Crítica: O Mundo Sombrio de Sabrina | Parte 1 (2018) - Sessão do Medo

15 de dezembro de 2018

Crítica: O Mundo Sombrio de Sabrina | Parte 1 (2018)


Este ano reservou muitas surpresas para nós, fãs de terror, mas acho que uma das maiores foi sem dúvidas esse reboot da clássica série infantil Sabrina - A Aprendiz de Feiticeira. Quem cresceu assistindo o Bom Dia & Cia., definitivamente deve se lembrar do seriado estrelado pela Melissa Joan Hart. O próprio era originalmente baseado nos quadrinhos da personagem e a ideia de trazer a Sabrina "underground" para as telinhas se deu após a CW lançar a bomba adolescente Riverdale, também baseada em quadrinhos dos mesmos criadores. Originalmente, a série seria exibida no mesmo canal mas a melhor decisão de todas foi vende-la para Netflix.

Se você acha que por se tratar da bruxinha Sabrina, estaremos vendo episódios com draminhas adolescentes e feitiços bobinhos, está muito enganado. O Mundo Sombrio de Sabrina é baseada numa repaginação mais recente das HQ's e tem direito a muita violência, satanismo, demônios e o próprio Diabo numa participação especial.


Kiernan Shipka (Enviada do Mal) assume o papel da jovem Sabrina Spellman, uma meia-humana e meio-bruxa que cresceu com suas duas tias, Zelda (Miranda Otto, O Senhor dos Anéis) e Hilda (Lucy Davis, Mulher-Maravilha), proprietárias da funerária local da cidade de Greendale. Ao contrário da série original, nossa Sabrina sempre soube de sua identidade e foi criada a base de muita bruxaria e conjuração diabólica. Prestes a completar 16 anos, Sabrina deve participar de um ritual de iniciação, onde assinará seu nome no Livro da Besta, vendendo sua alma ao próprio Satã e iniciando sua vida como uma bruxa de verdade. Mas para isso, ela terá que abandonar toda a sua vida mundana e isso inclui seus amigos e principalmente seu namorado Harvey (Ross Lynch, Meu Amigo Dahmer). 

Até aí, "tudo bem". Acontece que é óbvio que ela não fará isso e ao rejeitar o ritual, ela fica marcada pelo Senhor das Trevas, que quer por algum motivo sua alma. Ao longo da temporada, vemos essa trama se desenrolar enquanto também conhecemos um pouco da mitologia desse mundo através de pequenos subplots individuais, que lembram de alguma forma Buffy - A Caça Vampiros.

Para os que adoravam a série original, O Mundo Sombrio de Sabrina pode ser um pouco indigesto no início. Mas à medida que os episódios passam, é fácil de imergir naquele mundo. Por incrível que pareça, o seriado bebe da fonte de diversos clássicos do horror e um dos pontos mais legais dele é justamente pegar as referências. Algumas são discretas, outras nem tanto. Portanto, fique ligado pois temos nods à O Bebê de Rosemary (1968), O Exorcista (1973), Suspiria (1977), A Morte do Demônio (1982) e até obras mais recentes como A Bruxa (2016).


Um dos meus maiores receios, por ter assistido o primeiro ano de Riverdale, era que os personagens da série fossem irritantes, superficiais e a todo momento falassem um diálogo que pareceria ter saído de uma fanfic. Mas o pessoal acertou e embora alguns personagens ainda não tenham me ganhado (alguns dos humanos), outros (como as tias e a Sra. Wardwell) são bastante carismáticos e promissores.

De uma forma estranha, essa versão de Sabrina parece ser ajustada para agradar todos os públicos e é exatamente isso que acontece. Lançado em pleno mês de Halloween, o show da Netflix é uma perversa e contagiante diversão que definitivamente te fará ansiar para ter mais episódios o quão antes possível. E não vai demorar tanto assim: um episódio especial de Natal foi lançado ontem (14/12) e a segunda parte da temporada chega ao serviço no dia 05 de Abril de 2019. Praise, Satan!

Título Original: Chilling Adventures of Sabrina
Temporada: 1
Canal: Netflix
Ano: 2018 • Episódios: 10
Elenco: Kiernan Shipka, Miranda Otto, Lucy Davis, Ross Lynch, Michelle Gomez, Chance Perdomo