjona, John C. McGinley, Melonie Diaz, Josh Brener, Michael Rooker


Description: Rating: 4 out of 5